Posts Tagged ‘exploração’

Quem tem medo da narrativa do capitalismo?




  Não há mistério. O território do capitalismo está aberto para exploração contínua. Não é novidade. As desigualdades existem de forma brutal e a miséria mora em muitos lugares. Não é acontecimento recente, mas as sofisticações acompanham a história. Cada época inventa suas medidas. Pensar o capitalismo sem corrupção é uma ingenuidade. Onde há hierarquias […]




Share Read the rest of this entry »

Quem se lembra dos refugiados?




  Fico olhando a sociedade e não me esqueço que o mundo gira. Não basta cuidar das nossas artimanhas e falar mal dos políticos. Há acontecimentos e relações profundamente globalizadas. Contágios desagradáveis de sofrimentos e perdas de rumo perturbam. Cunha é uma figura estranha, as delações levantam desacertos, a dubiedade invade os espaços sagrados. Isso […]




Share Read the rest of this entry »

Os desgovernos na berlinda: Sarney e o reino sem fim(?)




Foi um alarde geral. A violência nas prisões do Maranhão colocou, em evidência, a dominação da família Sarney. As denúncias são muitas e antigas. Não há novidades. Elas se agravam, pois a grana destinada para os serviços públicos não é aproveitada. Parece uma brincadeira ou uma indiferença que choca qualquer república. A questão não se […]




Share Read the rest of this entry »

Os negócios políticos e as incertezas éticas




Quem não gosta de política fica desligado das intrigas que tumultuam a República. Mas as tensões existem e os cinismos não cessam. Qual é mesmo o compromisso dos partidos e sua organização ética para levantar a democracia? Não tenho respostas. Vejo um pragmatismo crescente que acompanha os balanços da economia. Quem são os aliados do […]




Share Read the rest of this entry »

O mundo vasto: pessoas, objetos, sonhos




A cultura é produto de muitas rebeldias, mas também de aceitações e de conformismos. É difícil observar  seus vastos territórios. O humano é múltiplo. Há uma insistência em consagrar essa afirmação que confirma as diferenças e os choques. Na multiplicidade também há pontos de semelhança. A cultura não existiria com conflitos persistentes. O entendimento é […]




Share Read the rest of this entry »

Os insistentes vestígios colonizadores




Os estudos futuristas anunciam mudanças na ordem internacional, o famoso rodízio histórico que alimenta as aventuras capitalistas. O Brasil, a Rússia, a Índia, a China despontam como potências. Não haverá transformações radicais. Continuam a exploração e a desigualdade. Como pensar uma sociedade voltada para o lucro sem desequilíbrios e privilégios? A Inglaterra já reinou durante séculos. […]




Share Read the rest of this entry »

A história confusa dos projetos coletivos




               A sociedade não vive sem projetos. Difícil afirmar seus prazos de duração ou avaliar o êxito de seus objetivos. Com o crescimento da industrialização e das cidades, a complexidade do coletivo tornou-se mais profunda. Há uma heterogeneidade cultural marcante, embora se ressalte, também, a grande massificação, manipulada pelos meios de comunicação. Não precisa ir […]




Share Read the rest of this entry »

As condições de trabalho, o emprego, a exploração




O Brasil passa por mudanças expressivas. Muito se tem falado da economia. Diante de tantos descontroles internacionais, há euforias soltas na imprensa e declarações entusiasmadas de governos. Não vamos nunca querer o pior. Celebrar os feitos traz ânimo. No entanto, não custa observar outras coisas, não deixar que certas desigualdades permaneçam e olhar com firmeza os […]




Share Read the rest of this entry »

A sociedade não esquece a exploração do trabalho




Nos seus Manuscritos Econômicos e Filosóficos, Marx escreve sobre o trabalho e sua importância para cultura. Dentro de uma perspectiva dialética, o trabalho transforma a natureza, altera as relações sociais, mas pode criar armadilhas que enfraquecem a solidariedade humana. A trajetória das relações sociais nunca garantiu harmonias perenes. A exploração se faz presente, com violência […]




Share Read the rest of this entry »

As máquinas invertem poderes e sentimentos




O texto é uma confissão. Por mais que esconda sentimentos, ele termina firmando resgistros íntimos. Cabe ao leitor usar da intuição. As ficções pertencem a todos. Cada coisa, que carrego, possui singularidades e entrelaçamentos. O texto escorrega, faz suas curvas, flui na rapidez da digitação. Não se engane com a preciosidade das máquinas. Na pressa, […]




Share Read the rest of this entry »