Posts Tagged ‘narrativa’

Os deslocamentos da cidade e a memória descuidada

A cidade é nossa grande moradia. Não podemos deixar que ela se inviabilize. O crescimento da população é constante. Os centros urbanos compõem-se de multidões que agitam o cotidiano. A rua é cenário de acontecimentos diversos e inesperados. Estamos no fluxo contínuo de novidades e de ofertas. Mas as carências não se ausentam. Por detrás […]

Read the rest of this entry »

Os movimentos do mundo das saudades

A vida não é a síntese da clareza ou sentidos definidos, a  sua narrativa mergulha em saudades escondidas, mas sonoras. Conta-se a história como se arquitetasse um caminho sem margens, não há fronteiras onde não cabem certezas, onde os desenhos dos desertos parecem infinitos. Os deuses inventaram os homens para sentir fraquezas e desconfianças da […]

Read the rest of this entry »

O calendário e as marcações da vida e do tempo

Ninguém nega que o tempo passa. Pode até falar que muita coisa se repete, mas o tempo corre. Há quem acredite em destino, cartas marcadas, bolas de cristal. A corda bamba é uma metáfora que atinge cada cotidiano. Não faltam visões de mundo diferentes. As unanimidades se perdem na complexidade dos mistérios e nas dificuldades […]

Read the rest of this entry »

Agnès:as narrativas, as imagens, os fragmentos

Narrar a vida é como compor um filme, uma música, um poema. Tudo se entrelaça, embora existam as distinções. Fragmentos que se aproximam em busca de sentido. É difícil fixá-lo, mas o perseguimos. Criticamos os mitos de origem, desconfiamos dos paraísos, desmontamos utopias. A imaginação não deixa de nos tentar. A objetividade favorece ao consenso. […]

Read the rest of this entry »

Quem precisa de ídolos para viver?

Ninguém vive numa solidão absoluta. Sem conversa, afeto, trocas não haveria cultura. A história se costura com os contatos, mesmo que tragam divergências e conflitos. Ficamos, muitas vezes, escondidos em algumas questões íntimas, mas o diálogo com o mundo nunca é interrompido. Animais sociais, seguimos nossa trilha acidentada e surpreendente. Amores, ressacas sentimentais, competições e […]

Read the rest of this entry »

As permanências e os sentimentos sobrevivem

O movimento dos sentimentos é histórico. Ele possui seu lugar, seu tempo, suas circunstâncias. O afeto é permanente, mas não se apresenta naturalizado, com ritmos imutáveis. Na permanência há mudanças, relatividades. E não são poucas. O absoluto é um devaneio de quem deseja a onipotência. Ligue-se nas diferenças. Imagine a sociedade francesa da época de Napoleão […]

Read the rest of this entry »

Lula: as narrativas da doença, do medo e da vida

A doença de Lula caiu forte nas armações políticas. Ele se sentiu surpreendido, depois de construir  fama como presidente do Brasil. Parecia que nada atropelaria sua vontade. Estava disposto a viajar pelo mundo, falar das aventuras, ser incansável. Mas a vida provoca com o inesperado. Surgiu o câncer interrompendo os sonhos, exigindo controle, inibindo ousadias. Restava […]

Read the rest of this entry »

Etorre Scola: cinema, história, sensibilidade

  Ettore Scola é um diretor de filmes  instigantes. Italiano, segue a tradição de grande mestres, mas com uma autonomia construída com criatividade. Possui um compromisso com o social, mas sem deixar de lado as histórias pessoais, as intimidades, os sentimentos. Não foge do mundo da imaginação em nome de um realismo estreito. Sabe que a […]

Read the rest of this entry »

Linguagem e palavras abreviadas: perdas afetivas

Não tenho constrangimento em repetir: a maior invenção da cultura é a conversa. É claro que pode haver contatos sem palavras. Elas garantem, porém, a fluência. Já pensou um narrador sem intimidade com os verbos, com dificuldade de exprimir o vivido? Sente-se, nos tempos atuais, uma falta de paciência para esticar os assuntos. Vivemos cultivando informações. Há […]

Read the rest of this entry »

O fluir da escrita e da conversa nos tempos do mundo

                  A conversa é a maior invenção da cultura. Ela traça as texturas das sociabilidades, sem descansar os mistérios que vagam pelo mundo. A conversa não precisa de muito ruídos e nem de multidões para ouvi-la. No canto da cama, meio atravessado pela insônia, a conversa pode inquietar e trazer lembranças. Sozinhos falamos sobre […]

Read the rest of this entry »