Posts Tagged ‘Octavio Paz’

Quem funda o mundo e a poesia?

Octavio Paz escreve com um fôlego admirável. É o tempo que ele tece ou ele é tecido pelo tempo? Fico deslumbrado. As palavras voam, adormecem, encantam. De onde elas surgem? Estão guardadas no coração do poeta? Sempre desconfiei que o mundo nunca será decifrado. Observo que os mistérios se confundem com as magias. O que […]






Share Read the rest of this entry »

Octavio Paz: a palavra é nua

  Num país em que o presidente sofre pressões inusitadas, os políticos são denunciados, o cinismo ganha corpo no cotidiano, a negligência assume lugar de destaque ficamos tontos com os sensacionalismos contínuos. As dificuldades financeiras da imprensa tornam os escândalos o cerne do noticiário. Fermenta-se um jogo infernal de poderes malditos. As controvérsias se multiplicam […]






Share Read the rest of this entry »

Octavio Paz: os labirintos da solidão nas sustentações da vida

Octavio Paz escreveu um belo livro chamado O Labirinto da Solidão. Paz é um dos mágicos da literatura. Tem uma intimidade com as palavras, cria com facilidade e mostra cuidado com a história. Seu livro, ainda, traz debates importantes sobre o México e a modernidade. Ele apresenta suas nostalgias, mas não se desfaz das ambiguidades […]






Share Read the rest of this entry »

Lapidar a solidão, multiplicar os cristais, estender-se

O sentimento de solidão, nostalgia de um corpo do qual fomos arrancados, é nostalgia de espaço. Segundo uma concepção muita antiga, em quase todos os povos, esse espaço não é outro que o centro do mundo, o umbigo do universo. Octavio Paz  tem uma escritura que consegue tecer diálogos inesperados. Paz não vacila, evitando regras para […]






Share Read the rest of this entry »

As conversas da solidão num mundo do ruído

Falar da solidão, num mundo massificado, parece despropósito. Não há paradoxo, nem tampouco melancolia em afirmar que o estar só acompanha a vida. O mundo está cheio de gente. O encontro com os outros é constante. Não devemos, no entanto, confundir a quantidade com a sutileza. Pessoas juntas, multidões ruidosas, avenidas barulhentas não confirmam que as vozes […]






Share Read the rest of this entry »

No meio das histórias e das palavras

Estou no meio da história. Quem não está? O calor é imenso. Entorpece. A tela do computador lembra papéis pendurados na máquina de escrever. É desafio constante, um deserto que brilha. As imagens nos cercam e as palavras se  encurralam. No entanto, não prolonguemos essa situação. Ultrapassemos as travessias acadêmicas sobre o significado e o […]






Share Read the rest of this entry »