Posts Tagged ‘Dilma’

A procura da culpa, a tensão das palavras

As tensões políticas são reveladoras. Aparecem com fatos surpreendentes. Ficamos sem saber por onde caminha a sensatez. Não há negar que todos temos uma concepção de mundo. Alguns são ambíguos ao extremo, outros lutam pela transparência. Não vamos querer uma sociedade de iguais em todos os sentidos. Seria a negação da história. No entanto, forma-se […]

Read the rest of this entry »

Dilma Rousseff: popularidade e contrapontos

Dilma continua mantendo sua caminhada, sem muitas surpresas. Os profetas que anunciaram desmantelos profundos não acertaram nas adivinhações. Procuram justificativas para os enganos, mas esquecem que a política não possui linha reta. Não há nada de extraordinário no governo de Dilma. Muitas denúncias, ministros demitidos e o Congresso Nacional com seus gastos de sempre. No […]

Read the rest of this entry »

As trilhas de Dilma e as variações da política

Dilma mantém as expectativas. Suas investidas na chamada faxina geral deram certo. Sua popularidade não oscilou. Ganhou mais entusiasmos de alguns, mas perdeu pontos em outras regiões. No entanto, nada de assustador que quebrasse o ritmo. Consegue destilar bem as ambiguidades que as sombras do PT e de Lula colocam. A sociedade cansou das corrupções. Reforça as […]

Read the rest of this entry »

Os cenários da política:Dilma e Romário

Pensar a história como uma multiplicidade de cenários me atrai. Somos atores, nem sempre sabemos o texto que vamos interpretar. Há surpresas. Podem nos reservar um drama ou uma comédia, até uma sedutora aventura, com riscos e final feliz. Na sociedade atual, as imagens andam soltas, acompanham nossos caminhos ou nossas noitadas diante das TVs. […]

Read the rest of this entry »

Sherazade, Lula e as mil e uma noites

  Todos gostam de ouvir histórias. Quando elas estão revestidas de muitas fantasias trazem desenhos fortes para imaginação. Deixam alegrias. Movimentam a vida e nos desligam do lugar-comum. Sherazade tornou-se símbolo da contadora de história. Quem pode esquecer As Mil e Uma Noites? O livro está presente na formação de cada um, muitas vezes de maneira […]

Read the rest of this entry »

Os políticos inquietam-se, Dilma movimenta-se

As denúncias de corrupção trazem assanhamentos gerais. Suspeitas tumultuam a atmosfera do Congresso Nacional. Nem parece que a coletividade respira ares republicanos. É preciso verificar até onde  existe base material nas suposições. Não há desmantelos, apenas, no Brasil. A inocência não habita os negócios entranhados no mundo capitalista. Os  desacertos variam, mas contaminam as culturas e pressionam princípios […]

Read the rest of this entry »

A politica tem (des)continuidades e (des)confianças

A perplexidade faz parte da política. Ela apresenta-se em situações que apontam mudanças de comportamentos e quebra de pactos. Dilma assumiu o governo, com muita gente desconfiando que haveria uma continuidade indiscutível das ações do ex-presidente Lula. Ela não nega admiração pelos feitos anteriores, mas procura firmar sua autonomia. Esqueceram que cada um tem um […]

Read the rest of this entry »

A tristeza de Dilma, as verdades sombrias do mundo

Há notícias que tem destaque reduzido. Ocupam páginas de jornal esquecidas. Passam, sem causar alarde. Gosto de ir fundo e sou pescador dos detalhes. O mundo é vasto, é sempre bom lembrar. As controvérsias não param e as disputas tornam-se comuns e enfadonhas. A sociedade, porém, mantém seus vícios, renova o estoque de máscaras, aposta na […]

Read the rest of this entry »

A política dos naufrágios e dos vazios permanentes

Na política, esperar que a permanência garanta sossego é esquecer-se das  reviravoltas. O movimento  faz a política ser dinâmica e traiçoeira. A calmaria pode ter significados negativos, assegurar redefinições nas estratégias dominantes. Não vamos cair no elogio do vitalício, dos governos familiares, entrelaçados com um passado conservador. Há muitos exemplos históricos e, no Brasil, os parentescos influenciam […]

Read the rest of this entry »

Políticas e políticos, astúcias e individualismos

Kadafi não dispensa a violência, nem se comove tanto com os apelos internacionais. Muito tempo de poder o faz sentir um soberano inquestionável e especial. Nega-se ao diálogo, nunca sentiu o perfume da democracia. Quando se olha no espelho, nem nota que o tempo passou. A eternidade o seduz. Não meditou sobre a incompletude. Ele já recebeu […]

Read the rest of this entry »