Posts Tagged ‘desamparo’

Os moradores de rua e a opressão

  Morar. Estamos no mundo, procuramos abrigos, queremos atenção, olhamos os outros. Quando se pensava que as ideias iluministas iriam salvar a sociedade, a miséria continua fazendo vítimas e construindo desencantos. A razão cartesiana não deu conta de estimular as utopias. A desigualdade permanece, a concentração de riquezas não se vai, as indiferenças cortam o […]






Share Read the rest of this entry »

Os desamparos escondidos

Não há como se desfazer do medo e assustar o desamparo. A sociedade corre, desfazendo sonhos e celebrando técnicas. As tradições se confundem com as novidades nas vitrines superficiais. Não se a conta a história, mas se busca o sucesso como um cristal raro. A vida possui pedras que escondem segredos e mantos que enxugam […]






Share Read the rest of this entry »

Os aprendizados da história e dos valores

O ensino da história tem ares de pedagogia de lições para a vida. Muitos consideram que reflexões sobre o passado trazem reviravoltas nos comportamento. Não há negar que se aprende com o que foi vivido. O desperdício existe, mas não é absoluto. Se as lições tivessem eficácia frequente, com certeza estaríamos próximos do paraíso. Não […]






Share Read the rest of this entry »

A fabricação da drogas e o desencanto com o mundo

Não se vive sem estímulos. A apatia nos tira da movimentação da vida. Somos animais sociais que curtem debater, se alegrar, dividir dores e espantos. Há muito o que fazer.A complexidade aumenta. Problemas para os governos, descasos na gestão coletiva, medos no pulsar do cotidiano. Não é fácil. As acusações correm o mundo, com julgamento […]






Share Read the rest of this entry »

Pina e Wenders: a dança do desamparo e do encanto

A beleza é fundamental, já disse o poeta, celebrando suas paixões e encantos. Não contrario suas palavras. A beleza nos salva, muitas vezes, traz transcendência e coragem. Diante de tantas explorações, de competições ferozes, a contemplação nos leva a pensar alternativas, visualizar outro mundo. A beleza tem sedução, toca fundo. Defini-la é um risco. Passa […]






Share Read the rest of this entry »

Kadafi fica, o Galo sai, o Carnaval fervilha

Kadafi continua sua estratégia persistente. São 41 anos de poder.Exibicionista, aproveita tudo para mostrar firmeza, pelo amor a Líbia. A violência traz sua marca. Não respeita o mínimo princípio da democracia. Suas aparições públicas são seguidas de discursos extensos e nacionalistas. Seu narcismo é exemplar. Sua riqueza se encontra bem guardada em bancos poderosos. Assim, […]






Share Read the rest of this entry »

A democracia cria sonhos e sinais seculares

As agitações lembram que existem desejos de mudar. Localizam-se várias maneiras de insubordinação. Há rebeldias momentâneas. Passam. Temem violências, mais agudas, e aparentam não ter causas definidas. São encontros com insatisfações,sem reflexões sobre o futuro e  carregadas de desconhecimentos sobre  as políticas do passado. Predomina o efêmero, nada se consolida, a não ser a frustração de alguns. Não custa […]






Share Read the rest of this entry »