Posts Tagged ‘mesmice’

A vida dos outros, as aventuras não vividas

Ninguém nega que o individualismo cresce e se globaliza. Todo mundo adora uma contemplação no espelho. Os cremes de beleza atraem e custam caro, mas a classe média delira com a possibilidade de tê-lo. As cerimônias de higiene são complexas. Nada como um bom perfume, daquele que seduz. Portanto, o encontro matinal está repleto de […]






Share Read the rest of this entry »

Cinismos, jogadas, granas, farsas

Nos tempos em que as crises se aprofundam as confusões não cessam de existir. Insiste-se na mesmice. Cai a reflexão, a coragem fica na corda bamba, a imprensa inventa suas manchetes para propagar a chegada do abismo. Ele não chega, cria-se um sensação de que nada vale e que a sociedade se arrasta preguiçosamente. É […]






Share Read the rest of this entry »

A conversa do mundo e o poeta Manoel

É difícil ouvir o silêncio. Há sempre inquietações nas cidades cheias de pessoas que não se cansam de refazer trajetos. O silêncio não significa, apenas, ausência de ruídos externos. Falo de um silêncio de dentro que percorre os sentimentos em busca de equilíbrio. O mundo é agitado, vive curtindo novidades, elas atravessam obstáculos, invadem corpos. […]






Share Read the rest of this entry »

O jogo não termina

Guarde o tempo em algum lugar pouco conhecido. Ele foge, inquieta-se, mas repousa em memórias antigas. Não adianta esquecer o corpo, anular os calendários, quando tudo flui evitando o cansaço do olhar fixo. Há quem testemunhe brincadeiras distraindo as agonias e adiando qualquer imagem doentia de culpa e pecado. Cada história traz o sinal da […]






Share Read the rest of this entry »

Alice e Nietzsche: as histórias soltas

Alice se perdeu e se encontrou no país das maravilhas. Quem desconhece a fantasia está na beira do abismo. Alice estava certa. Conversa, surpreende-se, arrisca-se. O mundo está desencantado, porque a mesmice consegue se alastrar pelos esquinas. As sutilezas são perigosas, enganam e aliciam. A capacidade de inventar é imensa dentro da cultura contemporânea.Talvez, a […]






Share Read the rest of this entry »

Sertão, sertões: significados soltos

Há lugares que estão repletos de incontáveis significados. Por que não observá-los? Por que não balançar as subjetividades, distraí-las com as possibilidades de transcendências, de flutuar nas fantasias do tapete mágico? Por que ficarmos presos a estigmas e imagens desbotadas? Quem ousa desprezar os significados e riscar as aventuras fabulosas das  1001 noites de Scherezade? […]






Share Read the rest of this entry »

As histórias passam, as conversas se entrelaçam

  Nunca compartilhei com a ideia de que a história é uma sequência linear de grandes fatos. Não celebro guerras, colonizações, progressos opressores. Gosto de observar certos detalhes, mergulhar nas divergências cotidianas, refletir sobre questões que permanecem firmes apesar das mudanças. Sinto que há muita perplexidade, pouco cuidado com o outro e uma sociabilidade duvidosa. […]






Share Read the rest of this entry »

As verdades e as ruinas nos trapézios da história

A literatura desperta discussões sobre a verdade que redesenham as configurações comuns. Existir  é anunciar conhecimentos que dominem a sociedade e que provoquem sujeições constantes? Na política, os desencontros não param de acontecer. Fica difícil localizar-se e os choques são inevitáveis. Antever um mundo onde a harmonia seja um valor absoluto é um delírio. Na […]






Share Read the rest of this entry »

Identidades diluídas: a cultura da velocidade e do mercado

  A chegada do fim de semana recebe, ainda, saudações. O  anúncio da sexta-feira já altera o ritmo das expectativas. Imagine se houvesse um feriado radicalmente universal com a preguiça se esticando por todas as esquinas. O elogio ao trabalho existe e não é pouco. Há gente que não suporta o prazer de ficar contando […]






Share Read the rest of this entry »

Margareth T., a salvação,o cotidiano, as histórias

Ninguém se impressiona com as velocidades do mundo ou das invenções científicas. Faz-se o registro, mas nada de alardes extraordinários. Aprendemos a conviver com o descartável e a caverna do tempo se torna um espelho de múltiplas formas. Portanto, não vamos criar muros de lamentações. Cada um procura adaptar-se aos ritmos inusitados, dentro de um […]






Share Read the rest of this entry »