Posts Tagged ‘Memória’

A história move ideias: as mulheres na inquietação

  Fala-se de tudo. Contam-se muitas histórias. Os homens aparecem promotores de grandes movimentos. Eles parecem ter o domínio da história. Aliás, deus é um substantivo masculino. Não é à toa. As mudanças, geralmente, querem trazer certas rupturas. A palavra revolução ganha espaço na modernidade. Um conceito que inquietou, trouxe salvacionismos, não deixou de sacudir […]

Read the rest of this entry »

O fogo da memória, a memória do fogo

  A cultura não desparece como um cometa. Ela se guarda na memória. Sua força é incomensurável. São tradições que se tocam, anos vividos, solidariedades, tristezas, descuidos. Somos cultura. Nosso corpo possui registros dos anos passados. Não dá para riscar o tempo da história. Seria um absurdo, um suicídio. Por aqui, os incêndios são comuns. […]

Read the rest of this entry »

As voltas dos tempos históricos

Há sempre um debate incessante nos saberes acadêmicos sobre o tempo histórico, Visitamos o passado, corremos para os imaginários, não acreditamos nas previsões, mergulhamos nas tragédias gregas. Não adiantar fugir. Cada um julga sua temporalidade nos desenhos do corpo. O tempo é astucioso, não se deixa prender. Mas há quem diga que a história é […]

Read the rest of this entry »

Freud: memórias,lembranças,esquecimentos

Lembro-me de tanta coisa que seria impossível nomeá-las. Tenho recordações preciosas que alimentam minha vontade de viver. Há época em que o riso é solto, tudo corre para o mar, sem constrangimentos. Mas não esqueçamos dos infortúnios. Nos momentos mais eufóricos aparecem, às vezes, descontroles. Não dá construir a vida sem contradições. O erro não […]

Read the rest of this entry »

O jogo da memória: saberes e narrativas

O esquecimento ajuda a deixar dores antigas, mas não há esquecimentos absolutos. A memória joga com entrelaçamentos e surpresas. A linearidade não se firma. As lembranças aparecem e desaparecem. Não sabemos quando elas retornam. Algumas incomodam, outras nos enchem de prazeres. Nosso domínio sobre a vida e suas aventuras é frágil. Temos muitas perguntas, lamentamos […]

Read the rest of this entry »

Galeano: as lamentações de escritos corajosos

Eduardo Galeano foi um combatente de rara lucidez Seus livros deixaram lições contra a violência e o desgoverno. Não perdeu a beleza nas suas acusações e narrativas. Queria um outro mundo, conhecia o avesso, festejava o abraço. Acabei de ler Vagamundo. Um de seus primeiros escritos publicados. Galeano mostra a amargura de uma sociedade tensa, […]

Read the rest of this entry »

O afeto negado

Contar a história do afeto negado traz a vastidão dos sentimentos. Não há vida sem o outro, e a solidão é sempre uma passagem. Não se atormente com o silêncio, nem negue o desejo de partir. Nada está imóvel no mundo, tudo pede perdão e descanso. Quem  afasta a perda, desconhece seu desencanto, mas não […]

Read the rest of this entry »

Galeano: a memória companheira da história

Os livros de Galeano são provocantes. Sua escrita é bela e poética. Desmente aquela rigidez dos que dormem nos documentos oficiais e exaltam o fato positivista. Conta histórias com simplicidade, sem esquecer o compromisso coletivo.No seu coração , bate o ritmo da rebeldia contra as desigualdades. Galeano nos mostra os avessos e os contrapontos. Quem […]

Read the rest of this entry »

Quem se lembra dos refugiados?

  Fico olhando a sociedade e não me esqueço que o mundo gira. Não basta cuidar das nossas artimanhas e falar mal dos políticos. Há acontecimentos e relações profundamente globalizadas. Contágios desagradáveis de sofrimentos e perdas de rumo perturbam. Cunha é uma figura estranha, as delações levantam desacertos, a dubiedade invade os espaços sagrados. Isso […]

Read the rest of this entry »

A porta está fechada para sempre?

O tempo vai passando e as portas se abrem e se fecham. Não cansamos de observar repetições. Podem mudar as cores, as palavras, mas existem intenções. As sociedades não se livram do conservadorismo. É significativo não perder a crítica. Quem quer destruir o vazio e refundar os comportamentos? Brinca-se com o política , porque muitos […]

Read the rest of this entry »