Posts Tagged ‘invenções’

Não se engane com o capitalismo

  O campo da polêmica não deve ser esquecido. Muitos vivem distraidamente. São amigos da culpa, não se sentem responsáveis por nada. A infantilização não é rara. A sociedade atravessa por abismos e está sem conhecer o caminho mais favorável. Critica-se a corrupção, as besteiras de Temer, as injúrias de Trump. Mas o buraco está […]






Share Read the rest of this entry »

Desafazeres e fantasias

      Desenhar a linha do tempo deixa as geometrias enlouquecidas.        As profecias são especulações, divertimentos, distrações,       cada uma envolvida na confiança de sortes e deuses.        Não busque a linha da certeza, nem a lágrima da última saudade,        a vida se reinventa no meio da noite, no sonho que não termina.        […]






Share Read the rest of this entry »

O jogo da imitação: a vida e o controle

É difícil pensar que existem fatalidades e destinos. Sou muito desconfiado com as determinações e tenho simpatias com o acaso. A vida corre com uma agilidade desgovernante. Tudo se mistura. Um dia, chega a tristeza, outro, chega o afeto aconchegante. A imprevisibilidade nos acompanha, apesar de todos os mecanismos científicos. Não faltam academias para reflexão, […]






Share Read the rest of this entry »

As visitas da memória e da solidão

A expulsão de Adão e Eva do paraíso ainda agita cabeças e corações. Muitos gostam de caminhar entre as fantasias e brincam com a força tirânica do pecado original. Somos animais sociais. Não tenho dúvidas. Existe uma racionalidade que procura nos ordena. Se equilibra, não sei. Mas não deixa de ser instigante as nossas invenções […]






Share Read the rest of this entry »

Quem se compõe na metáfora?

a imaginação não perdoa a ausência de metáforas soltas, a vida não pode ser a esperança de um espelho num cinema abandonado. as transgressões trazem a surpresa e cortam a monotonia da mesmice, o mundo pede que os desenhos se alterem, mesmo que o perdão se estenda. não há como adivinhar futuros se todos caminham […]






Share Read the rest of this entry »

Os desenhos do mundo nas esquinas das palavras

O mundo das imagens nos veste com as mais diferentes formas. É impossível fugir do assédio midiático, mesmo que a crítica nos acuda e nos tire das ingenuidades fabricadas.  As tecnologias possuem soberanias. Estão presentes nos múltiplos espaços. Ajudam na sala de aula, organizam exposições de produtos, metem-se nos discursos dos políticos. Citam seus benefícios […]






Share Read the rest of this entry »

As palavras preguiçosas e as infantilizações contínuas

 A força das palavras não morreu, mas sofre abalos. As letras das músicas nos trazem exemplos indiscutíveis. Há versos feitos, com poucas palavras, e repetições exaustivas. Nem vou falar dos ritmos, nem ressaltar os poetas maiores como Chico Buarque, Drummond, Neruda, Pessoa, Vinícius… Não se descuidem do nome de Chico e procurem escutar Beatriz ou Carolina. […]






Share Read the rest of this entry »

As invenções, a cultura, o tempo, Steve, Beatles

A recente morte de Steve Jobs trouxe reflexões importantes. Receberam destaques merecidos suas invenções  e criatividades. Jobs dedicou-se a abrir, com ousadia, espaços na técnica contemporânea. Não ficou paralisado nas banalizações, nem entusiasmado com o consumo das multidões. Foi além. Não fugiu dos desafios. Firmou um exemplo, compreendeu que a rapidez pode ser aliada à inteligência. Ofereceu […]






Share Read the rest of this entry »

Quem toma conta das suas invenções?

Os óculos sobre a mesa, Miles Davis tocando na vitrola, o olhar solto no horizonte.É difícil fabricar a pausa, o mergulho no silêncio, sem atribulações. Sempre a pressa comandando cada ato, como se não houvesse tempos vazios ou espaços  para contemplação. Tudo parece desmontado, sem profundidades, numa celebração contínua do efêmero. Faltam atenção, cuidado, proximidade. […]






Share Read the rest of this entry »

Sherezade e as travessias dos arcanjos encantados

O deuses podem não existir. Há quem não suporte divagar. Cada um elege suas crenças e assume seus desejos de eternidade. Sabemos que a morte está, aí, juntinha de todos. Suas formas de acontecer são múltiplas, não dispensam nem a crueldade. A vida não tem prazo definido. A sociedade produz armas e armadilhas, inventa doenças, ganha […]






Share Read the rest of this entry »