Posts Tagged ‘fantasia’

O ensino das histórias: finitudes e mesmices

    Não sei ensinar história sem pensar nas várias tramas didáticas que se divulgam. Há quem aposte numa cronologia do espetáculo. Escolhem guerras, elegem mitos, gostam da vaidades. Falta um debate ou uma reflexão sobre o significado do ser humano. O que queremos? Quais os nossos limites? Somos criadores ou criaturas? Perdidos, entre datas […]

Read the rest of this entry »

A dança das opiniões: desconfortos

      A sociedade organiza julgamentos. Existem juízes, mas ele se cuida. Possui suas opiniões, não deixa de assimilar certas mudanças. Nessas fases de instabilidade, aparecem as memórias escondidas ou gente que já foi comunista, cristão, liberal e vai seguindo uma dança esquisita. Santifica-se. O oportunismo é algo presente no jogo dos interesses. Aplaudem […]

Read the rest of this entry »

Italo Calvino: um dia de convivências e reflexões

Escrever sobre as experiências vividas traz um toque singular. Não deixa de haver fantasia e interpretações. Tudo passa por filtros e enganos. Não somos amigos da exatidão e a subjetividade possui suas invenções. Calvino tem uma escrita ímpar e uma vasta obra. Lamento que não seja lido como merece. Ele é um dos meus arcanjos. […]

Read the rest of this entry »

A escassez do sentimento

Imagine um mundo sem deuses, anjos, demônios, mitos e sinta a morte da fantasia, o flutuar da objetividade vazia. As mentiras e as verdades se confundem nas fronteiras frágeis do azul. Conte os desperdícios da razão e despreze o fogo  assassino das armas, e caminhe na estrada que fugiu do sangue inútil da conversa sem […]

Read the rest of this entry »

A cidade e a poesia( A febre do rato)

O mergulho na água é o encontro da poesia, a desnudez das incertezas. As imagens contam do tempo e não testemunham a exatidão dos conservadores. O poeta canta a vida como seu coração manda, não sem dor, nem ilusão. A utopia mora na cidade, no desgoverno do sonho, na transcendência coletiva. Cada gesto tem muitas […]

Read the rest of this entry »

Os rituais de cada dia e as celebrações solidárias

As sociedades inventam calendários para organizar o tempo. Cada uma usa símbolos diferentes, recorre à memória de tradições, registra nascimentos de heróis ou define o passar de guerras gloriosas. Não há como se livrar das andanças do tempo. Ele se entrelaça com a morte e com a vida, ditando os ritmos da cultura. Pode morar […]

Read the rest of this entry »

O ziguezaguear nas poeiras da vida e do tempo

Ziguezaguear. Um verbo pouco usual, quase desconhecido, raro nas conversas, presente em alguns discursos literários, mas expressivo para decifrar os tempos da vida. Ele traz um significado soberano, definitivo para acender as tantas multiplicidades que nos acompanham. O que fica é a ideia  de sinuosidades constantes. Desmonta aquele desenho linear que alguns gostam de atribuir […]

Read the rest of this entry »

As peregrinações do nomadismo flutuante

Sou nômade. Moro no aeroporto. É lá que me torno um pouco sedentário. Leio no avião e cochilo nas poltronas vazias, nem percebo que o tempo passa. Não uso relógio e estou trancado em algum lugar do qual percebo, apenas, fragmentos. Não me ligo às notícias de tempestades. Gosto de voos sossegados. Tanto faz chegar ou […]

Read the rest of this entry »

Fellini, a sensibilidade, a lógica, o improviso

  Federico Fellini já se foi. Deve estar morando em algum paraíso flutuante. Gosto de acreditar em tudo o que estimula a fantasia e me apresenta uma visão mais fascinante da vida e do mundo, ou mais próxima do meu modo de ver, disse cineasta. Tenho profunda admiração pelos seus filmes. Meu coração sente-se contemplado pelas […]

Read the rest of this entry »

Um sofista na sua casa, não se apavore

Imagine um leve toque na porta. Pare. Escute outra vez. Ele se repete. Abra. Acabou de assumir o comando de uma longa viagem. Lembre-se de sua última certeza. Esqueça o que sabe sobre Kant ou qualquer outro discurso filosófico. Mentira e verdade são espelhos. Queira conversa, fôlego solto, desconfiança zero. Não sirva, porém, Coca-cola. Quem lhe […]

Read the rest of this entry »