Posts Tagged ‘dores’

FHC, Dória e Huck : o novo é o descartável?




Estamos sem saber como cantam os pássaros. As paisagens parecem cinzentas e a praça desabitada. Muito movimento nas ruas em busca de mercadorias. Ninguém se toca, mas não deixa de lado o celular. As famílias formam instituições diferentes. Programa-se uma criação de cães minados; Filhos podem trazer complexidades. As palavras voam, batem em panelas, adormecem […]




Share Read the rest of this entry »

O mundo e o infinito




Se em cada madrugada temo o amanhecer, desfaço o sonho e mergulhos nas ingratidões da vida. Conto histórias porque existe a profecia ou me engano com o malabarismo do tempo. Cada calendário da vida programa os desacertos e as datas desconhecidas do juízo final. Não se acanhe com as dúvidas, nem se confunda com os […]




Share Read the rest of this entry »

Tempos da vida




Cada sopro da vida é um sinal de uma animação inesperada, o sentido está solto recebendo os desfazeres do caos. Os destinos dos deuses inventam eternidades sem narrativas, e o espanto agonia a possibilidade de se  aproximar dos labirintos. Não há história que despreze as memórias, nem tempo que consagre sossegos. Somos argilas, aprisionadas em […]




Share Read the rest of this entry »

As dores andarilhas do mundo




  Os rituais religiosos continuam marcando os calendários.Mas há uma mistura que confunde. Não são,apenas, orações e conversas com os pecados. A sociedade capitalista possui suas ordens e suas celebrações. O perdão está articulado com o consumo. Os símbolos ganham projeções profanas. Há a ressurreição, mas os presentes são disputados nas liquidações provocadas pela crises […]




Share Read the rest of this entry »

Violência, Boston, desconfianças, incertezas




Não pense que os sustos têm seus dias contados. Há sempre atos que incomodam e fazem  atiçar a superação das desconfianças. O que aconteceu em Boston nos deixa intimidados e tontos. Não significa previsões pessimistas para o resto da história. Não tenho fogo para ser adivinho. No entanto, as violências se sucedem de formas diversificadas. […]




Share Read the rest of this entry »

O amor flutua ou se desfaz como uma ruína?




Na sociedade das trocas intensas, das celebrações datadas, o amor pede e perde fôlego. O romantismo não consegue atrair tanto. Não morreu. Mobiliza sentimentos, entra nos corações, faz seus estragos. O mundo muda não só nas gestões econômicas. É que elas geram um noticiário objetivo, cheio de análises complexas que nem sempre dão certo. As especulações  […]




Share Read the rest of this entry »

O mundo dos exílios profundos e das dores sem fim




A vida corre rápida. O deslocamento acompanha os movimentos de forma brusca. Não há muito tempo para medir escolhas. É preciso sobreviver. O encanto do mercado continua com suas ilusões internacionais. Não há como esquecer as imagens que inventam paraísos e representam fugas dos infortúnios. Portanto, as imigrações não cessam. Ninguém quer se sentir excluído. Há […]




Share Read the rest of this entry »

Homens e deuses, fé e conflito, dor e alegria




Os deslocamentos do tempo trazem lembranças. O sagrado e o profano estão presentes, na história, desde os mais remotas eras. Suas simbolizações podem ser profundas. Tocam, mesmo naqueles que se envolvem com o mais radical materialismo. Na arte, o espaço da complexidade humana ganha extensão. Não dá para controlá-lo. As surpresas acontecem e balançam trapézios, […]




Share Read the rest of this entry »

As difíceis dores e aventuras do cotidiano global




Ninguém gostaria de eliminar  todas as conquistas culturais acumuladas. Muitos anos de reflexão e pesquisa mostram a vontade de superar dificuldades. Não dá, contudo, para consagrar apatias e achar que tudo caminha com otimismo. A inquietude tem fortes entrelaçamentos com o fazer cultural. Há épocas de buscas intensas, de renovações constantes e outras, de frustrações desanimadoras. O […]




Share Read the rest of this entry »

Freud explica ou não explica a complexidade da vida?




Freud explica. Uma afirmativa que ganhou o mundo. Nas mais triviais conversas, quando algo fica obscuro, alguém diz: Freud explica. Cai-se na ironia ou tudo se enrola ? É interessante, como um pensador de tanto fôlego e denúncias, firmou sua popularidade. Muitos nem se ligam no que estão especulando. Talvez, um brincadeira ou uma tentativa de […]




Share Read the rest of this entry »