Posts Tagged ‘Italo Calvino’

A literatura: memória dos objetos, sinais do destino

A cultura atribui significados às ações humanas. Há muita coisa no mundo que necessita de uma leitura para articulá-las a particularidades pouco conhecidas. Não podemos ficar indiferentes a quantidade de objetos que aparecem na vida. O crescimento da tecnologia nos acena para a complexidade. Não basta  olhar em direção às invenções modernas. Tudo tem uma forma descartável. […]

Read the rest of this entry »

O ziguezaguear nas poeiras da vida e do tempo

Ziguezaguear. Um verbo pouco usual, quase desconhecido, raro nas conversas, presente em alguns discursos literários, mas expressivo para decifrar os tempos da vida. Ele traz um significado soberano, definitivo para acender as tantas multiplicidades que nos acompanham. O que fica é a ideia  de sinuosidades constantes. Desmonta aquele desenho linear que alguns gostam de atribuir […]

Read the rest of this entry »

As conversas com os arcanjos andarilhos e poéticos

Todos já ouviram falar em arcanjos. Nem todos, porém, acreditam que eles existam. Muitos se ligam ao visível, ao que queima os olhos. O realismo é contagiante, pois nos coloca em frente a espelhos imensos. Tememos as assombrações, sem abandonar as fantasias. Queremos acompanhar, na superfície, evitando arranhões, o caminhar do mundo, insistindo que o […]

Read the rest of this entry »

Os vastos territórios das narrativas e da vida

             Há narrativas lineares que seguem caminhos, geometricamente, sem curvas. Alinham os fatos e formam sucessões. Não privilegiam a surpresa. Contam a vida que se define pela repetição. Elegem destinos, não se propõem a decifrar nada. Exigem passividade e pouca invenção. Não inquietam e cansam. Quem deseja aventuras e astúcias fica marginalizado. Escutar a mesmice […]

Read the rest of this entry »

A travessia da solidão e o meio do mundo

Quando os silêncios se tornam plenos, os recolhimentos anunciam a subjetividade em celebração. É hora de contar as palavras, acionar a magia de falar com o mundo, apenas com os ruídos dos sussurros. Não é uma desistência de rebeldias. O silêncio não é renúncia, mas transformação que lembra os personagens mais enigmáticas de Macondo, de García […]

Read the rest of this entry »

No meio das histórias e das palavras

Estou no meio da história. Quem não está? O calor é imenso. Entorpece. A tela do computador lembra papéis pendurados na máquina de escrever. É desafio constante, um deserto que brilha. As imagens nos cercam e as palavras se  encurralam. No entanto, não prolonguemos essa situação. Ultrapassemos as travessias acadêmicas sobre o significado e o […]

Read the rest of this entry »