Posts Tagged ‘culturas’

Somos nômades e anônimos




Quando se anunciou que a globalização se definia,muitos imaginaram que haveria um pacto mundial. As diferenças culturais sempre existiram. Não é incomum que desconheçamos hábitos que estão próximos. A sociedades se veste de complexidades que nunca serão extintas. A globalização trazia uma tecnologia mágica. Quem antes escrevia uma carta, hoje se envolve com o facebook, […]




Share Read the rest of this entry »

As redes sociais: as notícias correm imprecisas




Não há convivência social e histórica sem agilizar a comunicação. Um olhar paciente sobre mostrar que é preciso conversar, observar os comportamentos dos outros, renovar costumes, anular tradições faz parte das mudanças, da necessidade de experimentar questões e fugir de certas amarguras. São infinitas as possibilidade de escolhas. Elas visitam memórias, criam futurismos, conservam dogmas. […]




Share Read the rest of this entry »

O machismo costura histórias seculares




As mudanças ocorrem e direitos são assegurados. Os ritmos variam e se misturam com os devaneios.No entanto, permanecem desencontros que pareciam ser superados pelos iluminismos tão exaltados. Quebrou-se a sociedade da servidão, as cidades anunciavam liberdade, as revoluções queriam definir outras relações. Chegou-se a acreditar que as ciências desvendariam mistérios e conseguiria firmar a paz. […]




Share Read the rest of this entry »

A solidão não tem moradia fixa e comum




Os sentimentos passam pela história como atores de segunda categoria. Muitos acham desnecessário entendê-los ou observar suas trilhas sinuosas.  Investem na contagem dos fatos extraordinários, destacam as astúcias políticas, mostram os êxitos econômicos. O positivismo continua com adeptos fanáticos ou disfarçados. A história busca uma objetividade que não dá conta dos escorregões. Desenha-se uma linha […]




Share Read the rest of this entry »

Quem (se) educa na sociedade do espetáculo capitalista?




Tudo tem um preço. É uma máxima ouvida em cada esquina. A gratuidade é coisa do passado. Pertence a tradições já carcomidas pela volúpia das novidades. Mas importam , ainda, as simulações. Ninguém quer se desfazer das bondades. Os generosos andam com discursos bem articulados, exaltando perdões e prometendo mundo de igualdade. Não esqueça que […]




Share Read the rest of this entry »

As histórias: as fragmentações que sacodem o mundo




  Dividimos o tempo para melhor entendê-lo. No entanto, há também certo pragmatismo. A complexidade social exige atenção, pois não há como acabar com as lutas políticas. Elas ganham conteúdos estranhos para quem pensava num progresso de uma ordem solidária. O perfume dos cargos é o encanto maior. Falam de prejuízos, de perdas, porém, na […]




Share Read the rest of this entry »

As profecias anônimas e animadas




faz a redenção percorrer, sem pausa, todos os pedaços da história. não ha encanto permanente, pois a dúvida não se afasta do coração. o ritmo configura as distâncias do corpo e inventa as dores assanhadas. na celebração do mundo há sempre o juízo final e a escatologia avulsa. o cansaço da vida é sinal do […]




Share Read the rest of this entry »

O mundo do bordado e da astúcia




o mundo bordado desdenha as cores que conhece e desfigura, olha os corpos de formas impróprias como se criasse força com o espanto. o esquisito mundo não se amplia no sossego fugidio dos loucos, pede ao amanhã que despreze a dúvida e o desconforto. o arcanjo perdido  fecha a porta do oceano sem mantos e […]




Share Read the rest of this entry »

Eros e Psique: mitos, lembranças, aprendizagens




As celebrações vestem-se de todas as cores. Somos animais sociais, mas traçamos cartografias desiguais. Vivemos com valores que flutuam. Não podemos afirmar que o futuro será exitoso ou que cairemos em frustrações fatais. As coisas se balançam e a instabilidade não cede. Há momentos de mais no sossego, porém fixar destinos é impossível. Mesmo quem […]




Share Read the rest of this entry »

O silêncio é ruído: Ulisses e as andanças no facebook




O cotidiano não é tão implacável como dizem. É difícil uma vida plena de surpresas, sem aparecimentos de repetições. Não conheço quem tenha posse de um território onde tudo é novidade e renovação de paraísos. A cultura está cheia de invenções. Precisamos superar os impasses, redesenhar as geometrias, sacudir a poeira de conceitos. As ambivalências […]




Share Read the rest of this entry »