Posts Tagged ‘Memória’

A Grécia e a Europa: as astúcias das memórias

Quem coloniza não está livre de viver a desigualdade e se sentir perdido no labirinto. A história não se cansa de produzir instabilidades e o tempo não tem programação fixa. Os anos passam, os séculos atravessam caminhos imensos e a intensidade da cultura produz profecias e crenças. A Europa já foi senhora do mundo, inventou […]

Read the rest of this entry »

Charlie, as vitrines, a mídia, o poder

Os negócios são complexos. Exigem rapidez e astúcia. O importante é não perder espaço de poder e procurar agitar a grana com eficácia internacional. Por isso as notícias circulam com raro senso de especialização. Elas revelam políticas e preconceitos. Desenham histórias, escolhem vítimas, estabelecem verdades, mexem com multidões. Não é à toa que as concorrências […]

Read the rest of this entry »

O tempo não se vai sem vestígios

  Quem aposta no esquecimento, numa história com novidades constantes, pode escorregar. A memória está acesa, apesar das pressas cotidianas e da necessidade de lucrar com as notícias escandalosas. Mesmo na vida íntima, o cerco do passado não se extingue. A memória é inquieta, não joga tudo no lixo, possui ritmos e enganos. Os vestígios […]

Read the rest of this entry »

As visitas da memória e da solidão

A expulsão de Adão e Eva do paraíso ainda agita cabeças e corações. Muitos gostam de caminhar entre as fantasias e brincam com a força tirânica do pecado original. Somos animais sociais. Não tenho dúvidas. Existe uma racionalidade que procura nos ordena. Se equilibra, não sei. Mas não deixa de ser instigante as nossas invenções […]

Read the rest of this entry »

Há uma teoria da história ?

Contamos os dias. Temos calendários diferentes. As culturas mudam nossos prazeres ou mudam os desejos? E os enigmas que aparecem e nos surpreendem? Perguntas não faltam. Viver é fazer perguntas e nunca deixaremos de arquitetá-las. Mas tudo está envolvido por um tempo ou uma concepção de tempo. As culturas conversam com o tempo. Não seria […]

Read the rest of this entry »

O jogo da política e os tempos históricos: 1789 e 1968

As polêmicas não se encerram e constituem companhias da sociedade. Na modernidade, eles persistem com insistências. A população cresceu, assustadoramente, há uma diversidade de culturas e conflitos, estamos muito distantes de formular teorias que se aproximem e façam cessar as divergências. A fragmentação ganha espaço, não só nos debates acadêmicos, mas também nas conversas cotidianas. […]

Read the rest of this entry »

As superfícies e os dilemas do presente

  Não se engane com planejamentos que trazem anúncios de um futuro sem problemas. Nunca entre no vale das promessas sem sentir que a crítica é fundamental para salvar a autonomia. A sociedade não deve se livrar dos debates e deve resistir aos ensaios constantes de massificação. Não podemos evitar que os meios de comunicação […]

Read the rest of this entry »

A violência organizada ou a desigualdade permanente?

As notícias não cessam de trazer escândalos e corrupções que se prolongam pela República. Tudo vem acompanhado de acontecimentos marcados pela violência. Se elogiamos a multiplicidade da cultura, não podemos deixar de assinalar que as desavenças intrigantes e a falta de solidariedade ganham corpos. A violência se veste de brutalidade incomum e retoma preconceitos que […]

Read the rest of this entry »

A memória malabarista

Há momentos que se fixam e reaparecem com inquietações. A vida não cessa de mostrar-se misteriosa, ferindo ingenuidades gratuitas. Não adianta testemunhar histórias que são esquecidas, nem tempos desenhados no calendário. É preciso que a desconfiança limite o sentimento para que a verdade se sinta despedaçada e o mundo pareça uma tempestade que desfaz invenções […]

Read the rest of this entry »

Tatuagens e sentimentos( P/ Reginaldo)

         As marcas das lembranças ficam nas memórias como tatuagens indefinidas.            Como fazer a leitura de um mundo que já se foi ?            Ficam desenhados os sonhos resistentes e travessos, num exílio sem fim.            Cada tempo inventa sua gramática sem se desfazer do  estranho perfume do absoluto.            A construção é sempre […]

Read the rest of this entry »