Posts Tagged ‘modernidade’

O relativismo e as andanças da verdade

    A modernidade  quebrou  tradições seculares. Aquelas hierarquias feudais se foram, para que a sociedade de classes se instalasse e as revoluções se tornassem animadores. Havia expectativas de transformações radicais. Não como há negar que a sociedade passou por mudanças importantes. Cada cultura incorporou valores com possibilidades de viver liberdades e duvidar de preconceitos. […]

Read the rest of this entry »

A história não se acanha e o tempo não para

    Adianta sempre repetir que a história é construção. Não é homogênea, está cheia de ruínas, vive desencontros e surpreende. Acontecem coisas que nos deixam tristes e outras que nos chamam para a alegria. É difícil se equilibrar, ouvir ruídos inoportunos, observar mudanças superficiais, assistir aos golpes dos azares articulados. Desistir e achar que […]

Read the rest of this entry »

Modernidade líquida: identidades soltas

  No mundo acadêmico, há suspiros autoritários. A burocracia oprime, provoca confusões, despreza argumento, inibe o debate. Formam-se regras com ausência de reflexão. Elas significam a qualidade que o pragmatismo e a competição buscam difundir. Há muitos disfarces, porque as teorias nem sempre procuram tocar nas transparências ou na possibilidade de fugir da mesmice. Não […]

Read the rest of this entry »

O moderno e o pós-moderno: a história dividida

  As histórias se parecem e se espalham com suas versões, retomando memória e redefinindo valores. As semelhanças provocam discussões, remetem a divergências sobre a continuidade e a transformação. Existem teorias que são consagrados por autores com  diferentes reflexões. Todas possuem seus adeptos. Alguns pensadores se tornam mitos, ganham espaços na salvação do mundo. É […]

Read the rest of this entry »

As religiões redefinem poderes de convencimento

  Quem anunciou o fim das crenças e a vitória da razão científica? A secularização da cultura prometia espaços amplos para a crítica e a reflexão. Nada de dogmas ou de alienações que provocassem ingenuidades diante das armadilhas da vida. No entanto, é preciso sempre lembrar que o controle sobre as andanças do tempo sofre […]

Read the rest of this entry »

As conversas da solidão na extensão do mundo

Muita gente nos cerca. Caminhamos enfrentando olhares negativos ou indiferentes, mas também ruídos de alegrias e surpresas. O mundo tem muitas pedras e rotas que não se esgotam. Planejar é uma dificuldade. Quando partimos para viver o cotidiano, aparentemente, tão simples, ficarmos perplexos com os desacertos e o inesperado. O dia apresenta-se com novidades incomuns, […]

Read the rest of this entry »

As histórias: as fragmentações que sacodem o mundo

  Dividimos o tempo para melhor entendê-lo. No entanto, há também certo pragmatismo. A complexidade social exige atenção, pois não há como acabar com as lutas políticas. Elas ganham conteúdos estranhos para quem pensava num progresso de uma ordem solidária. O perfume dos cargos é o encanto maior. Falam de prejuízos, de perdas, porém, na […]

Read the rest of this entry »

As guerras sustentam ambições e desacertam mundos

As histórias percorrem tempos, nunca com os mesmos sentidos, mas descrevendo experiências, lançando dúvidas, mendigando certezas. Não podemos viver sem elas. Temos encontros com o tempo. Ele não é um todo homogêneo. Atravessa finitudes e projetos, sem perder de vista que a cultura costura sociabilidades. Há quem pense na serenidade, em significados repetidos e comuns. […]

Read the rest of this entry »

Quem imagina as revoluções e seus projetos?

A modernidade deu um nó nos tempos feudais. Trouxe um projeto renovador que foi se sedimentando, sem desprezar as tradições do passado. Não é possível pensar que tudo saiu da cartola de um mágico aposentado. Os gregos conseguiram reunir experiências que os construtores da modernidade não abandonaram. Houve rompimentos, mas muita coisa permaneceu. Mudam as vestes […]

Read the rest of this entry »

O mundo das máquinas astuciosas

A conversa parece não caber no mundo que tem pressa. Tudo é transformando em códigos de máquinas chamadas de inteligentes. As pessoas se aproximam, fisicamente, mas sem a intenção do toque. As cabeças ficam baixas, pois a atenção se concentra em outros toques. A música vem de dentro dos celulares que incorporaram Bach, Vivaldi, Chico […]

Read the rest of this entry »