Posts Tagged ‘ousadia’

Poema da luta e das noites de Scherezade

      Não  há uma ternura  que corteje a violência sem vacilar, ela vive acidentes, perde-se no meio  de acasos, desconsola-se. Quem conta a história não navega num único oceano, mas não apaga  a tempestade, nem se espreguiça na calmaria. O ruído da solidariedade está desenhado em todas as paredes inquietas, não é som, […]

Read the rest of this entry »

Não desconte a sua história, abandone seu pecado

  Se é preciso contar sua história, não se envergonhe, Há  também maneiras de se esconder e fugir do que acontece. A história está cercada de mistérios, Isso não justifica mistificações, nem aproveitamento de tecnologias de sedução. O poder não se solta da coerção. A violência está globalizada. No entanto, a história não constrói um […]

Read the rest of this entry »

O mundo da solidão e do espetáculo

Não faltam cores. Há invenções constantes de formas. É difícil fazer a leitura do mundo que se moldura, velozmente, no cotidiano. Os isolamentos acontecem no meio de multidões histéricas. Grita-se, o ruído polui conversas e as pessoas andam com se estivessem participando de uma corrida. Sobra tempo para refletir ou observar as diferenças? Quando tudo […]

Read the rest of this entry »

O mundo da lágrima congelada

Quem cantou a música dos deuses foi expulso do paraíso, a ousadia não consegue seduzir a eternidade do perdão. nem definir o tamanho da culpa do pecado original. Quem se esconde na intimidade da paixão inventada, se perde na loucura do poema de palavras curvas, se desenha entre sombras e luzes, imitando um fantasma. A […]

Read the rest of this entry »

As rebeldias e as ocupações: leituras e ousadias

A sociedade se move, porque é preciso refletir e não se intimidar com o cotidiano. Os exageros do consumo, as ambições imobiliárias, as vaidades intelectuais, as ingenuidades solitárias fazem parte da história. Não dá para construir um divisão fixa e apostar numa uniformidade produtora de harmonias. O mundo não se cansa de multiplicar relações e […]

Read the rest of this entry »