Posts Tagged ‘mundo’

No meio do mundo: as verdades e as mentiras

Há insistência na busca de verdade, desde o início da história.Existem os contrapontos. Não há uma verdade absoluta, embora muitos cantem o eterno. As suspeitas não desaparecem. As concepções de mundo se transformam de forma veloz, sobretudo no tempo que vivemos. Há dúvidas e subterrâneos  inundados por fantasias. A quantidade de meios de informações cria […]






Share Read the rest of this entry »

Os moradores de rua e a opressão

  Morar. Estamos no mundo, procuramos abrigos, queremos atenção, olhamos os outros. Quando se pensava que as ideias iluministas iriam salvar a sociedade, a miséria continua fazendo vítimas e construindo desencantos. A razão cartesiana não deu conta de estimular as utopias. A desigualdade permanece, a concentração de riquezas não se vai, as indiferenças cortam o […]






Share Read the rest of this entry »

Apocalipse desejado

Há na certeza do azul um horizonte que não magoa, uma história que não tem medo do perdão. Não é possível adivinhar o tamanho da sorte, nem se intrigar com o brilho das estrelas. Os amores cedem quando desmancham sonhos, se esfumaçam quando se fixam num espelho. Não pense na ultima forma do mundo, conte […]






Share Read the rest of this entry »

A literatura: o amor estica o mundo e canta as sereias

    Há muitos excessos no mundo. Os gregos debatiam sobre o equilíbrio. Nada de exageros, a saída é buscar harmonias. Mas na vida tudo concorre para surpresas. Geometrias fixas não existem nem que Platão as idealize. É difícil definir a história, Lamentar as dores, brincar com o inesperado, sacudir as esperanças. Há muito o […]






Share Read the rest of this entry »

O corpo do universo

O corpo cai como uma estrela perdida na dor do universo. As mortes anunciadas decretam o fim de  alguma coisa solta nas emboscadas dos cinismos medonhos e traiçoeiros. Há um desprezo pela história vivida, pela tradição arruinada, o mundo se reparte em incertezas cotidianas e mesquinhas. Trago-me como uma pergunta sem resposta definida, sem acreditar […]






Share Read the rest of this entry »

Quem funda o mundo e a poesia?

Octavio Paz escreve com um fôlego admirável. É o tempo que ele tece ou ele é tecido pelo tempo? Fico deslumbrado. As palavras voam, adormecem, encantam. De onde elas surgem? Estão guardadas no coração do poeta? Sempre desconfiei que o mundo nunca será decifrado. Observo que os mistérios se confundem com as magias. O que […]






Share Read the rest of this entry »

Anjo azul: existências

Há uma anjo azul no telhado da esquina. Sente-se abandonado, busca afeto de um paraíso esquecido. Há pessoas perdidas na avenida central, correm desesperadas com medo dos mendigos. Há criança esfomeado na rua sem saídas, desencontrada com a vida, pede brinquedos. Há amores vazio, celebrados inutilmente, com festas brilhantes no motel decadente. Há mentira montada […]






Share Read the rest of this entry »

Octavio Paz: a palavra é nua

  Num país em que o presidente sofre pressões inusitadas, os políticos são denunciados, o cinismo ganha corpo no cotidiano, a negligência assume lugar de destaque ficamos tontos com os sensacionalismos contínuos. As dificuldades financeiras da imprensa tornam os escândalos o cerne do noticiário. Fermenta-se um jogo infernal de poderes malditos. As controvérsias se multiplicam […]






Share Read the rest of this entry »

A água, o mundo, o vazio

As águas correm fazendo caminhos, e não há certezas de sonhos, mas dúvidas que navegam soltas. O mundo parece viver um delírio fechado, como uma esquizofrenia derrotada e sem fim. A vida não se alimenta, está faminta e sufocada. Cada deus escolhe sua verdade e chora seus desacertos. Há demônios cínicos que se guardam em […]






Share Read the rest of this entry »

Leituras do mundo: Gabriel, Piazzola, Auster, Belchior

A palavra mundo possui uma magia. Busco significados e não encontro. Há mistérios, perplexidades, labirintos. Todo o dia conversamos sobre o mundo. Surgem descobertas, frustrações, expectativas. As mudanças existem, mas não esqueça os disfarces. Soltaram-se as interpretações de todas as cores. O mundo voa, como pássaros agoniados, e descansa, como gigantes pesados. A escrita não […]






Share Read the rest of this entry »