Posts Tagged ‘luta’

Quem se envolve com o avesso do avesso?

  As palavras não viajam soltas como pipas. Elas pesam, desenham, ajudam, falecem. Não esqueça dos dizeres da Bíblia. Deus era o soberano do verbo, Fez o mundo, estabeleceu mandamento, condenou pecadores. Quem já não ouviu os evangelhos, os ensinamentos generosos ou o lado avesso, descontrolado e feiticeira? Alguns donos de religiões querem acenar para […]

Read the rest of this entry »

Ler o mundo sem descuido

    Os livros ajudam a decifrar mistérios. No entanto, o importante é se centrar no cotidiano. Observar que o desequilíbrio contínuo se prolonga. Não há como se divertir com tantas tragédias e os descuidos do poder prevalecem. Estamos encurralados, cheios de medo, aflitos com a insegurança generalizada. Existem assaltos violentos, notícias, enganações políticas, milícias […]

Read the rest of this entry »

A política vacila: armas, palavras, desenganos

  Voltou-se a falar na morte das ideologias. Muitos desconhecem o conceito, mas se tornou um charme traçar seus males e destroçar seus possíveis significados. Um percurso globalizado e ativo que não se restringe aos fatos brasileiros. Bolsonaro assume com ruídos que alimentam delírios de Frota e fogo nas relações internacionais. Isso era esperado. Sai […]

Read the rest of this entry »

A história move ideias: as mulheres na inquietação

  Fala-se de tudo. Contam-se muitas histórias. Os homens aparecem promotores de grandes movimentos. Eles parecem ter o domínio da história. Aliás, deus é um substantivo masculino. Não é à toa. As mudanças, geralmente, querem trazer certas rupturas. A palavra revolução ganha espaço na modernidade. Um conceito que inquietou, trouxe salvacionismos, não deixou de sacudir […]

Read the rest of this entry »

Doria: a cracolândia, a política, a controvérsia

  As notícias ganham espaços movidas pelas curiosidades. Nem todos se ligam ao seu conteúdo. Apostam no sensacionalismo. Surgem os preconceitos, as violências, as amarguras. Observe a questão da cracolândia. Um inferno, na capital mais rica do Brasil, que assusta e comove. Ela não é só movimentada pela pobreza ou astúcia dos traficantes. Mostra que […]

Read the rest of this entry »

Que afeto se mantém no mundo fragmentado?

  O desmanche da cultura ocidental não é tema novo. Uma visita aos pensadores do século XIX me lembra muita coisa. Nietzsche, Marx, Schopenhauer e tanto outros me mostravam a quebra de valores. O capitalismo crescia rapidamente sempre favorecendo às minorias ricas. As tradições se esfarrapavam com as aristocracias respirando com dificuldades. É claro que […]

Read the rest of this entry »

O mundo esqueceu a estética ou a Branca de Neve?

Tudo virou um jogo ou um conjunto fascinante de mercadorias? A sociedade parece tonta, mas não deixa de curtir as promoções, o afeto fabricado ( dia da mãe, do pai, do vizinho,do artista…), as manobras políticas, as novidades descartáveis, as notícias sensacionais. Não há espaço para se debater o significado da beleza, os tamanhos das […]

Read the rest of this entry »

Ocupe e desocupe: o coletivo e a cidade

As jogadas do poder são imensas e conseguem se articular com uma rede de lucros quase invisível. Entra a política, os acordos, os escândalos. Quem são os culpados? O capitalismo pode viver sem a desigualdade? A crítica não pode silenciar. a minoria controla, vende, se espalha pelo mundo. Não existe, porém, um mundo que tenha […]

Read the rest of this entry »

Ocupe Estelita: sonhos, dissonâncias, políticas

  As transformações existem para que a história se movimente. Elas possuem acasos, mas estão também ligadas ao agir das pessoas. É preciso que as permanências não sejam perenes. O novo deve afirmar conteúdos solidários e não ser apenas uma ordem ornamentada pelos dominantes. Há pessimismos que intimidam, no entanto as surpresas sacodem sonhos, retomam […]

Read the rest of this entry »

As cidades e suas histórias: descompassos

  A luta não é a mesma, mas institui, pode trazer reviravoltas. Há  mecanismos de controle que sacodem fora os desejos de transformar. A ordem existe em toda sociedade. Quando é dominante termina por eleger regras que parecem definitivas. A disputa política é fundamental, para que se tenha a medida da socialização. Se predomina o […]

Read the rest of this entry »