Posts Tagged ‘desigualdades’

O fim do mundo está próximo de quem?

Há sempre espaços para a renovação de profecias. Não se fica, apenas, nas tradições, relembrando paraísos perdidos, revoluções desgovernadas. Ninguém deixa de olhar as mudanças constantes. Difícil é avaliar se a sociedade se encontra com o prazer ou festeja o coletivo. Os desenganos são muitos, mas  pessoas promovem  debates, surpresas, acertos  em pactos e conflitos […]






Share Read the rest of this entry »

Pendure os desejos e as rebeldias na sua janela

Na aldeia global, curte-se o instantâneo. Nada de lentidão, de contar até 10. O importante é registrar com rapidez. A qualidade não é ressaltada. Vale a novidade, alterações na forma, disfarces, sofisticações. Nesse movimento, as sociabilidades reconfiguram-se, mas há uma fragilidade que não pode ser esquecida. Na Espanha, afirmaram que a democracia havia sido sequestrada. […]






Share Read the rest of this entry »

Dilma Rousseff e os olhares mutantes da política

Lula terminou seu mandato consagrado. Não poderia ser superado, segundo os mais fanáticos. Saiu pela porta larga, com promessas de não largar a política, mas não atrapalhar Dilma Rousseff. As expectativas se mantiveram, contudo o futuro não é fixo, desafia as cartomantes astutas. Todos apostam, fazem prognósticos. É o jogo maior da vida: brincar com o tempo […]






Share Read the rest of this entry »

O caos urbano não é uma ficção, nem um tédio

  A cidade é um mito. O mito tem permanência. Não se  apaga fácil, desafia eternidades. Atravessa séculos. Muitos mitos são, radicalmente, fundantes.  Instituem modelos de comportamentos e histórias de épocas contagiantes. A cidade não está, apenas, localizada nas idas e vindas da modernidade. Ela remonta a tempos antigos, de memórias mágicas e deslumbrantes. Foi comparada […]






Share Read the rest of this entry »

A sociedade não esquece a exploração do trabalho

Nos seus Manuscritos Econômicos e Filosóficos, Marx escreve sobre o trabalho e sua importância para cultura. Dentro de uma perspectiva dialética, o trabalho transforma a natureza, altera as relações sociais, mas pode criar armadilhas que enfraquecem a solidariedade humana. A trajetória das relações sociais nunca garantiu harmonias perenes. A exploração se faz presente, com violência […]






Share Read the rest of this entry »

O espanto,a jaqueta, o avesso, Michael

As novidades são tantas que ficamos cansados. Não é toa que movimentos de nostalgia ganham força e os românticos sentem faltam dos amores sem limites dos tempos passados. O utilitarismo é enorme, termina retirando a surpresa de cena. Tudo é mercado, merece imagens e anúncios. Não pense que o descartável possui uma soberania inabalável. Os […]






Share Read the rest of this entry »

Desgovernos, rebeldias, consumos, aventuras

     Manjares de plástico, sonhos de plásticos. É de plástico o paraíso que a televisão promete a todos e a poucos dá. A seu serviço estamos. Nesta civilização onde as coisas importam cada vez mais e as pessoas cada vez menos, os fins foram  sequestrados pelos meios: as coisas te compram, o automóvel te […]






Share Read the rest of this entry »

Dramas, violências, rebeldias, descuidos

A densidade das relações humanas ganha corpo. As reviravoltas sociais são grandes. Elas acontecem no cotidiano, vão se construindo, quase silenciosamente. Há um despreparo geral para administrar certas situações. Todos são atingidos. A coletividade reclama das inércias dos governantes e os indivíduos, das gangorras emocionais. A Europa passa por uma crise econômica que atinge algumas países de […]






Share Read the rest of this entry »

A morte anuncia a violência do anônimo

  A vida tem muitas cartografias. Cada um sente que pode ir adiante, mas a certeza do caminho é instável. Nascemos com limites indiscutíveis. Somos seres do tempo, inventores de tantas coisas.Padecemos de desperdícios. Isso nos deixa confusos, pois carências tomam conta de milhões de pessoas e confortos sofisticados privilegiam uma minoria. Há fomes e […]






Share Read the rest of this entry »