Posts Tagged ‘mito’

O jogo da memória: saberes e narrativas

O esquecimento ajuda a deixar dores antigas, mas não há esquecimentos absolutos. A memória joga com entrelaçamentos e surpresas. A linearidade não se firma. As lembranças aparecem e desaparecem. Não sabemos quando elas retornam. Algumas incomodam, outras nos enchem de prazeres. Nosso domínio sobre a vida e suas aventuras é frágil. Temos muitas perguntas, lamentamos […]






Share Read the rest of this entry »

Não se esconda na solidão da sua história

Quando tudo começou devia haver um azul forte no mundo e poucas cores. Deus era confuso esteticamente. A humanidade o fez aprender muita coisa. Seus diálogos com Picasso ajudaram a fundar uma pós-modernidade celeste e leituras de Auster penetraram na sua solidão eterna. Ficou desconfiado, temeu pelo juízo final. Suas criaturas o desafiavam. Não sabia […]






Share Read the rest of this entry »

O mito de Ulisses: a vida não se completa

As agitações contemporâneas nos tiram sossego. É difícil cair na reflexão, dialogar com os deuses, sair de uma solidão que enclausura. Há multidões, espetáculos, vitrines. No entanto, a tecnologia e o consumismo restringem os desafios. Ficamos medrosos. Tudo parece reservar perigos. O mundo vive epidemias de desconfianças. As explorações não se foram e a sabedoria […]






Share Read the rest of this entry »

Os mitos e as histórias das sociedades

  A construção das regras sociais custa tempo. Não há uma harmonia que se estenda e pacifique todos. Na sociedade moderna, a complexidade é grande. Muita gente, objetos, compras e vendas, ambições soltas travam compromissos. Ninguém nega que existem rebeldias. A insatisfação é comum. As vitrines estão armadas para atender desejos. A velocidade tira o […]






Share Read the rest of this entry »

Os mitos circulam na história

Não pense que a história está escrita e nós somos seus atores privilegiados. É bom viajar na imaginação. Talvez, haja outros seres circulando num universo tão repleto de complexidades. As explicações , apenas, amenizam as dúvidas mais radicais. Tudo termina ficando na corda bamba, mesmo que os acadêmicos estimulem verdades e pretensões. Andar pelas travessias […]






Share Read the rest of this entry »

A travessia dos mitos

  Quem desenha o infinito se distrai com o fluxo da melancolia. Não importam as mentiras, nem os espaços do impossível,  a vida se veste de brincadeiras e improvisos, não se desmonta. Quando trituramos os limites e pintamos os gritos do além, o sossego  descansa nos mitos que atravessam os tempos indescritíveis. A história incompleta […]






Share Read the rest of this entry »

A gramática simples do inesperado

A fuga do tempo não mede a história que foi vivida. Cada passo desfaz o ritmo veloz da memória e consolida o esquecimento tardio. A busca do significado maior esvazia o descompasso caótico do disfarce agoniado e a escrita estranha o sumiço das palavras, quando o poeta perde a inquietude que o vigia. A gramática […]






Share Read the rest of this entry »

As dúvidas dialogam com os significados do vivido

Quando Descartes escreveu o famoso Discurso do Método abriu uma reflexão que ganhou espaço quase permanente na história. Estamos nos referindo à cultura ocidental hegemônica. Os paradigmas orientais são outros. Há semelhanças, mas as travessias são diferentes. A expansão da sociedade capitalista aproximou muitas coisas. Hoje, se tornou comum falar-se em globalização. A capacidade de […]






Share Read the rest of this entry »

Dos objetos, sem testemunhas

Há um buraco na lona do circo e um palhaço atropelado pelo riso exilado. A vida permanece costurando o sublime com a nudez do desencanto esfarrapado. Não testemunho nada, nem apago as palavras que não escrevi no abismo. Firo o caminho das origens e dos estranhos atravessados nas sombras. A poesia é o fôlego do […]






Share Read the rest of this entry »

A finitude: espelho, palavras, deuses.

A trágica dissonância das correntes de Prometeu, no asilo dos mitos condenados, arrasta a história para o fundo do abismo. Nem as narrativas, nem as experiências, nem vocabulários. A vida se encerra na desistência dos destinos. Os deuses se assustam e suplicam o fim da onipotência.. A dor é o espelho, a palavra, o registro […]






Share Read the rest of this entry »