Posts Tagged ‘palavra’

O fogo da palavra




a palavra cerca a vida e o corpo nega que tudo tenha apenas um significado. poderia multiplicar as cores e os traços mas nada termina a vastidão da palavra. quem inventou o mundo sabe que a eternidade é uma abstração divina e a palavra seu encanto indefinido. o fogo do mundo se encerra no último […]




Share Read the rest of this entry »

Quem conhece o vandalismo, o desengano, as lágrimas?




  Na sociedade do espetáculo, a moda possui um lugar especial. Ela ocupa todos os espaços e fascina quem quer se destacar. Está entrelaçada com as inaugurações e as novidades. Move-se com rapidez. Adora uma mídia e uma rede social. Mas também provoca escândalos e discórdias. Invade, ocupa, distrai, chateia, exibe-se. Atinge todos os grupos […]




Share Read the rest of this entry »

Escândalos fugidios




Não compartilho os vestígios dos amores fugidios, o espaço da dor nunca deve ser cortejado e animado. Recriar a vida não é silenciar o ruído e a queixa do que se foi, cada tempo sobe escadas assombradas se livrando dos sustos. Acendo a luz que não faz desparecer as sombras da passado, sou testemunho dos […]




Share Read the rest of this entry »

AFETIVIDADE




Ame o sentimento do inacabado e a tristeza fugidia. Firme-se na aventura que não foi vivida. Esqueça o desejo de exercer o cinismo. Tema o golpe construído na madrugada do pesadelo. Invente a cor que proteja os pássaros inquietos. Viva o tempo despreocupado com a eternidade vadia. Instale uma luz no barco da fuga inesperada. […]




Share Read the rest of this entry »

As escritas, as palavras, os significados




o espaço da palavra não mede a exatidão, nem a certeza do existir, cada sinal inventado cuida da vida que se estraga com o tempo. o desejo é sombrio quando desiste do presente e afunda-se em nostalgias permanentes. o espaço da palavra denuncia ruínas e alicia juízos finais, não é inquieta como a estrela exilada. […]




Share Read the rest of this entry »

Cada tempo, cada palavra, cada amor




  O verso não dito está perdido na origem indecifrável, não acredite, então, na palavra única e acabada. Há o tempo que é síntese mínima e profunda , aproximando as medidas desfiadas que pareciam distantes. Há a complexidade do desenho labiríntico e fantasioso, determinando a teimosia de caminhos inesperados. Nunca desistir e resistir no colo […]




Share Read the rest of this entry »

O fascínio do inesperado




Quem inventou a vida permanece invisível. Não faltam perguntas. Será que há uma eternidade escondida ou a morte está escrita no diário da cada vida? O mundo se modifica, ninguém duvida. No entanto, há sentimentos que retornam, há formas que se repetem, há desejos que navegam em nostalgias perenes. Sempre digo que escrever é uma […]




Share Read the rest of this entry »

As incertezas e as estrelas




Quem se cansa da travessia do mundo, desiste de enfrentar a complexidade, se esconde. Não há certeza definida, o tempo é veloz, não desiste do escândalo e do desconhecido. Não revele sua agonia em qualquer esquina, não desperdice o abraço desesperado. Somos o que traçamos desenhos sem querer determinar juízo ou profecias, a vida não […]




Share Read the rest of this entry »

As imagens e os sentimentos




As imagens nos espelhos fixam olhares infinitos. É impossível ter a medida das saudades e envolver sentimentos soltos. Há impossibilidades que sustentam os anseios das eternidades tardias. Não se preocupe com as permanências, a vida não tem regras limitadas. Tudo poderia se vestir com o azul e a loucura voar como um pássaro. Os tempos […]




Share Read the rest of this entry »

A esquina e a vida




Deixei o encanto na última esquina da rua principal, e olhei as figuras apressadas do efêmero vagabundo. Cortei da memória a arte de se desfazer da solidão. Há coisas que conto, há coisa que perco. As palavras estão aqui divididas, mas só o espelho não garante a imagem do desejo tardio. Deixei a saudade, queria […]




Share Read the rest of this entry »