Posts Tagged ‘invenção’

Fellini: a invenção das histórias e a quebra da linearidade

Fellini é, para muitos, o cineasta mais admirado do século XX.  Trouxe contribuições surpreendentes para o cinema, quebrando padrões, soltando as invenções, não se inibindo em deixar a fantasia estender seus traços e suas mentiras. Há críticas, Fellini não poderia ser uma unanimidade, pois os conservadores também andam pelo mundo da estética e gostam de […]

Read the rest of this entry »

As invenções e as astúcias na construção da cultura

Não é difícil observar as coisas repetidas. Os disfarces não conseguem enganar por muito tempo. Nem sempre a repetição é um golpe no desejo de reformular o mundo. Há muita diversidade. Ela confunde certas expectativas. Alguns pensam estar mergulhados em novas formas e dizeres, mas retomam o passado com algumas cores diferentes. A luta pela […]

Read the rest of this entry »

O labirinto e a porta entreaberta da história

Imaginar a história, numa representação arquitetônica, nos traz a configuração do labirinto, com suas sinuosidades e surpresas, suas portas entreabertas, sem chaves ou segredos, mas com paredes de cores diferentes e espelhos com formas inusitadas. Não é à toa que inventamos a geometria e a matemática, os significados e as linguagens. O inesperado é o […]

Read the rest of this entry »

As intimidades da escrita, as conversas da imaginação

A solidão é tema recorrente. Mesmo no meio das sociabilidades, temos aquela necessidade de procurar o silêncio e cultivar os esconderijos. Nem por isso, o mundo se acaba e os desejos fogem do coração. A solidão é relativa, possui timidez e ritmo, não apaga lembranças e desperta imaginações escondidas. Quem gosta de escrever sabe disso. Juntar palavras, […]

Read the rest of this entry »

O progresso e o futuro na dança dos sentidos

Discute-se se há um sentido para história. Há divergências que afetam sua pretensa cientificidade. A questão do tempo é fundamental. O costume de criar relações de causas e consequências foi forte durante uma época. Tudo se amarrava, sem problemas. A história ganhava um conteúdo e parecia coerente nos seus andamentos. No entanto, a linearidade esconde muita coisa. […]

Read the rest of this entry »

Os sentimentos do mundo redefinem lugares

  Inventamos a história. Nem sabemos as razões. Por mais que se queira fundar teorias, há lacunas permanentes. Há mentes que se agarram aos dogmas, não soltam suas crenças e apostam na vida eterna. É uma escolha. Não existem dúvidas que as escolhas dependem de momentos e de pedagogias de vida. Buscamos coerências, sentidos, pertencimentos. […]

Read the rest of this entry »

O amor é astucioso e múltiplo, sem eternidades

  Psique amou Eros. Não foi fácil. Muito encantamento, mas invejas e disputas atrapalhando o fluir da aventura. Psique sofreu. Pagou pela sua curiosidade, como descreve Ésquilo, e correu em busca de sossego. Sua história, ainda, hoje é lembrada. Freud que o diga. Nada na vida passa sem inquietações. Não confie no silêncio permanente. Ele […]

Read the rest of this entry »

A poética do encontro, a dança da invenção

Pensar a poética dos encontros nos convida a envolver-se com as invenções. Olhar tudo, como determinado, deixa um cansaço. Mesmo que não saibamos a exatidão do caminho, é importante não afirmar a sobrevivência de um desmantelo total. A ameaça das incertezas faz parte da dança da vida. Procuramos garantias, iluminanos o cais das embarcações mágicas, mas […]

Read the rest of this entry »

O jogo é o trapézio da vida

  Perder  é chato e pode deprimir. Ganhar, sempre, provoca arrogância e estimula vaidade. Empatar é não conseguir atravessar as encruzilhadas, dançar nas inércias. O jogo é humano, invenção cultural com inúmeras histórias. É síntese de desejos e aventuras. Resume tempos. Distrai e controla. É um capitulo da pedagogia e dialoga com a multiplicidade.  Há […]

Read the rest of this entry »

Por onde anda o trem (in)vísivel da história?

            Os desconfortos do tempo presente não estão isolados. Há dificuldade em construir a simultaneidade. Muitos não escutam as vozes de Freud, Kant, Elis Regina,  Zola ecoando pelas ruas da história. Fixam-se no instante. Não percebem que toda conversa envolve muitas investidas em lembranças e escutas, aparentemente, desfeitas. A perda da conexão, com o passado, traz […]

Read the rest of this entry »