Posts Tagged ‘moradias’

Galeano: a saudade desenha moradias

A morte de Galeano marcou sombras e luzes. Perda que nos toca. Ele tinha sensibilidade e compromisso com o humano na sua dimensão poética. Li seus livros com fôlego animado. Nunca faltava emoção e os afetos abraçavam cada palavra. A vida é tão curta, embora  a relatividade do tempo provoque tantos delírios metafísicos. Há uma […]

Read the rest of this entry »

As contabilidades instáveis da solidão

  As operações matemáticas nos acompanham. Falar e contar fazem parte do cotidiano. Quem pode esquecer que os números insistem em sintetizar resultados e buscar eficiências? A complexidade da vida exige símbolos e leituras que se modificam com rapidez.Multidões se entendem com informações precárias. Há sempre dúvidas, mas é preciso que a história ande e […]

Read the rest of this entry »

As moradias da cidade: torres, ruas, exílios

As cidades prometiam liberdades e quebra de tradições. Sacudiam privilégios no lixo, desejando a inauguração de um novo mundo. Muitas celebrações festejam a modernidade. Havia seus teóricos, mas também aqueles que mostravam desconfianças. O feudalismo de desfazia, a nobreza procurava fôlego, o comércio agitava espaços desconhecidos. As cidades multiplicavam-se, anunciavam que os paraísos se espalhavam […]

Read the rest of this entry »

Os lugares das palavras e das travessias

Quem enxugou os brilhos ofuscantes das estrelas, não esqueceu as sombras que vagam pelo mundo. Buscamos travessias que não se completam, mas que não deixam de lembrar a permanência dos limites. Sonhamos com as fadas, as magias, o encanto do paraíso perdido. A história segue conjugando vidas, bordando sentidos. Não bastam as palavras para anunciar […]

Read the rest of this entry »

As cidades imóveis e os paraísos fabricados

Não se espante com o barulho. Ele vai aumentar. O dia está amanhecendo, mas o  movimento é grande. A estratégia de sair da crise oferecendo carros encantou a população. Houve uma corrida ao consumo de um bem ambicionado. Ficou mais fácil  ter o último modelo do ano do que manter o mais velho. Era, antes, um […]

Read the rest of this entry »