Posts Tagged ‘memórias’

Os desencontros profundos e a construção da sociedade

As crises fazem parte da história. Seria um engano apostar numa sociedade linear, sem diferenças, com culturas marcadas pela homogeneidade. Mas há leituras diversas  para o significado das crises. Elas produzem tensões e podem ajudar a derrubar comportamentos apáticos. Nada como o refazer de certas teorias, o quebrar de preconceitos tradicionais, o desejo de abraçar […]

Read the rest of this entry »

O mundo e a história: interpretações e memórias

Falar da multiplicidade tornou-se um lugar comum. São tantos objetos, tantas formas de conceber a vida que nos deixam perdidos. As certezas viajam rápido, mas temos que cultivá-las. Sem referências não dá para firmar escolhas. A vida não pode ficar muito solta. Duvidamos dos dogmas, porém algum sentimento nos toca e nos impulsiona. Quem sabe […]

Read the rest of this entry »

O mistério do gostar, as virtualidades, as vacilações

Por que gostamos do outro? Convivemos, cotidianamente. Quando nos sentimos isolados alguma coisa parece quebrada. O silêncio faz bem, traz sossego, mas é importante não diluir as sociabilidades. Não gostamos de todo mundo. Seria impossível. Há pessoas que desmancham prazeres com ironias e arrogâncias. Freud explica. Posso ser simpático para muitos companheiros, sem agradar aos […]

Read the rest of this entry »

A memória costura as lembranças e os afetos

Tenho quatro filhos. Melhor dizendo: duas meninas e dois meninos. Já estão grandes, mas gosto de vê-los nas lembranças da infância e curtir saudades. É bom olhar o tempo nas suas sinfonias de alegria e de ingenuidades. Os filhos são pedras preciosas que se juntam aos três netos: dois meninos e uma menina. Uma base […]

Read the rest of this entry »

Memórias, tradições, (des)continuidades

O conhecido e o vivido estão presentes. Sofreram desgastes, redesenharam máscaras, mas surpreendem e não se renderam ao esquecimento. Não se imobilizaram, fluem com a história. Quando há a renovação dos paradigmas o passado não se ausenta. Partir do zero é uma fantasia. Existem confusões, descontroles, mas até a famosa criação lendária do mundo tem […]

Read the rest of this entry »

As lembranças se penduram na vida e no ritmo

  Há lembranças que não deixam de aparecer. Trazem aberturas para o passado. Gosto de reparti-las. A satisfação de construí-las não deve ficar dentro de esconderijos. Balançar a vida é animar a gangorra e aproximar-se do querer-bem. Nos anos 1960, estava entrando na adolescência, como dizem os educadores. O mundo fervia e minha cabeça não […]

Read the rest of this entry »

O anos 1960: nostalgias e (re)encontros

O passado tem seus retornos surpreendentes. O tempo possui extensões e transforma a vida, dialogando sempre. Os esquecimentos aparecem, quando pareciam adormecidos e quietos. Por isso, nunca se deve deixar de lado a simultaneidade. Jogue o progresso no lixo ou questione a sua qualidade. Não significa dizer que nada vale das invenções da cultura.É perigoso  […]

Read the rest of this entry »