Posts Tagged ‘luta’

Doria: a cracolândia, a política, a controvérsia

  As notícias ganham espaços movidas pelas curiosidades. Nem todos se ligam ao seu conteúdo. Apostam no sensacionalismo. Surgem os preconceitos, as violências, as amarguras. Observe a questão da cracolândia. Um inferno, na capital mais rica do Brasil, que assusta e comove. Ela não é só movimentada pela pobreza ou astúcia dos traficantes. Mostra que […]






Share Read the rest of this entry »

Que afeto se mantém no mundo fragmentado?

  O desmanche da cultura ocidental não é tema novo. Uma visita aos pensadores do século XIX me lembra muita coisa. Nietzsche, Marx, Schopenhauer e tanto outros me mostravam a quebra de valores. O capitalismo crescia rapidamente sempre favorecendo às minorias ricas. As tradições se esfarrapavam com as aristocracias respirando com dificuldades. É claro que […]






Share Read the rest of this entry »

O mundo esqueceu a estética ou a Branca de Neve?

Tudo virou um jogo ou um conjunto fascinante de mercadorias? A sociedade parece tonta, mas não deixa de curtir as promoções, o afeto fabricado ( dia da mãe, do pai, do vizinho,do artista…), as manobras políticas, as novidades descartáveis, as notícias sensacionais. Não há espaço para se debater o significado da beleza, os tamanhos das […]






Share Read the rest of this entry »

Ocupe e desocupe: o coletivo e a cidade

As jogadas do poder são imensas e conseguem se articular com uma rede de lucros quase invisível. Entra a política, os acordos, os escândalos. Quem são os culpados? O capitalismo pode viver sem a desigualdade? A crítica não pode silenciar. a minoria controla, vende, se espalha pelo mundo. Não existe, porém, um mundo que tenha […]






Share Read the rest of this entry »

Ocupe Estelita: sonhos, dissonâncias, políticas

  As transformações existem para que a história se movimente. Elas possuem acasos, mas estão também ligadas ao agir das pessoas. É preciso que as permanências não sejam perenes. O novo deve afirmar conteúdos solidários e não ser apenas uma ordem ornamentada pelos dominantes. Há pessimismos que intimidam, no entanto as surpresas sacodem sonhos, retomam […]






Share Read the rest of this entry »

As cidades e suas histórias: descompassos

  A luta não é a mesma, mas institui, pode trazer reviravoltas. Há  mecanismos de controle que sacodem fora os desejos de transformar. A ordem existe em toda sociedade. Quando é dominante termina por eleger regras que parecem definitivas. A disputa política é fundamental, para que se tenha a medida da socialização. Se predomina o […]






Share Read the rest of this entry »

Anderson: o corpo, o delírio, o limite

Ganhar parece ser um destino na sociedade do espetáculo. Nem todos  merecem êxitos e milhões. Não faltam possibilidades de exibição. O capitalismo é senhor de muitas artimanhas. Traz do passado sentimentos, reinventa comportamentos, celebra religiosidades, aparentemente, desfeitas. Não se vive sem ídolos, mas os santos estão ocupando espaços. Portanto, a sociedade traça caminhos diversos, pois […]






Share Read the rest of this entry »

Os intrigantes movimentos das máscaras sociais

  O tempo se vai, mas não apaga tudo. Sobram tantas lembranças coletivas que assustam os mais indiferentes. A sociedade não consegue, muitas vezes, assumir as permanências, nem definir seus pertencimentos. Pede novidades, mostra cansaço e descuido, desiste de sonhos e acomoda-se em redes nada esplêndidas. A trajetória da história confunde, não foge das curvas. […]






Share Read the rest of this entry »

1964: entre as “memórias” e as “verdades”

Não há história uniforme, sem discordâncias. O paraíso ficou misturado com as lendas e os mitos. Não desprezemos os pecados, mas sigamos costurando ações e sentimentos sem sabermos quando tudo isso terminará. Talvez, sejamos atores de um drama infinito, haja um escritor astucioso e transcendental. Não faltam espaços para especulações. Pensar a vida é sempre […]






Share Read the rest of this entry »

Amargas memórias movem a política e o ressentimento

A história segue caminhos. Não dá para firmá-los, determinar que o mundo se modifique brevemente. Tudo tem o perfume perigoso do mistério. Na contemporaneidade, as tensões continuam assustando as relações internacionais. Há guerras espalhadas com requintes de violência trazidos pela tecnologia. Ninguém  se esquece das bombas atômicas, das vítimas, do poder que aciona vinganças justificadas […]






Share Read the rest of this entry »