Posts Tagged ‘medo’

O suspense histórico das conspirações

  Não há como observar que a história é transparante. Sempre existiram dúvidas. Temos recursos tecnológicos imensos, mas também suspeitas indefiníveis. A escravidão trouxe atmosferas de violências. Desde o início, havia tensões. Ser colonizado é um peso. Isso não passou. Continuamos navegando nas turbulências, com desenganos frequentes. A proclamação da República foi uma surpresa? A […]






Share Read the rest of this entry »

O poeta Drummond salva o cotidiano

  Os anos chegam trazendo tradições e expectativas. Todos estavam cansados de 2016. Muito peso nas corrupções, no cinismo político, nas jogadas da mídia. Temos crenças em calendários, cultivamos a ideia de um ano, de vida nova. Faz parte das ilusões dispersas. A violência não se foi, não promete partir. É um ponto marcante da […]






Share Read the rest of this entry »

Medos, histórias, palavras

Não me iludo com as gravidades soltas e as vitrines vazias, tenho medo de flutuar perdido, sem encanto e sem coragem. Sei que minha história nem começou, cultivo as dúvidas existentes na imaginação e apago o fogo para não frustrar as mentiras de Zeus e as astúcias de Ulisses, mas molho os cabelos para desfazer […]






Share Read the rest of this entry »

A busca de saídas e entradas na política

  A imaginação não pode ser descartada. Repetir o passado sem reflexão é melancólico. É preciso, portanto, buscar caminhos, movimentar a história. O Brasil passa por crises contínuas. O governo se encastelou, ameaça, sente-se soberano. A justiça tem vacilos. Não é  sem razão que a perplexidade cria raízes. Muitas passeatas, paralisações, discursos, análises, ocupações. Encontrar […]






Share Read the rest of this entry »

Não se espante com os giros da história

  Muitas surpresas acontecem no mundo que vivemos. Quando se diz que o inesperado toma conta da história, alguns ficam chateados. Querem que tudo tenha um caminhar cartesiano. Quem aprende com o passado? As guerras mundiais deixaram lições definitivas? As questões surgem para atiçar a perplexidade. Nada existe isolado. As relações se tocam, os ressentimentos […]






Share Read the rest of this entry »

Não desocupe a subjetividade

Estamos num momento raro. Muitas polêmicas, agressividades, ironias, devaneios. Percebo no cotidiano que a tensão não diminui. A instabilidade incomoda, os governos pensam e planejam a opressão. Volta o famoso patrulhamento ideológico, a polícia atua de forma ostensiva. Vivemos um estado de exceção?  Falta clareza, mas as ambições continuam amplas e satisfazem os desejos da […]






Share Read the rest of this entry »

Cunha, Nietzsche, Marx: aprendizagens

A burguesia não se acanhou. Colocou  o bloco na rua e continua no carnaval da grana sem cerimônia. O mundo não pertence, apenas, à burguesia. Ela toma sustos, vacila, muda planos. Inexistem dominações absolutas. Cunha parecia eterno. Dançou ou delirou? Os espaços do sonho e da rebeldia, porém, não se foram. As desigualdades causam transtornos, […]






Share Read the rest of this entry »

Nós e os nós: a política e Gramsci

Quem se lembra das obras de Gramsci não esquece do seu conceito de hegemonia. Há uma lucidez exemplar nas reflexões do líder italiano. O poder não existe solto, sem amarras, precisa de uma base. Se queremos uma democracia, temos que lutar para que os vestígios autoritários sejam apagados. Eles sobram na política brasileira. Quem conhece […]






Share Read the rest of this entry »

O fascismo e a violência, a democracia e o afeto

Os acirramentos das disputas políticas são perigosos. Quando se joga fora o diálogo, cria-se suspense. Há uma série de julgamentos que se estende pelo cotidiano. A confusão provoca inimizades e histerias. As batalhas se dão nos mais íntimos recantos. O facebook é um território minado. Muita gente se esconde e troca a solidão pela  agressividade. […]






Share Read the rest of this entry »

Padura:as estratégias das violências assassinas

Continuo assustado com a leitura que fiz de Padura. Trata-se de uma obra notável. Uma denúncia que assombra e mostra a incompletude humana. A sensibilidade do escritor entusiasma, mas as manobras autoritárias  presentea na história amargam. Cada época tem seus lixos, suas escravidões, suas permanências. Isso nos traz dificuldades imensas. Quando me lembro das tragédia […]






Share Read the rest of this entry »