Posts Tagged ‘narrativa’

A escrita, o ritmo, a preguiça, o mundo, a solidão

Caetano canta como poucos. Tenho seus discos de várias épocas. Acompanhei sua trajetória, desde os tempos dos festivais de música e da censura feroz dos governos militares. Caetano foi para Inglaterra, liderou o movimento tropicalista, fez e faz composições maravilhosas. É irmão de Maria Betânia. Agora, enquanto escrevo, escuto um disco de 1971, onde há […]

Read the rest of this entry »

A Queda

                                                     Cai o acaso.                  Desconto com a palavra,                  o que a narrativa não nega: o sentido.                  Escondido, confuso, mágico,                  não me interessa o que está além.                  O sentido intertextualiza e me faz                  pensar na impossibilidade da vida,                  sem o outro.                    A queda não é minha, […]

Read the rest of this entry »

Museu da Inocência: Pamuk, narrativas, amores

              Pamuk escreve romances extensos, fascinado pelo toque das palavras e pelo labirinto das tramas. Sua imaginação tem fôlego que nega qualquer medida comum. Lembra um detetive envolvido nos detalhes, disposto a resolver uma investigação, mas sempre formulando questões que se prolongam. Pamuk não se cansa. Enreda-se. Conversa com o mundo, sem aumentar a voz, preferindo […]

Read the rest of this entry »

Memória, desejo, imaginação, narrativa

Memória e desejo se conjugam, desafiando a imaginação. A arte se insere na fabrica da pesquisa de textos, porque não há tempo mortos e sepultados. O historiador (res)significa, se envolve com o eterno retorno. Não deve esquecer-se que os grandes mestres da prosa foram também quase  sempre poetas, quer publicamente, quer apenas em segredo, na […]

Read the rest of this entry »

Os afetos e as palavras: a conjugação da vida solta

Criar polêmicas faz parte do ato de escrever. As palavras comunicam-se com o mundo, mesmo que expressem silêncios permanentes. Equivoca-se quem despreza a escrita, por mais simples e despretensiosa que seja. A cultura não é somente imagens, tão divulgadas pelas invenções tecnológicas recentes. Ler a convivência social é uma grande arte, sobretudo quando fertilizamos conexões. […]

Read the rest of this entry »

A narrativa: Nietzsche, Batman e o historiador

A verdade é curva e o historiador já foi , muitas vezes, chamado de mentiroso. Basta ler os escritos de Nietzsche que, hoje, iluminam as reflexões pós-modernas, inclusive as foucaultianas. A academia é lugar de hierarquias e de regras, onde as especializações se aprofundam e o debate sobre a verdade ganha vastos territórios. Ele existe dentro […]

Read the rest of this entry »

O labirinto e a porta entreaberta da história

Imaginar a história, numa representação arquitetônica, nos traz a configuração do labirinto, com suas sinuosidades e surpresas, suas portas entreabertas, sem chaves ou segredos, mas com paredes de cores diferentes e espelhos com formas inusitadas. Não é à toa que inventamos a geometria e a matemática, os significados e as linguagens. O inesperado é o […]

Read the rest of this entry »

Leituras do mundo, narrativas incompletas

Ler o mundo atrai. Ele possui muitas linguagens. Não dá para codificá-lo com restrições programadas. Surgem acontecimentos, invenções, rebeliões que mudam o cotidiano. Nem sempre percebemos que a sociedade não se aquieta. Privilegiamos olhar os confortos e as burocracias. Há pequenos detalhes que se agigantam e os instantes se conectam com outras configurações. Portanto, nossas […]

Read the rest of this entry »

A felicidade é um pássaro de vidro

Vivemos sob pressão. As contradições desfilam, sem destinos. Temos pressa em resolver as coisas do cotidiano e precisamos de reflexões para enxergar sua obscuridade. Podemos ser punidos pela pressa, atropelados pelas urgências impertinentes. Ficamos divididos. Não faltam teorias sobre as fragmentações da existência. Surgem alternativas de caminhos, mas sobram desvios e placas de sinalização. A modernidade […]

Read the rest of this entry »

A rua é o mundo, o mundo é a vida

Aritana é vendendor de amendoins. Quase toda semana, passa, pela rua, onde moro, com sua ágil carrocinha. É animado e barulhento. Usa músicas de duplo sentido, chamando a atenção da plateia. Faz elogios ao seu produto, com bom humor, e a ajuda de uma fita gravada, na sua caixa de som. Diz que é descendente de […]

Read the rest of this entry »