Posts Tagged ‘incompletude’

As culturas, os pertencimentos, as modas, os vazios




A incompletude não é uma invenção vadia. Estamos longe da onipotência e os deuses descansam dos pecados que também cometeram. A sociedade roda. Os conflitos aparecem com frequência. Nunca se consagraram tantos medos e tantas inseguranças. Cada aventura significa uma ameaça sem definição. As polêmicas renascem, a memória se aquece, os preconceitos se agitam. Será […]




Share Read the rest of this entry »

O inesperado e o trágico flutuam na história




As discussões são intermináveis. Muitos querem dar um sentido para a história, colocá-la no meio de regras, fazendo relações entre causas e consequências. Há quem faça profecias, abrace-se com superstições e apele para divindades supremas. Considero que a história  é  a construção das possibilidades. Observo que o inesperado e o acaso nos deixam perplexos. Mas […]




Share Read the rest of this entry »

O fluir das dúvidas




Na inquietude inesquecível da dúvida, o mundo configura suas rebeldias. As ordens nunca se eternizam, mas provocam incômodos e  violências. Não  se conta a história com um único fôlego, sem o fogo da dissonância, a vida corre no desfazer das lembranças, nas saudades desmontadas e ardentes. Cada tempo busca sua cor, ativa seu inconformismo, socializa […]




Share Read the rest of this entry »

Freud, traduções do mundo, leituras inacabadas




Quem não narra sua história está escondido do mundo. Talvez, tenha medo de revelações e fuja de encontros. Cada um se projeta no meio das dúvidas, mas a conversa é fundamental para compreender os desacertos e formular outras rotas. As ambições circulam, a sociedade corre atrás das novidades, há buscas que são permanentes. Narrando as […]




Share Read the rest of this entry »

Prometeu: não há descansos para os tempos das histórias




A tragédia de Prometeu não está ultrapassada. Ela tem muitos significado. Com não conseguimos definir nossas origens, as perplexidades não deixam de nos fazer companhia. Os mitos são fundamentais para esclarecer as vacilações dos ânimos. A história é uma grande ciranda. Nossa teimosia é querê-la com uma narrativa singular e única. Não é possível. Faz […]




Share Read the rest of this entry »

As tragédias:permanências, perdões, disfarces




A história não é nada uniforme. Surpreende. Não há como exercer controle absoluto sobre os fatos. Com toda tecnologia sofisticado cercando nossas vidas, as incompletudes continuam e os desejos atiçam movimentos. Há semelhanças de comportamentos apesar de distâncias temporais seculares. Quem não sabe das festas colossais de Roma, do uso de drogas por várias culturas, […]




Share Read the rest of this entry »

Nas trilhas e curvas dos labirintos




Nas buscas da vida a geometria surpreendente dos labirintos não descansa a imaginação que flutua configurando sentidos. Os sentimentos não dizem da escassez da incompletude, silenciam atônitos. Há sempre sonhos que desafiam a apatia e reafirmam o desejo. Não se fixam transcendências nos instantes da melancolia, cada curva do labirinto rascunha segredos de escritas estranhas. […]




Share Read the rest of this entry »

O cinema: o herói, as incompletudes, as fantasias




Não se fixar na cultura atual ajuda a compreender as idas e vindas da história. Ficar preso no presente é uma cegueira que nada aprofunda. Perdemos de vista até mesmo as luzes interiores. O brilho ofusca a reflexão. Por isso, as navegações devem conviver com calmarias e turbulências. Assim, é na vida individual, como também […]




Share Read the rest of this entry »

Agnès:as narrativas, as imagens, os fragmentos




Narrar a vida é como compor um filme, uma música, um poema. Tudo se entrelaça, embora existam as distinções. Fragmentos que se aproximam em busca de sentido. É difícil fixá-lo, mas o perseguimos. Criticamos os mitos de origem, desconfiamos dos paraísos, desmontamos utopias. A imaginação não deixa de nos tentar. A objetividade favorece ao consenso. […]




Share Read the rest of this entry »

Não pense, apenas, no sonho do paraíso(II)




A perigosa e famosa ideologia do progresso nos acenou com a ideia de um tempo que avança e pode trazer vantagens sociais profundas. Teve repercussões imensas. Mascarou muitos desmandos. Vestiu-se com as roupas da tecnologia para vender benefícios. Esqueceu as ambiguidades que compõem a sociabilidade. Criar um mundo de harmonias configuradas, radicalmente, é uma ilusão. […]




Share Read the rest of this entry »