Posts Tagged ‘inesperado’

Quem dialoga com a morte?

    A morte de Bibi deixou uma saudade imensa. Traz aquelas perguntas que abalam o coração, Bibi era uma figura indefinível, bela e sedutora Entrou na história com uma dignidade suprema. Soube ser sonho e arcanjo. Mas a morte nos deixa sempre inquietos.Toca lá dentro, transforma expectativas, nos enche de dúvidas. Ela acompanha a […]

Read the rest of this entry »

Ocupar as travessias

A vida repartida solta-se como um pássaro livre, inventa, levita, testemunha a abertura do sonho. Não fique na acumulação, nas restrições da quantidade, nem negue que há possibilidades para fugir da monotonia. Cada travessia possui um ritmo, um ruído, às vezes, estranho, mas despedaça o arcaico e assombra as violências. Há em cada aventura algo […]

Read the rest of this entry »

O fascínio do inesperado

Quem inventou a vida permanece invisível. Não faltam perguntas. Será que há uma eternidade escondida ou a morte está escrita no diário da cada vida? O mundo se modifica, ninguém duvida. No entanto, há sentimentos que retornam, há formas que se repetem, há desejos que navegam em nostalgias perenes. Sempre digo que escrever é uma […]

Read the rest of this entry »

O inesperado e os passeios da história

Ficar na compreensão da história limitado ao jogo das causas e consequências é promover a preguiça. Não há uma lógica determinada, um futuro traçado, mas surpresas que aliviam ou provocam agitações. A eleição, na Grécia, trouxe novidades, animou quem já decretava o fim de qualquer contraponto.No entanto, nem tudo significa mudanças. As negociações são, muitas […]

Read the rest of this entry »

Cuba e Estados Unidos: os ritmos da política

  Era muito menino quando aconteceu a Revolução Cubana. O mundo era outro e os conflitos passavam por leituras de utopias que sacudiam corações. Hoje, o capitalismo ganhou o mundo de forma avassaladora. Há crises, mas fazem parte da história. A quantidade de mercadoria toma conta de comemorações que desfazem o que antes se chamava […]

Read the rest of this entry »

Leituras de Kafka e de Kundera: encontros

Li livros de Kafka quando ainda estava perto dos meus 20 anos. Foi uma época de grande movimentação e inquietudes. Sempre gostei de literatura e não abandonei meus espaços prediletos de imaginação. O mundo se apresenta de muitas maneiras de acordo como os olhares de cada um. Não negamos as multiplicidades e nem as incertezas. […]

Read the rest of this entry »

A história é o lugar do inesperado e das lutas

No século passado, as duas guerras mundiais foram abalos que ficaram na memória de forma insistente. A violência assustou a quem confiava no progresso e nas conquistas da ciência. Muitos esqueceram que o capitalismo continuava marcando pontos, apesar de suas instabilidades. As guerras conviveram com totalitarismos. As frustrações se reforçaram. A prática do genocídio estendeu […]

Read the rest of this entry »

Entradas e saídas, portas e voos (para Braz Marinho)

A porta de entrada é estreita do tamanho das asas de um beija-flor, não se entra com certezas, nem desenhando geometrias planas. A porta de saída é larga, dialoga com o inesperado e o exílio. Pois é, camarada, a vida tem  medidas indefinidas e desabençoadas, mas possui manto de cores infinitas e supreendentes. A saudade […]

Read the rest of this entry »

Quem define as interpretações dos sentimentos?

Há dificuldades que não impedem que as histórias circulem. As pessoas vivem obstáculos, nem conseguem superá-los, mas a vida continua. Não é  à toa que se repete que a história convive com o inesperado. Quando se rompeu com o nó das profecias, as dúvidas se multiplicaram e as sociedades observaram que os dogmas têm trânsitos […]

Read the rest of this entry »

A vasta cartografia da invenção

Desenho a cartografia do inacabado, ela levita sobre as cabeças dos madrugadores vadios. Envolvo a luz da lua com o rascunho místico dos olhos. Não deixo que a forma se desfaça na fuga do corpo. Nas sombras das astúcias, carrego o espanto que atiça o devaneio. Cada pedaço da vida tem coisas revisitadas e moradias […]

Read the rest of this entry »