Posts Tagged ‘Deus’

Macondo: Quem escreveu o amor no mundo?

Cem anos de solidão não distrai a existência do amor. Talvez , o torne mais repleto de fantasia. Gabriel García deve ter uma resposta. Macondo era o reino de todos os acasos, tinha uma magia assombrosa. Mesmo com os desfeitos, não havia como não  voar nos afetos. Os mistérios eram muitos, as guerras pareciam acasos. […]

Read the rest of this entry »

As ressacas da política: a conversa difícil

  Nada de novo no pedaço das tantas querelas políticas. Houve épocas de acirramentos e de debates não pacíficos. Gurras e perseguições. Hoje, as relações voltaram, porém, a esquentar. É complexo estabelecer uma conversa, quando se trata das medidas políticas. Há uma cegueira generalizada. As raivas e os argumentos pesados substituem a lucidez. Todos se […]

Read the rest of this entry »

O homem rebelde, o deus aflito

  Compreender a vida nos deixa atônitos. A imaginação flutua em busca de justificativas. Podemos mesmo entrar no reino das fantasias. Lembro-me do filme O labirinto do fauno, de Ofélia aflita tentando afirmar a magia e o invisível. Penso, logo existo, dizia Descartes. mas tudo é muito pouco para ser testemunha de que a vida […]

Read the rest of this entry »

O deus pecador

Encerre o tempo da mentira vadia e cínica. Destrave porta que se fechou para os amores e caminhe para a janela do quarto escuro. Não acredite que a vida se esgota, nem confie no visível da casa escura. Há sempre algo escondido, tropego, na mitologia que veste o nu do cotidiano. Os fantasmas andam sem […]

Read the rest of this entry »

A solidão de Gabriel: cem anos míticos

As portas estão abertas. São ruas estreitas com ruídos inusitados. Quem fala são os juízes. Acusam quase todos os políticos. A corrupção é desmedida. O medo é cínico e o final pode ser feliz. É um sinal de uma solidão estranha. Todos se parecem, guardam milhões, a sociedade se desgarra. Todos juntos no mesmo ato, […]

Read the rest of this entry »

Não se esconda na solidão da sua história

Quando tudo começou devia haver um azul forte no mundo e poucas cores. Deus era confuso esteticamente. A humanidade o fez aprender muita coisa. Seus diálogos com Picasso ajudaram a fundar uma pós-modernidade celeste e leituras de Auster penetraram na sua solidão eterna. Ficou desconfiado, temeu pelo juízo final. Suas criaturas o desafiavam. Não sabia […]

Read the rest of this entry »

O fogo da palavra

a palavra cerca a vida e o corpo nega que tudo tenha apenas um significado. poderia multiplicar as cores e os traços mas nada termina a vastidão da palavra. quem inventou o mundo sabe que a eternidade é uma abstração divina e a palavra seu encanto indefinido. o fogo do mundo se encerra no último […]

Read the rest of this entry »

Os azares da vida quebrada

Não conto os números que a anunciam a miséria, detesto estatísticas de economistas considerados profetas. Não consigo entender o encanto dos privilégios, nem acreditar que Deus é construtor de paraísos. Há espelhos sem imagens e quebrados com fúria, há sedes alimentadas com as águas do pântano. Os azares do mundo se envolvem com gravidades obscuras, […]

Read the rest of this entry »

Deus, Nietzsche e a magia

  Contam que existia um Deus mágico, solitário, que morava num deserto sem fronteira. Da areia vermelha criou o homem e da costela do homem, a mulher.Não lhes deu permissão para que levitassem. Criou também as leis, a culpa, o pecado e a simulação do perdão. Muitos séculos, depois, transformou tudo que havia no mundo […]

Read the rest of this entry »

Os valores de uma trilha sem rumo

Abro a janela, para animar e vejo o dia com um azul meio esquisito. Parece um desenho do que acontece por aí. Dizem que estamos numa época de grandes transformações de valores. Por isso que as drogas circulam com uma rapidez incrível Estamos perdidos, pois temos que inventar cartografias éticas. Complicado ou sofisticado? O que […]

Read the rest of this entry »