Posts Tagged ‘Memória’

Os tempos dos Estados Unidos e a memória inquieta

O 11 de setembro se foi? Parece que não. Há alguma coisa que se vai para sempre? Tudo não fica morando na memória, esperando o momento de se avivar? O tempo tem muitas incertezas. O presente nos acompanha. Cada instante mexe com os desejos e aciona nossa presença no mundo. Não estamos, porém, afastados do […]

Read the rest of this entry »

Autonomia e dependência: as colonizações cotidianas

O estudo da história fez, muitas vezes, com que se pensasse nas tramas das grandes colonizações e deixasse de lado as armadilhas de dominação do cotidiano. Comemoram-se as datas de independência com paradas militares festivas. A memória é ativada, mas nem sempre a reflexão ganha corpo. Celebra-se uma tradição, sem maiores preocupações com o conteúdo […]

Read the rest of this entry »

A saudade não tem tempo definido e seguro

Dizem que é bom guardar a saudade escondida no coração. Não se importar com as inquietações. O certo é entender que ela flutua. Seria impossível inventar um calendário fixo, objetivo, para aprisionar as inconstâncias da saudade. Ela adora um tapete mágico e contos de fada. Pertence ao território da imaginação. Traz sofrimentos, porém não poupa […]

Read the rest of this entry »

Memórias inquietas: o golpe político-militar de 1964

Quando tinha quase 12 anos, em março de 1964, se deu o golpe político-militar que derrubou o governo de João Goulart. Pregava-se o fim do perigo comunista que assombrava grupos sociais significativos. Queriam ordem e nacionalismo, nada de aventuras trabalhistas e sindicais. Houve reações, mas muita gente simpatizou com o ato. Não gostei. Fiquei desconfiado, […]

Read the rest of this entry »

As frustrações, as releituras, o mundo solto

As expectativas produzem ansiedades. Aceleram a adrenalina. Exigem rituais. Um jogo da seleção brasileira de futebol é um acontecimento. Há desgastes provocados pelos fracassos e dissonâncias da época de Dunga. Muito estrelismo e excesso de noticiário causam desequilíbrios. O futebol possui seu lugar especial, sintetizando ambições e acostumes. O Brasil está metido noutra aventura. Começou mal, […]

Read the rest of this entry »

O Barcelona: arte e futebol, Pelé e Messi

Jules Fontaine, célebre jogador francês, afirmou que Messi é melhor do que Pelé. Jules participou da Copa de 1958, quando Pelé despontava e impressionava o mundo. Era um garoto e fazia gols como ninguém. Junto com Garrincha, desmontou defesas e desenhou um mito inesquecível, numa época em que os meios de comunicação eram, ainda, precários. […]

Read the rest of this entry »

Um semana de muitas assombrações e luzes

As coisas acontecem tirando o fôlego. Não faltam novidades. O tempo, para debatê-las, é cada vez mais escasso. Tudo se avoluma como num depósito de mercadorias. A crítica recomenda atenção e cuidado. Engolir as notícias não adianta muito para a renovação da sociedade. No mínimo, uma boa conversa para esticar e agitar a sociabilidade. Se a […]

Read the rest of this entry »

As imagens do cinema e os encontros (im)possíveis

   A vida move-se. Suas inércias são aparentes. Como uma pausa, numa grande sinfonia, para retomar o fôlego e aguçar os contrapontos. A ficção se entretece com o real. É difícil classificar, enquadrar comportamentos e ficar inventando homogeneidades. As definições são passageiras, possuem o perfume das urgências, das festas que se encerram nas frustrações dos desejos. […]

Read the rest of this entry »

Por onde anda o trem (in)vísivel da história?

            Os desconfortos do tempo presente não estão isolados. Há dificuldade em construir a simultaneidade. Muitos não escutam as vozes de Freud, Kant, Elis Regina,  Zola ecoando pelas ruas da história. Fixam-se no instante. Não percebem que toda conversa envolve muitas investidas em lembranças e escutas, aparentemente, desfeitas. A perda da conexão, com o passado, traz […]

Read the rest of this entry »

A paixão correndo na velocidade do cotidiano

   Fico imaginando como o Carnaval mudou. Fui um folião de grande pique. Hoje, não consigo cumprir a maratona. Nem me arrisco. A multidão não deixa espaço, para quem, antes, se entregava ao frevo, com todo corpo. O Carnaval virou um espetáculo desmesurado. Quem adora essas mudanças são as televisões. Muita propaganda milionária e transmissões exaustivas […]

Read the rest of this entry »