Posts Tagged ‘mudanças’

As reações contra o machismo

Há sempre lutas. O conformismo ganha espaço em muitos grupos, mas outros reagem. As mulheres estão numa batalha secular para diminuir a opressão e não deixar que os preconceitos consolidem maldições. É incrível como politicamente os homens ditam as normas. Mesmo com conquistas institucionais, as mulheres perseguem segurança e amplo exercício da cidadania. Há ruídos, […]

Read the rest of this entry »

O verbo ocupar, o substantivo ocupação

              As palavras acompanham as andanças da história. Nem sempre é preciso inventá-las ou mudar sua vida nos dicionários. Ninguém consegue comunicar-se anulando os múltiplos significados que possuem. Os sinais e a mudez podem ser compreendidos a partir de seus malabarismos. Deus não fez o mundo. Ele o disse, […]

Read the rest of this entry »

As travessias instáveis e contemporâneas

Quem desconhece a história, com suas acrobacias, morre louvando as determinações. Existem permanências seculares, mas há sempre espaços para transformações. A história se costura com a multiplicidade, embora existam teorias que procurem exaltar a quietude. Saber a origem de tudo isso é impossível. Muitas lendas e mitos, muitas religiões e filosofias, porém sobram dúvidas e […]

Read the rest of this entry »

Poder, Simulação, Controle, Violência

  Conta-se que tudo surgiu com o pecado original. Houve um descuido de Adão e Eva punido pela força da divindade. Fala-se em perdão, mas parece que o perdão tem espaço restrito . Basta observar a história para registrar que o conflito está presente em todas as épocas. Não são, apenas, as grandes guerras ou […]

Read the rest of this entry »

As histórias passam, as conversas se entrelaçam

  Nunca compartilhei com a ideia de que a história é uma sequência linear de grandes fatos. Não celebro guerras, colonizações, progressos opressores. Gosto de observar certos detalhes, mergulhar nas divergências cotidianas, refletir sobre questões que permanecem firmes apesar das mudanças. Sinto que há muita perplexidade, pouco cuidado com o outro e uma sociabilidade duvidosa. […]

Read the rest of this entry »

A navegação dos sentimentos: os ritmos (des)encontrados

Quem afirma que os sentimentos morreram e proclamam a objetividade total não conseguem ver a vida. Ficam encantados com a acumulação de mercadorias e fazem de tudo um grande negócio. Não querem saber de perdão, nem de nostalgias. Cultivam uma contabilidade mesquinha, habitam nos territórios dos lucros, na expansão dos narcisismos. Não pense que é […]

Read the rest of this entry »

A festa brinca com os limites e as histórias

As brincadeiras aliviam o peso e transformam as regras. Trazem criatividade  e possuem poder de reverter tristezas. A sociedade não as dispensa, com a afirmação de calendários especiais para os encontros coletivos. Muitas vezes, ganham as astúcias do consumo e as hipocrisias de rituais inexpressivos. Mas o Carnaval tem seu lugar gigantesco. Mistura tempos, quebra […]

Read the rest of this entry »

As referências e os rituais, as perdas e as velocidades

Os transportes do tempo não se fazem sem rituais. A sociedade deseja novidades, não dispensa referências. É um problema da complexa pós-modernidade. Há inquietações amplas, porque se busca limites num universo de formas estranhas e efêmeras. Teima-se em contar os dias, refazendo datas e calendários seculares, num oceano de memória saudosa das astúcias de Ulisses. […]

Read the rest of this entry »

O silêncio é ruído: Ulisses e as andanças no facebook

O cotidiano não é tão implacável como dizem. É difícil uma vida plena de surpresas, sem aparecimentos de repetições. Não conheço quem tenha posse de um território onde tudo é novidade e renovação de paraísos. A cultura está cheia de invenções. Precisamos superar os impasses, redesenhar as geometrias, sacudir a poeira de conceitos. As ambivalências […]

Read the rest of this entry »

O mundo das mudanças e das inquietações históricas

Não precisa de muita reflexão para observar que a sociedade não é um todo homogêneo. Há divisões visíveis. As explorações continuam perpetuando-se, buscando justificar e naturalizar práticas dissolventes. Sempre afirmo que não estamos no pior dos mundos. O conformismo convive com a rebeldia, a indiferença com a inquietação. Não é uma constatação dos tempos modernos. […]

Read the rest of this entry »