Posts Tagged ‘exílio’

Quem não ver o exílio e a ditadura de cada dia?

A modernidade trouxe referências do passado, mas prometia mudar. Queria revoluções, mas aconteceram genocídios. A violência tomou outra forma. A política não conseguiu navegar no mar da liberdade. Os tempos produziam  máquinas, ciências, urbanizações. O grito do progresso parecia apagar os sinais de desigualdades. A modernidade não cumpriu seu projeto. Acenou com democracias e nem […]

Read the rest of this entry »

O peso do dia

O peso do dia não revela sua medida, o tempo esconde segredos e sentimentos. Não há como desfazer as diferenças que se fixam, nem afirmar o sentido que está atrás do espelho. Os deuses se acomodam em paraísos privados, estimulam a culpa e o perdão, estão perdidos. A vida passa desenhando distâncias cínicas, o corpo […]

Read the rest of this entry »

Os tempos insanos

O instante vadio toma conta das sínteses mais radicais, parece um tempo absoluto e construtor de paraísos. Os calendários adormecem quando escondem rebeldias e fixam desejos de apresentar limites desfigurados. Somos estranhos nos exílios das horas de amargura, multiplicamos palavras para simular agonias finais. Nem sabemos que a morte é a distância e a vida […]

Read the rest of this entry »

Tatuagens e sentimentos( P/ Reginaldo)

         As marcas das lembranças ficam nas memórias como tatuagens indefinidas.            Como fazer a leitura de um mundo que já se foi ?            Ficam desenhados os sonhos resistentes e travessos, num exílio sem fim.            Cada tempo inventa sua gramática sem se desfazer do  estranho perfume do absoluto.            A construção é sempre […]

Read the rest of this entry »

Paul Klee: o afeto roubado e o exílio

                                                                           QUEM ME VIU NUMA CRUZ,                                           DEU-ME UMA ESPADA DE MADEIRA                                           E  UMA ARMADURA DE CRISTAL.    COM A MADEIRA FIZ UM BARCO SEM VELA     E NO CRISTAL DESENHEI UM ROSTO INESQUECÍVEL.                      ERA O EXÍLIO, E  EU NÃO SABIA ONDE NASCER OU MORRER.                            NO TERRITÓRIO DOS QUE NÃO TÊM […]

Read the rest of this entry »

O mundo dos exílios profundos e das dores sem fim

A vida corre rápida. O deslocamento acompanha os movimentos de forma brusca. Não há muito tempo para medir escolhas. É preciso sobreviver. O encanto do mercado continua com suas ilusões internacionais. Não há como esquecer as imagens que inventam paraísos e representam fugas dos infortúnios. Portanto, as imigrações não cessam. Ninguém quer se sentir excluído. Há […]

Read the rest of this entry »