Posts Tagged ‘objetos’

Para que serve a história?

Nunca deixaram de perguntar-me se a história tem alguma serventia. Nem todos aprendem com a história, nem querem escutar ou testemunhar as aventuras dos outros. O silêncio é uma escolha e entrar no meio dos incômodos alheios traz dúvidas. Apelamos para a sorte ou inventamos que existem destinos. Não acredito em cores definitivas. Observo que […]

Read the rest of this entry »

As portas do mundo, a ocupação da história

Entro e saio. Tropeço nos objetos e me vejo cercado de lixo por todos os lados. Será que era preciso inventar tanta coisa? Sempre me pergunto se há saídas. Ando pelas ruas e tenho impressão que os lugares são os mesmos. A especulação imobiliária propaga a mesmice. Engana. Muitos acreditam está próximos do paraíso. Tudo […]

Read the rest of this entry »

A literatura: memória dos objetos, sinais do destino

A cultura atribui significados às ações humanas. Há muita coisa no mundo que necessita de uma leitura para articulá-las a particularidades pouco conhecidas. Não podemos ficar indiferentes a quantidade de objetos que aparecem na vida. O crescimento da tecnologia nos acena para a complexidade. Não basta  olhar em direção às invenções modernas. Tudo tem uma forma descartável. […]

Read the rest of this entry »

Os arquivos da vida, os arquivos das histórias

O tempo me carrega. Não preciso olhar para os lados, nem ouvir o tique-taque daquele velho relógio da casa dos meus avós maternos. Ele ficou na  memória. Lembra as noites de insônia. Morria de medo de assombrações. Ficava aceso. Dormia quando a madrugada chegava , cansado de tanto imaginar. Quem sabe se não estava criando fantasmas […]

Read the rest of this entry »

O paraíso mora na cadeira de balanço

Gosto de observar as coisas. Ganho horas, contemplando objetos e imaginando situações. É uma meditação, sem regras ou anseios religiosos. Um estar-no-mundo, sem metafísicas, mas com a empatia estimulando o pulsar da vida. Não bastam ruídos, para as transformações ocorrerem e os sentimentos movimentarem-se. Há interioridades que fervem e objetividades frias. Escravizar-se, com as determinações […]

Read the rest of this entry »