Posts Tagged ‘Memória’

Quem se lembra dos refugiados?

  Fico olhando a sociedade e não me esqueço que o mundo gira. Não basta cuidar das nossas artimanhas e falar mal dos políticos. Há acontecimentos e relações profundamente globalizadas. Contágios desagradáveis de sofrimentos e perdas de rumo perturbam. Cunha é uma figura estranha, as delações levantam desacertos, a dubiedade invade os espaços sagrados. Isso […]

Read the rest of this entry »

A porta está fechada para sempre?

O tempo vai passando e as portas se abrem e se fecham. Não cansamos de observar repetições. Podem mudar as cores, as palavras, mas existem intenções. As sociedades não se livram do conservadorismo. É significativo não perder a crítica. Quem quer destruir o vazio e refundar os comportamentos? Brinca-se com o política , porque muitos […]

Read the rest of this entry »

O tempo instável e indefinido

Envergue a dor que inventou a tristeza, não jogue fora a alegria que refez o sorriso, sem alarde. Há memórias insuportáveis e fantasmas do juízo final, despreze-os. Pense no circo medonho que feriu o palhaço, solitário e aflito. e espante a vida migrante que desmancha a sociedade. Abrace o tempo que reinventa o humano  e […]

Read the rest of this entry »

Sabe contar ou perder uma história?

  Escutar o silêncio é uma arte. O mundo está cheio de ruídos e incompreensões. Não é só uma questão de linguagem. Os valores mudam em cada esquina, surpreendem, atraem. Querem quebrar teorias, afugentar deuses, multiplicar drogas e transformar o dinheiro num cristal insuperável. Todos possuem uma verdade para comentar. Mas quem ouve? Quem consegue […]

Read the rest of this entry »

A partida do sonho

A violência parte os sonhos e desfaz os afetos no fluir do cotidiano. Parece que a história não se movimenta, nem busca o fim dos limites. Há angústias que se somam e desesperos que inibem a rebeldia. Cada canto do mundo se enche de ruídos e fantasmas inesperados. corta-se o corpo, quebra-se o encanto, maltrata-se […]

Read the rest of this entry »

A polêmica permanente e o uso da droga

O debate sobre a droga está presente, mas possui uma longa história. As sociedades utilizam comportamentos para expressar suas escolhas, esconder suas mágoas, eliminar seu inimigos e seguir adiante. Desde os tempos mais antigos, usando uma diversidade marcante que esconde e esclarece as sinuosidade da cultura, o movimento das palavras articula a vida. Já que […]

Read the rest of this entry »

Histórias vermelhas e desadormecidas.

Existe uma rosa vermelha num vazio imenso. inventando a cor onde nem mora a saudade. Nem conto as palavras, nem me ligo no passado, sei que ando evitando esquinas, cruzando ruas envelhecidas pelas memórias. A eternidade tem o tamanho dos pesadelos assustadores, o perfume da valsa do adeus de um amor perdido. Sinto que cada […]

Read the rest of this entry »

Memória e vida

O jogo da memória tem regras que não cessam de ser reinventadas. A história é o reino do inacabado, não adianta segurar o tempo. nem tampouco fixar valores com tradições eternas. As partidas acontecem, os retornos são dúvidas, a vida não adormece com a saudade, mas se multiplica. Cada andança é busca que não tem […]

Read the rest of this entry »

Conversas e lembranças da vida: os anos 1960

Em abril de 1964, tinha onze anos. Não entedia muito das coisas, mas não gostei nada do que estava acontecendo Minha rua cheia de gente comentando sobre o golpe. Só vi sombras assustadoras e a violência solta. Lá fora, a Guerra do Vietnam provocava suspenses. Os  Estados Unidos não conseguiram firmar sua arrogância.Fugiu. Não aguentou […]

Read the rest of this entry »

Memórias políticas, redefinições históricas

Lembro-me de março de 1964. Era ainda muito pequeno para compreender o buraco que estava se abrindo. Mas observava frustrações, vinganças, desejos de manipulação, violências. A sociedade dividida, as radicalidades minando as negociações. Havia perplexidades e, como sempre, ideias salvacionistas. Muitos falavam em uma revolução que transformaria o Brasil. Foi um movimento múltiplo e não […]

Read the rest of this entry »