Posts Tagged ‘morte’

O inesperado e o trágico flutuam na história

As discussões são intermináveis. Muitos querem dar um sentido para a história, colocá-la no meio de regras, fazendo relações entre causas e consequências. Há quem faça profecias, abrace-se com superstições e apele para divindades supremas. Considero que a história  é  a construção das possibilidades. Observo que o inesperado e o acaso nos deixam perplexos. Mas […]

Read the rest of this entry »

Os sustos da vida, os sustos da morte

O tempo puxa a vida. Não há como se fixar e voltar ao passado. Não faltam lembranças, mas o futuro nos aguarda. Como serão as relações? Há gosto em se envolver com o acaso e deixar fluir o momento como uma batida de asas de um beija-flor? Há formas de controle que nos garantam estabilidade? […]

Read the rest of this entry »

Travessias silenciosas do coração e do mundo

A agitação do mundo não admite meditação. Poucos momentos podem ser contemplados com silêncio, ternuras no olhar, desejos de não correr. Os mandamentos da velocidade são soberanos. As resistências acontecem e os sentimentos não se perdem na homogeneidade. A questão é aprofundar o sentimento pelo outro, acreditar na saudade e achar que vale não ficar […]

Read the rest of this entry »

Millôr: o avesso do avesso da vida quieta

As frases de Millôr têm acidez e ironia. Não se perdem no lugar comum. Marcas registradas sem precisar de burocracia. Curtas e diretas provocam e surpreendem. Millôr nos deixa como um pássaro que voa lembrando que criticar é possível. Não há morte para quem desafia e viaja pelo humano com profundidade. Difícil é escolher o  adjetivo que […]

Read the rest of this entry »

Chico Anysio: os significados da morte e da memória

Chico se foi. Artista, excepcional, é difícil enquadrá-lo em algum modelo. É único e, ao mesmo tempo, múltiplo. Inventou mais de duzentas personagens e viveu com intensidade cada um. Há lembranças selecionadas, de certas figuras, mas vale a criatividade. Seu humor impressionava, tinha um fôlego que se espalhava. O novo fazia parte da sua aventura. Não […]

Read the rest of this entry »

A violência possui muitos nomes e lugares

As utopias nos acodem com sonhos. Imaginar outros mundos é saudável. Pior é não buscar alternativas, ficar na leitura de Maquiavel. Não faltam mudanças na história, mas não dá para negar as permanências. Com tantas informações circulando a vida se enche de solicitações. Temos que ver a TV, passar pela  internet, comprar jornais. Ganhamos o título de cidadão interessado […]

Read the rest of this entry »

Lugares da vida: a fama e a massificação

A morte dos famosos provocam polêmicas. Há quem sofra, sinta proximidades, faça o luto de forma radical. Pode ser, apenas, um comportamento de idolatria, segundo alguns. No entanto, não se deve subestimar o ritmo da emoção do outros. O mundo é vasto. Compreende-se que a complexidade das relações sociais traz eixos diferentes. A medida da dor […]

Read the rest of this entry »

Paul Klee: o afeto roubado e o exílio

                                                                           QUEM ME VIU NUMA CRUZ,                                           DEU-ME UMA ESPADA DE MADEIRA                                           E  UMA ARMADURA DE CRISTAL.    COM A MADEIRA FIZ UM BARCO SEM VELA     E NO CRISTAL DESENHEI UM ROSTO INESQUECÍVEL.                      ERA O EXÍLIO, E  EU NÃO SABIA ONDE NASCER OU MORRER.                            NO TERRITÓRIO DOS QUE NÃO TÊM […]

Read the rest of this entry »

Qual é a medida vaga e errante do humano?

Estique o olhar. Não se apresse. Contemple, com suavidade, a paisagem que julga desafiante. Interrogue-se. Procure construir o conceito de humano, sem abandonar a força do desejo. Não se esconda nas neutralidades ou transições. Esse é o deslocamento da vida. O movimento quebra a apatia, provoca a sede de beber a sorte do mundo.O humano não […]

Read the rest of this entry »

Nós e os outros: sombras e espelhos

                                      Morri muitas vezes. Vivi tantas outras. Há confusão nisso tudo. Parecemos assombrações ou somos apenas sombras de estrelas que se apagaram? Morte e vida não possuem fronteiras claras. O corpo nem sempre é a medida. A vida corre, às vezes, quando o corpo está espreguiçado, sem querer fazer força. Mas , dentro de você, […]

Read the rest of this entry »