Posts Tagged ‘mito’

A finitude: espelho, palavras, deuses.

A trágica dissonância das correntes de Prometeu, no asilo dos mitos condenados, arrasta a história para o fundo do abismo. Nem as narrativas, nem as experiências, nem vocabulários. A vida se encerra na desistência dos destinos. Os deuses se assustam e suplicam o fim da onipotência.. A dor é o espelho, a palavra, o registro […]

Read the rest of this entry »

O caos urbano não é uma ficção, nem um tédio

  A cidade é um mito. O mito tem permanência. Não se  apaga fácil, desafia eternidades. Atravessa séculos. Muitos mitos são, radicalmente, fundantes.  Instituem modelos de comportamentos e histórias de épocas contagiantes. A cidade não está, apenas, localizada nas idas e vindas da modernidade. Ela remonta a tempos antigos, de memórias mágicas e deslumbrantes. Foi comparada […]

Read the rest of this entry »

Narciso e Prometeu, democracia e instabilidade

As mudanças políticas não param de alterar as relações de poder. Elas estão trazendo dúvidas sobre o futuro da democracia, se ela ainda continua exercendo fascínio ou o perigo das ditaduras, ainda, assombra. As instabilidades, na história, provocam inseguranças e nostalgias. Recorde-se do Renascimento, o quanto ele dialogou com o passado greco-romano e, ao mesmo, redefiniu […]

Read the rest of this entry »

As salvações fantasiam as incompletudes

Os mitos não se foram. Costumam mudar suas vestes, festejar outros encontros, mas são indispensáveis. Estamos, sempre, precisando de algo para nos completar. A vida traz sonho do absoluto. Não deixa de celebrá-lo. Cria instituições para conseguir mantê-lo firme nas fantasias humanas. Por mais que se queira exaltar os feitos da tecnologia, a vida corre […]

Read the rest of this entry »

As aventuras e os desconcertos permanentes

Muita gente próxima, ouvindo notícias diferentes e sendo assanhada por propagandas insinuantes, faz a convivência flutuar com surpresas e acontecimentos bizarros. Mortes, violências, malabarismos, com as mais diversas formas, mostram como é difícil controlar os desejos. Quando a medida se desfia, tudo se torna possível. A corda esticada da tensão puxa os sentimentos. Os desatinos aparecem e […]

Read the rest of this entry »

Ulisses e Penélope, Culturas e Mitos

    Navegar na internet. Para onde, quantos minutos, em que site? Qual o nome do oceano de navegação ? Há turbulências, navios e marinheiros atordoados? As sereias sobreviveram aos desenhos tecnológicos? Quem inventou o submarino que atiça a coragem de enfrentar a profundidade? O que Matisse faria  se sua pintura se misturasse com as imaginações […]

Read the rest of this entry »

Ninguém aposta nas certezas de um destino?

Gosto de caminhar. Não como um exercício, com hora de partida e de chegada. Dispenso relógio. Sou um observador, daquele que se prende aos detalhes. Como não dirijo automóvel, circulo por ambientes de andarilho. Presto atenção às conversas, gestos, rostos. A curiosidade é silenciosa, mas atenta e parceira de imaginação. Nada de se retringir ao instantâneo. […]

Read the rest of this entry »

A política faz o jogo, o mito distrai o tempo

O jogo é uma invenção humana de alcance universal. A variedade é imensa. Não precisa de recursos extraordinários para se fazer valer. Algumas pedras, algumas tampas de garrafa, uma bola de meia e assim todos se divertem. Além de tudo, possui um valor pedagógico indiscutível. É uma representação das artimanhas da vida, das idas e […]

Read the rest of this entry »