Posts Tagged ‘história’

As informações moram nas ordens dos poderes

  Não é possível derrubar todos os diálogos. É importante decifrar mensagens e agitar a reflexão. Somos animais sociais, apesar das divergências e dos conflitos violentos. O jogo da vida exige controle, porém não faltam excessos. A história é o inesperado que acorda sossegos e promete sacudir memórias. As redes de comunicação existem e são […]

Read the rest of this entry »

O peso das utopias revolucionárias

  As frustrações políticas trazem tensões. Busca-se inventar um messias ou se cai em populismos infantilizados.A sociedade vive momento de desequilíbrios dantescos. Não se estimula o diálogo, mas a intriga e a festa irresponsável nas redes sociais. Há perplexidades, pois não se discute o tamanho das mentiras. As palavras pesadas são utilizadas por governistas com […]

Read the rest of this entry »

Poema da luta e das noites de Scherezade

      Não  há uma ternura  que corteje a violência sem vacilar, ela vive acidentes, perde-se no meio  de acasos, desconsola-se. Quem conta a história não navega num único oceano, mas não apaga  a tempestade, nem se espreguiça na calmaria. O ruído da solidariedade está desenhado em todas as paredes inquietas, não é som, […]

Read the rest of this entry »

A culpa inquieta e pune: descontroles

    O sociedade sobrevive, mas continua espalhando ressentimentos. Sempre a busca do culpado, a tradição de punir e olhar o outro com desconfiança. Não há medida para observar as construções históricas. Soltam-se descontroles e ansiedades para se ficar no poder dando ordens e oprimindo. Portanto, o desequilíbrio se agiganta.Elege-se um atordoado pecado capital. Antes […]

Read the rest of this entry »

O inferno são os outros?

  A convivência é fundamental. Alimenta a  história, traz aprendizagens.Seria impossível haver uma solidão inatacável. A inquietude nos torna seres humanos envolvidos  por aventuras. Ficar escondido mostra que a covardia impede a invenção e o ânimo de criar as sociabilidades. Não dá para apagar os espelhos. Como deixar de olhar para os olhos dos outros? […]

Read the rest of this entry »

As memórias assanham dores ou escondem trapaças?

  As interpretações históricas atiçam reflexões. Não são uniformes.  Multiplicam as fantasias ou requerem cuidados com a objetividade. Um debate complexo que nos remete a muitas armadilhas. Quem consegue abraçar os sentimentos que andam pelos nossos corações? Quem critica as ações totalitárias? Quem celebra as rebeldias como encantamentos superiores? Não há como definir as certezas […]

Read the rest of this entry »

As escritas das histórias, os ritmos do impossível

    A escrita tem um ritmo. Não pense que a palavra não dança. Imagine. Ela está sempre viva, depende  dos diálogos de quem a lê. É preciso  não celebrar apatias quando as histórias estão sendo contadas. Quem se esconde, apaga o fogo da palavra. Portanto, é um erro desprezar seu movimento coletivo. Visitar Calvino, […]

Read the rest of this entry »

História:A narrativa escorregadia do afeto

  A historia  possui suas tradições seculares. Ela é contada seguindo certas regras que satisfazem os vencedores e distraem. Destacam-se as grande figuras, cheias de pompas e despreza o cotidiano. Assim se vestem os chamados livros didáticos. É claro que há exceções, porém os privilegiados são contemplados com elogios. Perdem-se momentos de rebeldia e se […]

Read the rest of this entry »

A fragmentação sedimenta ruínas

Quando todas as instituições gritam e noticiam desesperos; é a preparação para o vulcão explodir. Busca-se uma razão soberana que  massacre  qualquer diálogo. Morrem as possibilidade de pensar a cultura como conversas, reflexões, apostar nos sonhos, no convívio afetivo. Ouve-se o deboche. Há  uma sucessão de ruídos assustadores.As palavras se chocam porque mergulham no vazio. […]

Read the rest of this entry »

Ler a notícia, desmontar a máscara

  Não estranhe  sua perplexidade. O tempo veloz ensina pouco, cria dubiedades. As pessoas mudam, a política se estraga, a ingenuidade se fragiliza. É incomum um cotidiano sossegado. As tempestades se anunciam e as manhãs já se tornam nubladas. Muitas prisões, ataques ferozes, discursos vazios. Ficamos flutuando  em expectativas medonhas e preventivas. Quem são os […]

Read the rest of this entry »