Posts Tagged ‘mundo’

A ressaca do mundo

Ouve o ruído de quem tem ressentimento e se cansa da alegria, carregando o corpo como uma pedra angustiada com a lei da gravidade. Olha as elites soltas, pulando os lixos e abraçando os privilégios, acusando os tropeços das corrupções, invadindo direitos e criando violências. Desconfie de quem se declara sempre prejudicado e tem gosto […]

Read the rest of this entry »

O carnaval: as andanças embriagadas da vida

Os ruídos não se ausentam. O carnaval passa, mas os ouvidos escutam ressonâncias e esperam. A festa do desejo é incansável. Deixa saudades, porque há sinais de que o mundo vai ganhar outro ritmo. O tempo redefine os trabalhos e aumenta os problemas. O carnaval anunciou, para muito, um paraíso. Há uma febre contagiante e […]

Read the rest of this entry »

O mundo freudiano

Desfaça a alegria fabricada e a insensatez dos juízes ensandecidos. Descobra o manto que escondeu o tempo e a vida que se foi para o abismo. O mundo se perde no pequeno caos da arrogância, deixa-se levar pelas formas das mercadorias. Não grite por ninguém,  apague a luz da lâmpada azul e espere os anjos […]

Read the rest of this entry »

Galeano: as lamentações de escritos corajosos

Eduardo Galeano foi um combatente de rara lucidez Seus livros deixaram lições contra a violência e o desgoverno. Não perdeu a beleza nas suas acusações e narrativas. Queria um outro mundo, conhecia o avesso, festejava o abraço. Acabei de ler Vagamundo. Um de seus primeiros escritos publicados. Galeano mostra a amargura de uma sociedade tensa, […]

Read the rest of this entry »

O verbo ocupar, o substantivo ocupação

              As palavras acompanham as andanças da história. Nem sempre é preciso inventá-las ou mudar sua vida nos dicionários. Ninguém consegue comunicar-se anulando os múltiplos significados que possuem. Os sinais e a mudez podem ser compreendidos a partir de seus malabarismos. Deus não fez o mundo. Ele o disse, […]

Read the rest of this entry »

Bauman: a vida se dissolve e desencanta

  O tempo não tem pertencimento. Não há lágrimas que o convença a mudar sua rota. Talvez, nem ele a conheça. Vamos caminhando, de repente um abismo e tudo se finda. Difícil pensar a história, quando a abraça o desejo incontrolável. Morreu Bauman que tinha uma sensatez imensa e criticava o mundo capitalista com intensidade. […]

Read the rest of this entry »

Ressentimentos: a política descosturada e narcísica

Usar a agressividade faz parte da convivência. Há, porém, extremos. Quando o diálogo morre, as palavras se perdem, cegam-se os olhos.  As ruínas continuam insistindo que a política não é uma harmonia. Cria-se um sonho que declina e termina assustando. Pode transformar-se numa violência estéril, anônima, em busca de inventar um medo que paralisa e […]

Read the rest of this entry »

As ocupações: encontros e despedidas

Há, nos labirintos, saídas que se desviam do comum. A sociedade está vivendo uma crise de paradigmas. Tudo se debate. O que é verdade? Para que serve o conhecimento? Como escolher a melhor convivência familiar? A ética se foi e o negócio prevalece? O pragmatismo toma conta das cabeças e dos corações? Por onde andam […]

Read the rest of this entry »

O desengano dos deuses

Quem adormece na eternidade esquece o que criou e se perde num sonho inacabado e destruidor. Não pense que os  deuses se inquietam, mas estão tontos , como se houvessem se descuidado do tempo. Há sinais de que o mundo se apavora e  fecha as portas, há sinais de que os labirintos estão cheios de […]

Read the rest of this entry »

O mundo da lágrima congelada

Quem cantou a música dos deuses foi expulso do paraíso, a ousadia não consegue seduzir a eternidade do perdão. nem definir o tamanho da culpa do pecado original. Quem se esconde na intimidade da paixão inventada, se perde na loucura do poema de palavras curvas, se desenha entre sombras e luzes, imitando um fantasma. A […]

Read the rest of this entry »