Posts Tagged ‘paraíso’

Nas ondas de paraísos descartáveis e de neuroses cotidianas

  Há reflexões que tentam salvar os chamados dos capitais e das maldades perenes. Os iluministas pensaram em salvações racionalistas. Não deram certo. Conhecer não significa necessariamente  fixar compromisso. Quem não sabe que existem abandono e exploração? Sempre surge alguém que justifica perdas e admite o discurso da servidão voluntária. Não só as religiões preparam […]

Read the rest of this entry »

As incertezas e as estrelas

Quem se cansa da travessia do mundo, desiste de enfrentar a complexidade, se esconde. Não há certeza definida, o tempo é veloz, não desiste do escândalo e do desconhecido. Não revele sua agonia em qualquer esquina, não desperdice o abraço desesperado. Somos o que traçamos desenhos sem querer determinar juízo ou profecias, a vida não […]

Read the rest of this entry »

Travessias do avesso e do exílio

Desenhei a estrada que contava todas as histórias distraidamente, parecendo estar no paraíso que só existiu para encantar a serpente. Havia pedras, cinzas, lágrimas, duendes, curvas e árvores arruinadas. Não pensei que as perdas pesavam e tinham encontro com destinos absurdos, nem busquei sombras para minhas aflições flutuantes e inexplicáveis. Fiz da estrada uma travessia […]

Read the rest of this entry »

Na busca incessante do paraíso e da rebeldia

Os sinais de pessimismo estão sempre retornando. Não se podem esconder tantas ambiguidades. É cansativo, mas não adianta ficar flutuando onde as nuvens pesadas formam tempestades. Quem conhece a história não deve abandonar, contudo, o ânimo e consolidar as energias negativas. Os conflitos são visíveis. Dialogar com o passado não desfaz as expectativas, já afirmadas […]

Read the rest of this entry »

Desobedeço, logo existo (?)

As histórias sobre as origens da humanidade têm amplo destaques na imaginação. A curiosidade é costumeira, mesmo que se aceite a divindade. Tudo é muito diverso, o mundo se espalha, as divergências não se extinguem e a sociedade continua na corda bamba. Os tempos modernos trouxeram aproximações, encontros estreitos entre as culturas. Os oceanos perderam […]

Read the rest of this entry »

O avesso do cosmo

                                                       Queria ser um pássaro sem asas,                              para que o desejo da terra seja o desejo do céu:                              desarquitetar a eternidade vã que amargura a doçura do                             cosmos.

Read the rest of this entry »

O reencantamento e os destinos pós-modernos

  As vulgatas judaico-cristãs e hegeliano-marxista baseavam sua espera parasidíaca na denegação desta “vida-aqui” em relação a uma ” vida-lá”, que seria melhor e estaria livre de toda vicissitude. A tensão dramática para uma outra vida é que lhes serve de motor. A reflexão, acima, de Michel Maffesoli encontra-se no seu livro O instante é […]

Read the rest of this entry »

O paraíso mora na cadeira de balanço

Gosto de observar as coisas. Ganho horas, contemplando objetos e imaginando situações. É uma meditação, sem regras ou anseios religiosos. Um estar-no-mundo, sem metafísicas, mas com a empatia estimulando o pulsar da vida. Não bastam ruídos, para as transformações ocorrerem e os sentimentos movimentarem-se. Há interioridades que fervem e objetividades frias. Escravizar-se, com as determinações […]

Read the rest of this entry »

As histórias dos outros, os paraísos sem Adão

Olhar-se, no espelho, é um hábito. Ele se repete, inconscientemente. Nem todos dão importância ao seu valor. Esquecem que é um ritual da vida. Muitos desconhecem o mito de Narciso. Outros se demoram, admirando suas imagens e advinhando os traços dos seus destinos. Acontecem reações diversas, mas, nas cidades modernas, os espelhos possuem poder e determinam […]

Read the rest of this entry »