Posts Tagged ‘dor’

O silêncio dos deuses, a apatia dos homens, a salvação ilusória

Quem assistiu ao último filme de Martin Scorsese sentiu que o silêncio pode frustrar e a verdade não é propriedade de uma única cultura. As colonizações foram e são cruéis. Em nome de Deus se procurou firmar crenças e se encontrar paraísos. A multiplicidade do sentimento culpa derruba sonhos. Ela acompanha a história mesmo que […]






Share Read the rest of this entry »

O Apartamento: as imagens da vida cotidiana

  As dores não passam como um cometa. Persistem. Há dúvidas que machucam e tradições que confundem. Nada de novo no planeta na sua marcha das competições e das vinganças. Um bom filme sintetiza anos de história e traz as sequências instáveis do cotidiano. Não desculpa tensões, mas move ideias e imaginações. A cultura é […]






Share Read the rest of this entry »

A esquina e a vida, os amores e os gritos

Encontrei a vida numa esquina abandonada. Lembrei-me da noite triste e de um pesadelo longo. Desenhei o tempo, senti lonjura, fechei os olhos ardentes. Vi que nunca sou o mesmo e o afeto me abraça quando tenho medo. Há amores desfeitos nos gritos históricos e ocupações tardias que anunciam espaços inesperados e redefinidos. O mundo […]






Share Read the rest of this entry »

O cinismo dói: a política e o delírio

As novidades estão nos espelhos da mídia. As redes se inquietam e os julgamentos explodem. Muito sentimento escondido por detrás de argumentos ditos racionais. Eduardo Cunha renunciou. Configurou uma peça teatral de lágrimas, onisciência, cinismo. Não sou psicanalista, mas penso que os políticos estão no limite da falta de vergonha e longe de qualquer princípio […]






Share Read the rest of this entry »

A solidão indefinida

  Não imagine que os sentimentos se esgotam nas distâncias mudas. Não há medidas exatas para quem perdeu as aventuras dos encontros. Cada instante foge dos calendários cotidianos, inventa suas fantasias. Há tempos múltiplos que escondem prazeres e melancolias, a vida não pode ser  apenas o universo dos desencantos vadios. Converse com sua solidão e […]






Share Read the rest of this entry »

Travessias desencontradas

   Concretize o sentimento num território que não tem fronteiras. Cada história vivida nem sempre possui a clareza, nem o encontro definido. A incerteza abraça o tempo com o voo do pássaro  perdido no azul. Contamos as palavras pequenas e esquecemos a imaginação das metáforas, nas narrativas que conciliam as memórias e desfazem o futuro. […]






Share Read the rest of this entry »

As travessias da dor desfiam sentimentos e futuros

Falar da dor é ocupar muitos lugares do cotidiano. Todos tem algo a contar. Há especialistas. Não precisa. A dor está inserida na incompletude da vida. Descontrola e surpreende. Mas não há como evitá-la. Basta uma visita rápida pela história e encontraremos travessias esquisitas e desencontros avassaladores. Portanto, não há sentido especular que épocas merecem […]






Share Read the rest of this entry »

A extensão da dor e dos segredos

não há silêncio que se eternize pela vida, o ruído o acompanha sem acanhamento. a dor não é uma invenção negativa. ela se estende em cada incompletude. os amores desfeitos, as mortes repentinas costuram os diálogos mais profundos, retomam os desenhos imprecisos dos pesadelos. há na vida a sombra constante do segredo o desejo de […]






Share Read the rest of this entry »

As máscaras da vida inteira

                                      Não jogue  as máscaras na gaveta mais antiga.                                     Engane-se com as verdades e desfaça seu carnaval.                                     A memória possui todos os esquecimentos e ousadias.                                     Deixe que o tempo silencie sua dor e seu lamento.                                     Existe um sorriso escondido no sonho recusado                                     E um amor futuro sentado no […]






Share Read the rest of this entry »

Andy Warhol: os pertencimentos efêmeros

                                                   Na trama da vida corre o acaso sempre indefinido.           No traço do caminho há imensos abismos e desvios sem fim.          Em cada instante soltam-se anúncios de cotidianos mal resolvidos.          Há um espetáculo que não sossega nos  gestos dos corpos inquietos.          A transparência  da dor foi negociada pela astúcia da […]






Share Read the rest of this entry »