Posts Tagged ‘mundo’

Galeano: as lamentações de escritos corajosos

Eduardo Galeano foi um combatente de rara lucidez Seus livros deixaram lições contra a violência e o desgoverno. Não perdeu a beleza nas suas acusações e narrativas. Queria um outro mundo, conhecia o avesso, festejava o abraço. Acabei de ler Vagamundo. Um de seus primeiros escritos publicados. Galeano mostra a amargura de uma sociedade tensa, […]

Read the rest of this entry »

O verbo ocupar, o substantivo ocupação

              As palavras acompanham as andanças da história. Nem sempre é preciso inventá-las ou mudar sua vida nos dicionários. Ninguém consegue comunicar-se anulando os múltiplos significados que possuem. Os sinais e a mudez podem ser compreendidos a partir de seus malabarismos. Deus não fez o mundo. Ele o disse, […]

Read the rest of this entry »

Bauman: a vida se dissolve e desencanta

  O tempo não tem pertencimento. Não há lágrimas que o convença a mudar sua rota. Talvez, nem ele a conheça. Vamos caminhando, de repente um abismo e tudo se finda. Difícil pensar a história, quando a abraça o desejo incontrolável. Morreu Bauman que tinha uma sensatez imensa e criticava o mundo capitalista com intensidade. […]

Read the rest of this entry »

Ressentimentos: a política descosturada e narcísica

Usar a agressividade faz parte da convivência. Há, porém, extremos. Quando o diálogo morre, as palavras se perdem, cegam-se os olhos.  As ruínas continuam insistindo que a política não é uma harmonia. Cria-se um sonho que declina e termina assustando. Pode transformar-se numa violência estéril, anônima, em busca de inventar um medo que paralisa e […]

Read the rest of this entry »

As ocupações: encontros e despedidas

Há, nos labirintos, saídas que se desviam do comum. A sociedade está vivendo uma crise de paradigmas. Tudo se debate. O que é verdade? Para que serve o conhecimento? Como escolher a melhor convivência familiar? A ética se foi e o negócio prevalece? O pragmatismo toma conta das cabeças e dos corações? Por onde andam […]

Read the rest of this entry »

O desengano dos deuses

Quem adormece na eternidade esquece o que criou e se perde num sonho inacabado e destruidor. Não pense que os  deuses se inquietam, mas estão tontos , como se houvessem se descuidado do tempo. Há sinais de que o mundo se apavora e  fecha as portas, há sinais de que os labirintos estão cheios de […]

Read the rest of this entry »

O mundo da lágrima congelada

Quem cantou a música dos deuses foi expulso do paraíso, a ousadia não consegue seduzir a eternidade do perdão. nem definir o tamanho da culpa do pecado original. Quem se esconde na intimidade da paixão inventada, se perde na loucura do poema de palavras curvas, se desenha entre sombras e luzes, imitando um fantasma. A […]

Read the rest of this entry »

O mundo da travessia sem sonho

Há uma história que desiludiu Adão e Eva e  um pecado que persegue todos os homens e todas mulheres. Sinto que cada tempo é uma travessia com vestígios do passado, parece uma repetição disfarçada com armadilhas subjetivas. Visito as páginas das escritas que esqueci de ler, mas vejo um mundo de cores cinzas, chorando seus desencontros. […]

Read the rest of this entry »

Golpe na rua principal

As sombras digitam mensagens confusas e desalinhadas. Veja as trilhas, os ruídos, o de dentro , o de fora,                                                 Falta quem diga não ou desconfie do que está escondido. observe que […]

Read the rest of this entry »

A praça , a vida, a dança

Há um desenho na esquina com cores vermelhas, é um anúncio anônimo de quem se esqueceu d0 mundo. Sentados nos bancos, há sonhos de esfomeados que desconhecem o amanhã. Os cães, perfumados, acompanham seus donos e medem afetos especiais, como se a vida se transformasse sem observar a imagem do que se foi, como se os […]

Read the rest of this entry »