Posts Tagged ‘escrita’

Galeano: a memória companheira da história

Os livros de Galeano são provocantes. Sua escrita é bela e poética. Desmente aquela rigidez dos que dormem nos documentos oficiais e exaltam o fato positivista. Conta histórias com simplicidade, sem esquecer o compromisso coletivo.No seu coração , bate o ritmo da rebeldia contra as desigualdades. Galeano nos mostra os avessos e os contrapontos. Quem […]

Read the rest of this entry »

Solte-se da vida e do tempo, sem largar a ficção

A história que passa não está apagada. Quem vive o presente deve saber como complementar os tempos. Não se ligue só na mudança,  nem tampouco veja a mesmice em cada espelho. Nunca gostei de dizer que o que sei é que nada sei. É imenso o mundo. Alguma coisa me toca, não vivo flutuando sem […]

Read the rest of this entry »

Condenações cotidianas

Os lugares não se mudam, as permanências mostram espelhos do passado, armados e tensos. Por onde anda o mundo com a presença sem fim das tragédias, com a desconfiança solta? As novidades mostram que as fragmentações não se afugentam e a a vida corre sem saber o sentido da origem, convivendo com o que parecia […]

Read the rest of this entry »

O Facebook e a escrita: conversas com o mundo

Escrever é uma forma de se inserir nas andanças da sociedade. Não é ato que demonstre a soberania da solidão. Escrevemos porque estamos no mundo, cheio de dúvidas, sem saber por onde anda as verdades, onde se perderam as referências éticas. Todos usam linguagens, cada dia mais múltiplas. Não dá para compreendê-las na sua totalidade. […]

Read the rest of this entry »

As curtições e os sentimentos desfiados

  Os registros dos desenganos possuem amplo espaço na sociedade contemporânea. Mas sempre fica a pergunta: explorações, desconfortos, invejas não ameaçam a continuidade da história? Quem observa a conversas dos tempos não deveria duvidar que há travessias diversas e as ambiguidades lidam com rebeldias que prometem ânimo. Há quem curta, quem se divirta e procure […]

Read the rest of this entry »

A imaginação no silêncio da escrita

quem inventa as palavras não dispensa o silêncio. a vida sobra quando as sombras desfazem as luzes. no desenho de cada palavra há destinos que se firmam nas linhas da mão. não dissimule o encanto nem esconda a história, cada um conta sobre o que não morreu na incerteza do ontem. nas escritas do mundo […]

Read the rest of this entry »

Os ritmos incertos, as histórias sem fim

           O fluir do tempo rabisca sentimentos e traz o mapa de uma história sem nome.             Nada confirma a existência de fronteiras rígidas e inabaláveis ou            o perfume de uma eternidade fugida do paraíso, sem ruídos.             Cada ritmo é um acorde de instabilidade e desmantelo.             As hesitações silenciam ousadias e espertezas. […]

Read the rest of this entry »

Ruínas, escritas, passagens, memória

Escrevo na pele para esconder o perfume. O corpo finge abandonar as formas em busca da imagem do depois, sossegado. O silêncio é traço de sentimento anônimo, as mãos, síntese do mapa da vida fragmentada. Dos buracos encontrados nas calçadas, guardo as medidas estreitas da cidade. Ela não adormece do cansaço do dia e vigia […]

Read the rest of this entry »

As dissonâncias, as histórias e os historiadores

Nunca deixei de observar a relação da escrita com o ritmo da música. Elas entrelaçam-se. Não sei se é uma paixão que move o escondido inconsciente, mas a sigo, sem vacilação. O compromisso com a palavra não é, apenas, de testemunhar a construção de verdades. Há a dimensão das formas, as viagens estéticas, as surpresas […]

Read the rest of this entry »

As escritas e as palavras no meio da vida veloz

As frentes de luta são muitas. Não deixarão de existir. Por isso, a multiplicidade de armas é um fato. Cada campo de luta exige suas estratégias. Há as dimensões intrigantes de conflitos permanentes. Armas pesadas, fluxos de interesses tensos, genocídios preparados com requintes anunciadores de negociações impossíveis e rivalidades consistentes. Os lugares dos perdões mudam e, às […]

Read the rest of this entry »