Posts Tagged ‘desigualdade’

As disputas acirradas: tensões e deboches

    Quem acenava com uma sociedade organizada com cuidados solidários, deve estar frustrado. Aqueles ideais iluministas, aquelas críticas aos genocídios, as utopias tão cantadas  por suas generosidades se encontram em estágio terminal. Os elogios ao desenvolvimento tecnológico não compensam os desencontros e os deboches permanentes. Planeja-se o desmanche. A abertura  para o diálogo é […]

Read the rest of this entry »

Kafka: as palavras desenham o vazio

  Reclamo das ambiguidades e dos cinismos que cortam o cotidiano. Não faltam denúncias. As tensões existem em todos os lugares.Mesmo com a folia trazendo delírios continuam os desfazeres. Será que a história nunca anulará a desigualdade? Penso que as utopias assanham nostalgias que nunca se concretizaram. Mas as ilusões entram nos desejos. Kafka pediu […]

Read the rest of this entry »

A tragédia não é incomum

    Há sempre sensacionalismo no jogo da mídia. Ela gosta de imagens inquietantes. Manipula bem os desejos da sociedade que não cessa de buscar novidades. Muitas notícias atraem e provocam expectativas. Será que o pecado é um produto humano? A natureza está arruinada? A tecnologia é uma dádiva? Quem acredita no compromisso dos governos? […]

Read the rest of this entry »

Quem se esconde, quem se revela, quem desiste?

    Faça a sua escolha. Não gosta de sair, esconde-se no seu labirinto, então não negue que a solidão é gostosa. Siga suas aventuras, mesmo que desconheça o caminho mais fácil. Curte o balanço, não esquece o celular, desenhe seus rastros no quarto íntimo, não se sufoque. Solte as amarras e procure companhia para […]

Read the rest of this entry »

Os moradores de rua e a opressão

  Morar. Estamos no mundo, procuramos abrigos, queremos atenção, olhamos os outros. Quando se pensava que as ideias iluministas iriam salvar a sociedade, a miséria continua fazendo vítimas e construindo desencantos. A razão cartesiana não deu conta de estimular as utopias. A desigualdade permanece, a concentração de riquezas não se vai, as indiferenças cortam o […]

Read the rest of this entry »

Estamos tontos ou perdidamente cínicos?

Sou descrente com relação a muitas coisas. Fico triste, quando vejo tantos desencontros. Não vivo de ambições, já rompi com o berço esplêndido. Repito sem consternação: uma sociedade tomada pelo capitalismo se afunda afetivamente. Daí, a violência, as amargura, a inveja, o desprezo pelos outros. Sei que é um máquina poderosa e há quem admire […]

Read the rest of this entry »

A violência organizada ou a desigualdade permanente?

As notícias não cessam de trazer escândalos e corrupções que se prolongam pela República. Tudo vem acompanhado de acontecimentos marcados pela violência. Se elogiamos a multiplicidade da cultura, não podemos deixar de assinalar que as desavenças intrigantes e a falta de solidariedade ganham corpos. A violência se veste de brutalidade incomum e retoma preconceitos que […]

Read the rest of this entry »

As estratégias de sobrevivência e os controles cotidianos

Há uma insatisfação com a vida cotidiana que toma conta da maior parte da população. Existe quem reclame de mais privilégios, sente-se invadido em sua residência pelos ruídos da rua, pelo tumulto causado por mendigos habitantes da praça. Mas há quem exija o mínimo e nem sequer  visualizar possibilidades de mudança. Os ônibus representam o […]

Read the rest of this entry »

As moradias do mundo de fronteiras soltas

Ocupar territórios faz parte da travessia histórica. Exige estratégias de dominação e práticas sociais renovadoras. Não se cogita, aqui, avaliar justiças ou definir valores. Na medida em que as invenções culturais ganham força, regras e limites se tornam mais complexos. É preciso lidar com as diversidades de formas e de recursos. A sociedade continua desigual. […]

Read the rest of this entry »

Os insistentes vestígios colonizadores

Os estudos futuristas anunciam mudanças na ordem internacional, o famoso rodízio histórico que alimenta as aventuras capitalistas. O Brasil, a Rússia, a Índia, a China despontam como potências. Não haverá transformações radicais. Continuam a exploração e a desigualdade. Como pensar uma sociedade voltada para o lucro sem desequilíbrios e privilégios? A Inglaterra já reinou durante séculos. […]

Read the rest of this entry »