Posts Tagged ‘história’

Quem funda o mundo e a poesia?




Octavio Paz escreve com um fôlego admirável. É o tempo que ele tece ou ele é tecido pelo tempo? Fico deslumbrado. As palavras voam, adormecem, encantam. De onde elas surgem? Estão guardadas no coração do poeta? Sempre desconfiei que o mundo nunca será decifrado. Observo que os mistérios se confundem com as magias. O que […]




Share Read the rest of this entry »

Descole-se: os anjos usam motos velozes




Confiar nas utopias se tornou uma crença, pois os lutadores estão caindo na lona. Proclamaram-se revoluções, refizeram-se liberdades, esconderam-se violências. A chave da porta principal está perdida. A sociedade aumenta sua população sem encontrar regências harmoniosas para sua administração. Sacudiram os sentimentos no ar, em nome de razões ditas esclarecedoras. Os sistemas se implantaram buscando […]




Share Read the rest of this entry »

Freud: memórias,lembranças,esquecimentos




Lembro-me de tanta coisa que seria impossível nomeá-las. Tenho recordações preciosas que alimentam minha vontade de viver. Há época em que o riso é solto, tudo corre para o mar, sem constrangimentos. Mas não esqueçamos dos infortúnios. Nos momentos mais eufóricos aparecem, às vezes, descontroles. Não dá construir a vida sem contradições. O erro não […]




Share Read the rest of this entry »

A política: lugar de desgoverno sem fim?




A confusão se amplia. Muito choro, muitas velas. Não há como ser ausente às tantas idas e vindas da história. Existe quem exija objetividade e segue mandamentos cartesianos. A justiça se torna a letra exata, ditada pelas inteligências supremas. Desconfio. O que menos sobrevive é a certeza. A sociedade está dividida e repleta de análises […]




Share Read the rest of this entry »

As aventuras e os amores




Desenhe os caminhos escondidos da vida, não trema, nem vacile, medite com ânimo. Siga o caminho com mais curvas, evite a reta, o sentimento despojado. Ande sem temer o fantasma do eterno, deixe os anjos levitarem anônimos. O amor não se encontra na esquina, nem se faz na solidão do banco da praça. O amor […]




Share Read the rest of this entry »

Quem tem medo da narrativa do capitalismo?




  Não há mistério. O território do capitalismo está aberto para exploração contínua. Não é novidade. As desigualdades existem de forma brutal e a miséria mora em muitos lugares. Não é acontecimento recente, mas as sofisticações acompanham a história. Cada época inventa suas medidas. Pensar o capitalismo sem corrupção é uma ingenuidade. Onde há hierarquias […]




Share Read the rest of this entry »

Os disfarces do tempo




Os calendários anunciam tempos vacilantes, assaltos de mascarados exilados da história. Há medos que não silenciam e gritos tenebrosos. nada apaga o vazio de um futuro sem profecias. Cada aventura disfarçada esconde o cinismo dos abutres, vende-se a notícia com uma crueldade cotidiana. Pense numa história que não abandona a nostalgia e entrelaça a diversidades […]




Share Read the rest of this entry »

Espiar a história, sentir o mundo, escutar o tempo




  Os ruídos são muitos. Não há silêncio, só vozes ou buzinas de carros. A televisão ajuda na diversão ou na apatia. Parece que as saídas foram bloqueadas e as armadilhas enchem cada rua. Não sei se vale questionar tudo, cruzar feitiços e acreditar em evangélicos com verdades milionárias e honestidades mascaradas? Eles povoam as […]




Share Read the rest of this entry »

Não se esconda na solidão da sua história




Quando tudo começou devia haver um azul forte no mundo e poucas cores. Deus era confuso esteticamente. A humanidade o fez aprender muita coisa. Seus diálogos com Picasso ajudaram a fundar uma pós-modernidade celeste e leituras de Auster penetraram na sua solidão eterna. Ficou desconfiado, temeu pelo juízo final. Suas criaturas o desafiavam. Não sabia […]




Share Read the rest of this entry »

O mito de Ulisses: a vida não se completa




As agitações contemporâneas nos tiram sossego. É difícil cair na reflexão, dialogar com os deuses, sair de uma solidão que enclausura. Há multidões, espetáculos, vitrines. No entanto, a tecnologia e o consumismo restringem os desafios. Ficamos medrosos. Tudo parece reservar perigos. O mundo vive epidemias de desconfianças. As explorações não se foram e a sabedoria […]




Share Read the rest of this entry »