Posts Tagged ‘narrativa’

A nudez das lembranças, o absurdo persistente




Lembranças fragmentadas. Poder-se-ia pensar a vida sem a imaginação das lembranças? Elas se apresentam sempre repartidas, com rapidez, parecendo luzes de relâmpagos? A vida por inteiro é um sonho. Não há como juntar todas as cenas, escrever um enredo monumental e sair buscando as alegrias e apagando os desprezos. Para quem habita no território da […]




Share Read the rest of this entry »

A quem pertencem as histórias e as inquietações?




Não vejo no mundo uma trilha que leve ao sossego.  Penso num instante que traria outro ritmo para respiração. A cultura está cercada de objetos e teorias. Há um desejo, talvez inexplicável, de decifrar a nudez das nossas vidas. Queremos histórias e narrativas que possam nos acudir. A carga das dúvidas é incomensurável. Ela existe […]




Share Read the rest of this entry »

As narrativas curvas dos sentimentos




Não pense que as palavras ganham sentido no acaso dos desenganos. Cada aventura desmedida anuncia que o sentimento não é o mesmo e que o significado tem histórias e tempos que  invadem o aparentemente inerte. Invente gramáticas, desfaça as linhas retas, deite-se nas curvas inesperadas. Há na vida silêncios que se bastam e narram a […]




Share Read the rest of this entry »

Os silêncios fluentes




O silêncio é um registro da vida que se esconde,       não nega, mas deixa a dúvida multiplicar a inquietação.       Há no mal dito, o ressentimento que permanece, a última imagem permanente.       O silêncio escreve outras poéticas, reclama o mistério e o sentimento anômino,       não foge, nem significa o ponto final do […]




Share Read the rest of this entry »

A política das desconfianças e as versões confusas




Vivemos na era das notícias. Elas explodem. Chamam a atenção e atiçam conversas. O problema é saber qual a possibilidade de descobrir as verdades. Será que cabe essa palavra num mundo tão cheio de complexidade? Até  na aplicação da lei não faltam interpretações duplas. Quando se discutem as sentenças surgem desacordos que nos deixam para […]




Share Read the rest of this entry »

Narrativas, vidas , ficções, tempos




A leitura da ficção nos traz imagens que, muitas vezes, não observamos no cotidiano. Sentimos a imaginação solta, divagamos, encontramos como abrir portas, aparentemente, fechadas. Temos a capacidade da invenção. Ela move a cultura. Vamos buscar na memória desencontros que nos ajudam a compreender situações recentes. O tempo passa, porém, o difícil é organizá-lo. A […]




Share Read the rest of this entry »

Os deslocamentos da cidade e a memória descuidada




A cidade é nossa grande moradia. Não podemos deixar que ela se inviabilize. O crescimento da população é constante. Os centros urbanos compõem-se de multidões que agitam o cotidiano. A rua é cenário de acontecimentos diversos e inesperados. Estamos no fluxo contínuo de novidades e de ofertas. Mas as carências não se ausentam. Por detrás […]




Share Read the rest of this entry »

Os movimentos do mundo das saudades




A vida não é a síntese da clareza ou sentidos definidos, a  sua narrativa mergulha em saudades escondidas, mas sonoras. Conta-se a história como se arquitetasse um caminho sem margens, não há fronteiras onde não cabem certezas, onde os desenhos dos desertos parecem infinitos. Os deuses inventaram os homens para sentir fraquezas e desconfianças da […]




Share Read the rest of this entry »

O calendário e as marcações da vida e do tempo




Ninguém nega que o tempo passa. Pode até falar que muita coisa se repete, mas o tempo corre. Há quem acredite em destino, cartas marcadas, bolas de cristal. A corda bamba é uma metáfora que atinge cada cotidiano. Não faltam visões de mundo diferentes. As unanimidades se perdem na complexidade dos mistérios e nas dificuldades […]




Share Read the rest of this entry »

Agnès:as narrativas, as imagens, os fragmentos




Narrar a vida é como compor um filme, uma música, um poema. Tudo se entrelaça, embora existam as distinções. Fragmentos que se aproximam em busca de sentido. É difícil fixá-lo, mas o perseguimos. Criticamos os mitos de origem, desconfiamos dos paraísos, desmontamos utopias. A imaginação não deixa de nos tentar. A objetividade favorece ao consenso. […]




Share Read the rest of this entry »