Posts Tagged ‘Nietzsche’

Nietzsche: os valores apodrecem

  O mundo globalizado não consegue se livrar das crises constantes e profundas. Não há alternativas para cessar a corrupção e a violência. Elas aparecem e tumultuam. Se a perplexidade se amplia, há também esquecimentos importantes. Nietzsche, no século XIX, fez críticas ao mundo ocidental. Mostrou o apodrecimento dos valores e a falta de transformação […]

Read the rest of this entry »

Quem se lembra do século XIX?

Não crie hierarquias temporais. A ideia do progresso é perigosa. Observe as diferenças, mas não se sacuda nas ideologias desenvolvimentistas. Há muitas traições nas teorias que marcam políticas dominantes. Sei que a desconfiança corrói. Não caia, no entanto, na ingenuidade. Abra os olhos. A história entrelaça tempos, se mostra complexa. Não fique encantado com as […]

Read the rest of this entry »

Conversas com Nietzsche

Há um fantasma estático atrás do meu corpo, perguntando sobre o destino de Nietzsche. perplexo com as suas profecias radicais. Vejo sombras inquietas com o anúncio da morte de deus e o eterno retorno das das culpas vadias e opressoras. Não há amores nos desencantos tardios e nômades, mas uma desconfiança permanente nas sombras do […]

Read the rest of this entry »

Marx, Nietzsche, Freud: os tempos dialogam

Rejeitar pode ser um erro. Os tempos dialogam. É fundamental observar a renovação do que fica. Não perder de vista a crítica, ela ajuda a esclarecer a complexidade do contemporâneo. Ninguém parte do nada, há entrelaçamentos visíveis. Nem tudo pode ser radicalmente decifrado. Hábitos antigos se repetem e violências tiranas acontecem nas mais sofisticadas cidades. […]

Read the rest of this entry »

Deus, Nietzsche e a magia

  Contam que existia um Deus mágico, solitário, que morava num deserto sem fronteira. Da areia vermelha criou o homem e da costela do homem, a mulher.Não lhes deu permissão para que levitassem. Criou também as leis, a culpa, o pecado e a simulação do perdão. Muitos séculos, depois, transformou tudo que havia no mundo […]

Read the rest of this entry »

Nietzsche: o apodrecimento dos valores

A palavra crise tornou-se comum. Seria difícil, porém, pensar uma sociedade sem tensões. O ritmo tem suas variações. O mundo está contaminado por explorações e violências cotidianas. É fundamental não desprezar o passado. É possível localizar tantas guerras, tantas disputas políticas, tantas hierarquias sufocantes. Observar a profundidade da crise ajuda a solucioná-la. Nem sempre há […]

Read the rest of this entry »

Quem se lembra das dores de Nietzsche?

O século XIX viveu debates intensos. A burguesia buscava consolidar-se, o capitalismo expandia-se e as ciências  localizam-se. Poderia ser a consagração  dos valores da modernidade? Seria o esclarecimento dos mistérios que facilitariam os diálogos? A heterogeneidade era visível. o relativo era como menino vadio que ria dos que se iludiam com o absoluto. Lá estavam […]

Read the rest of this entry »

O eu e as curvas da vida: Freud e Nietzsche

  Observo um movimento geral, globalizado, assimétrico. Procuro localizar-me, saber em que território piso, mas tenho dificuldade.  Traço referências, não adapto a novidades vazias, nem me deslumbro com as vitrines descartáveis. Um olhar no passado ajuda a conhecer os tempos. As uniformidades não existem. Há sempre debates, devaneios, desencontros.  A cultura constrói aprendizagens constantes. Resta […]

Read the rest of this entry »

Nietzsche e as inquietações da história

Nunca faltarão análises polêmicas sobre a história. As incertezas e as instabilidades são tantas que fica difícil ficar distante da perplexidade e acomodar-se em berço esplêndido. Optar pela ausência e apatia é anular-se, destruir-se como sujeito que referenda a autonomia.Tudo isso movimenta a cultura, mas também justifica poderes e produz privilégios. Os interesses mudam de […]

Read the rest of this entry »

Alice e Nietzsche: as histórias soltas

Alice se perdeu e se encontrou no país das maravilhas. Quem desconhece a fantasia está na beira do abismo. Alice estava certa. Conversa, surpreende-se, arrisca-se. O mundo está desencantado, porque a mesmice consegue se alastrar pelos esquinas. As sutilezas são perigosas, enganam e aliciam. A capacidade de inventar é imensa dentro da cultura contemporânea.Talvez, a […]

Read the rest of this entry »