Posts Tagged ‘palavras’

Quem funda o mundo e a poesia?

Octavio Paz escreve com um fôlego admirável. É o tempo que ele tece ou ele é tecido pelo tempo? Fico deslumbrado. As palavras voam, adormecem, encantam. De onde elas surgem? Estão guardadas no coração do poeta? Sempre desconfiei que o mundo nunca será decifrado. Observo que os mistérios se confundem com as magias. O que […]






Share Read the rest of this entry »

Descole-se: os anjos usam motos velozes

Confiar nas utopias se tornou uma crença, pois os lutadores estão caindo na lona. Proclamaram-se revoluções, refizeram-se liberdades, esconderam-se violências. A chave da porta principal está perdida. A sociedade aumenta sua população sem encontrar regências harmoniosas para sua administração. Sacudiram os sentimentos no ar, em nome de razões ditas esclarecedoras. Os sistemas se implantaram buscando […]






Share Read the rest of this entry »

Octavio Paz: a palavra é nua

  Num país em que o presidente sofre pressões inusitadas, os políticos são denunciados, o cinismo ganha corpo no cotidiano, a negligência assume lugar de destaque ficamos tontos com os sensacionalismos contínuos. As dificuldades financeiras da imprensa tornam os escândalos o cerne do noticiário. Fermenta-se um jogo infernal de poderes malditos. As controvérsias se multiplicam […]






Share Read the rest of this entry »

A história e astúcia

Conte as pedras da história sem sentir o peso, como se fossem metáforas transcendentais e agudas. Não acredite no deus que não dança, nem na sereia que não seduz. Mergulhe no mar da aventura numa embarcação velha, e compare-se com Ulisses inventando astúcias e risos. Não seja objetivo, dispense os gênios da academia e procure […]






Share Read the rest of this entry »

O verbo ocupar, o substantivo ocupação

              As palavras acompanham as andanças da história. Nem sempre é preciso inventá-las ou mudar sua vida nos dicionários. Ninguém consegue comunicar-se anulando os múltiplos significados que possuem. Os sinais e a mudez podem ser compreendidos a partir de seus malabarismos. Deus não fez o mundo. Ele o disse, […]






Share Read the rest of this entry »

Kundera, a estética,o mundo: ” a vida não está em seu lugar”

Havia muitas previsões sobre o futuro, depois que a ciência ganhou espaços. Falava-se num progresso com ordem e felicidade. Voltaríamos ao paraíso sem pecado. Comeríamos tudo , sem regras, sem opressões. Somos poderosos, diziam os mais entusiastas. Nem tudo aconteceu com se previa e as relações estão tensas. Será que deixaremos de ser animais sociais? […]






Share Read the rest of this entry »

Estou por aqui

Pergunto ao tempo o que me incomoda, não me interesso pela resposta, nem me sinto contemplado. Observo que a agonia da incompletude cria  a cultura, e que há regras que levarão depois ao desatino. Desestabeleço medidas e apago fingimentos, com firmeza, nada mais cruel do que um espelho sem moldura mínima. Visito a moradia das […]






Share Read the rest of this entry »

O ser ou não ser

Picasso não era Picasso. O azul não era azul. O encanto não era o encanto. O tormento assaltava o mundo, o engano se fazia soberano. Contava com as palavras, queria entrar nos labirintos e viver os desenhos do infinto. Não havia traços, nem horizontes quem se foram com os amantes perdidos nas esquinas. Desfiz o […]






Share Read the rest of this entry »

O mundo de Mia Couto: encantos

Já escrevi muitos textos sobre Mia. Li seus livros com muita paixão. Seus escritos conversam com as palavras com uma intimidade emocionante. O mundo precisa de pessoas que sintam o afeto. O excesso de jogos de poder cansam e trazem discordâncias constantes. Quando surge alguém que toca na generosidade a celebração deve ser feita. Portanto, […]






Share Read the rest of this entry »

O mundo das pedras sem sossego

As inquietudes são, muitas vezes, provocadas por fantasias que parecem ingênuas. Mas quem pode viver sem fantasias? O mundo sem sossego é o mundo de sempre, embora as diferenças existam e componham a história. Não precisa ir ao passado distante, nem se apoiar nas energias de espantos, para compreender que o movimento é constante. As […]






Share Read the rest of this entry »