Posts Tagged ‘Instabilidade’

Julgar: o poder opressor da notícia veloz

  Vivemos contando a nossa vida e falando da vida dos outros. Há inúmeros meios de comunicação. A tecnologia abriu espaço para velocidade. Todos querem novidades. Sentem-se motivados pelas fofocas gerais. Há uma certa perversão em escutar insucessos, em curtir escândalos, em vibrar com tragédias alheias. A generosidade nunca existiu de maneira plena. Somos animais […]






Share Read the rest of this entry »

O poeta Drummond salva o cotidiano

  Os anos chegam trazendo tradições e expectativas. Todos estavam cansados de 2016. Muito peso nas corrupções, no cinismo político, nas jogadas da mídia. Temos crenças em calendários, cultivamos a ideia de um ano, de vida nova. Faz parte das ilusões dispersas. A violência não se foi, não promete partir. É um ponto marcante da […]






Share Read the rest of this entry »

Seguem os tempos, seguem as dúvidas, seguimos tontos

Depois das festas grandiosas, o mundo se enche da expectativa. Vivemos cercados de regras, de trabalhos, mas a história exige movimento. Tudo, na sociedade da tecnologia, não quer apatia, brinca, finge, disfarça. A ciência  sofre amarguras. O capitalismo não perde espaço. Sinto que as utopias adoecem rapidamente e a violência dá respostas que nos intimidam. […]






Share Read the rest of this entry »

Os sentimentos dão ritmos ao tempo

Quem observa a história não  se negar a olhar seus movimentos surpreendentes. Há repetições, muitos lutam pelas permanências e outros buscam as novidades. Difícil é conhecer como se formam as referências, qual o caminho a seguir, já que as diferenças são muitas. Portanto, os lugares dos tempos são moradias de ambivalências. Não adianta somar transparências, […]






Share Read the rest of this entry »

Enigmas da vida, histórias soltas

  O tempo vai passando e as medidas que temos dele sempre são complexas. Fico pensando se tudo não está entrelaçado, com invisibilidades infinitas. Há muitos enigmas, muita especulação sobre as verdades e os valores, mas tudo se apresenta de forma caótica ou extremamente organizada.  Somos companheiros das contradições? Talvez. Debatemos. procuramos sentir o caminho […]






Share Read the rest of this entry »

O mundo das exclusões cotidianas

Conviver traz controvérsias. A diversidade nos visita. Os estranhamentos são comuns. Há sociabilidades que facilitam afetos, mas há também muita disputa e fascismos ocultos em generosidades disfarçadas. Buscar anular as diferenças é negar a cultura. Com toda a massificação não há como firmar homogeneidades e unir desejos. O jogo é amplo e as ilusões existem […]






Share Read the rest of this entry »

As histórias e os sentimentos da vida

A sociedade exige que nos envolvamos com o mercado. Uma movimento incrível, marcado com anúncios e delírios, em busca de uma felicidade fabricada com muita sutileza. Mesmo assim há um deslocamento afetivo que atinge a maioria. Há quem curta um passeio ao shopping, um olhar apaixonado pelos modelos das vitrines. O tempo rápido e o […]






Share Read the rest of this entry »

A sociedade na busca do indefinido equilíbrio instável

As inquietudes  não estão apenas na modernidade. Os tempos históricos convivem com surpresas e ousadias desde as épocas consideradas remotas. Não é escorregadio assumir que a linha reta mal diz das relações desencontradas que acontecem até nos pequenos grupos. O ponto final nos amargura. Inventamos saberes, buscamos moradias estranhas, criamos leis, mas há um ritmo […]






Share Read the rest of this entry »

O mal-estar persistente e misterioso

Cada época curte seus deslumbramentos e lamenta suas perdas. A busca do equilíbrio é um registro histórico inegável. Há quem se descuide, goste de viver os perigos dos extremos contínuos. Freud não deixou de alertar para as dificuldades que cercam o fazer humano. Esquecemos que as comparações ajudam, porém não respondem a todas as inquietudes das […]






Share Read the rest of this entry »

Amores serenos, paixões delirantes, histórias soltas

A afetividade não deixa de ser um registro que me toca. Fico perplexo quando ouço pessoas desprezando-a,  afirmando que se trata de um assunto sem ressonância entre as coisas chamadas sérias. O que seria a vida sem a aproximação dos outros, sem o olhar apaixonado, sem a cabeça no colo? Há tantos exemplos que esgotariam […]






Share Read the rest of this entry »