Posts Tagged ‘passado’

O jogo da memória: saberes e narrativas

O esquecimento ajuda a deixar dores antigas, mas não há esquecimentos absolutos. A memória joga com entrelaçamentos e surpresas. A linearidade não se firma. As lembranças aparecem e desaparecem. Não sabemos quando elas retornam. Algumas incomodam, outras nos enchem de prazeres. Nosso domínio sobre a vida e suas aventuras é frágil. Temos muitas perguntas, lamentamos […]






Share Read the rest of this entry »

O espetáculo amplia as controvérsias

Os divertimentos assanham a sociedade. Ela precisa esquecer seu cotidiano e buscar distrações. O trabalho para ganhar dinheiro é duro. A maioria sofre, pega ônibus, ouve insultos, sente tensões, tem medo de assaltos. O cansaço é avassalador. A televisão atua como um paliativo. Tudo se inventa para convencer os espectadores. É a quebra do acontecimento […]






Share Read the rest of this entry »

A Grécia e a Europa: as astúcias das memórias

Quem coloniza não está livre de viver a desigualdade e se sentir perdido no labirinto. A história não se cansa de produzir instabilidades e o tempo não tem programação fixa. Os anos passam, os séculos atravessam caminhos imensos e a intensidade da cultura produz profecias e crenças. A Europa já foi senhora do mundo, inventou […]






Share Read the rest of this entry »

Conversas freudianas e nostálgicas

Freud viveu tempos de muitas contestações. Não ficou ausente das polêmicas. Procurou, com suas observações, redefinir valores. Outros conhecimentos sobre o fazer humano que abalaram tradições. O século XIX foi inquieto. Marx e Darwin contribuíram também para questionar verdades e modificar concepções de mundo. Não podemos esquecer Nietzsche e tantos outros que propuseram novos olhares […]






Share Read the rest of this entry »

As redes sociais : afetos e projetos

As formas de agir politicamente vão se modificando. Não cessam as inquietações, apesar de todos os mecanismos de manipulação usados para manter a ordem. Não se  fala em grandes revoluções, mas as insatisfações estão sempre crescendo. Há um pragmatismo que envolve a todos. Quem protesta busca melhoria de vida, reclama dos salários, quer uma cidade […]






Share Read the rest of this entry »

As impaciências e os sentimentos de cada dia

  Nunca me conformei com a ideia de que a história é um lugar de transformações. Tenho dúvidas. Não nego que há mudanças, mas as permanências aparecem de forma marcante. Analisamos as moradias dos tempos dos sumérios, vemos as igrejas medievais, contemplamos o poder de arquiteturas que se espalham pela cultura. Nem todos podem morar […]






Share Read the rest of this entry »

Convivências: conversas, redes, afetos

Quem se lembra do telefone e suas longas chamadas deve ficar perplexo com os e-mails e as comunicações recentes. Há uma pressa e uma síntese constante. Ficamos contemplando palavras e, muitas vezes, sem compreendemos os sentidos colocados. Uso as redes sociais, frequento facebook, mas não nego que gosto da conversa pessoal. Nada como olhar nos […]






Share Read the rest of this entry »

A contemplação do tempo e a incompletude das despedidas

O corpo silencia, esconde-se dos outros corpos, mas não consegue fugir das marcas do tempo. São sinais, significados, envolvimentos. O passado tem múltiplas representações. Não podemos captá-las como queríamos. Construímos as lembranças sem linearidades. Há afetos que parecem desaparecidos e retornam para firmar suas despedidas. É difícil a hermenêuticas dos sentimentos, conjugar verbos envelhecidos e […]






Share Read the rest of this entry »

As histórias dançam ritmos diferentes

Juntar os acontecimentos e construir um livro: será essa a missão do historiador? Os acervos estão mais organizados, existe uma maior abertura para pensar os temas e alguns admitem que a imaginação seja indispensável para se mergulhar nas águas do passado. Muitas mudanças surgem, além da presença marcante da tecnologia na pesquisa cotidiana. Problemas de […]






Share Read the rest of this entry »

Memórias, tradições, (des)continuidades

O conhecido e o vivido estão presentes. Sofreram desgastes, redesenharam máscaras, mas surpreendem e não se renderam ao esquecimento. Não se imobilizaram, fluem com a história. Quando há a renovação dos paradigmas o passado não se ausenta. Partir do zero é uma fantasia. Existem confusões, descontroles, mas até a famosa criação lendária do mundo tem […]






Share Read the rest of this entry »