Posts Tagged ‘Paul Auster’

Paul Auster: os acasos da história

  O mundo ferve. Não sei quem escreveu o enredo de tanto desencontro. Parece que as tecnologias não conseguem salvar os desgovernos. As notícias nos deixam perplexos. Acontecem coisas que já deveriam ter sumido da convivência social. A história é mesmo uma trilha de incompletudes. Voltam crueldades, violências gratuitas, políticas lotéricas. O futuro é uma […]

Read the rest of this entry »

Memórias: reencontros com os tempos da vida

Memória: o espaço em que uma coisa acontece pela segunda vez. Essa afirmação do escritor Paul Auster, no seu instigante livro A Invenção da Solidão, sempre me acompanhou. Há muitos debates, entre os historiadores, sobre os significados do passado. Desde as primeiras pesquisas, surgem as perguntas sobre o que fazer com tantas aventuras e desencontros. […]

Read the rest of this entry »

As intimidades da escrita, as conversas da imaginação

A solidão é tema recorrente. Mesmo no meio das sociabilidades, temos aquela necessidade de procurar o silêncio e cultivar os esconderijos. Nem por isso, o mundo se acaba e os desejos fogem do coração. A solidão é relativa, possui timidez e ritmo, não apaga lembranças e desperta imaginações escondidas. Quem gosta de escrever sabe disso. Juntar palavras, […]

Read the rest of this entry »

Os acasos e as necessidades nas histórias vividas

Sempre me pergunto se tudo possui um sentido. Custo a acreditar num acaso extenso e dominador. Não haveria, então, como falar em fundamentos. A prevalência do mistério acompanharia a vida. Talvez, tudo fosse um grande jogo, programado por um astucioso engenheiro eterno e vigilante. Pode ser? Mas  se as religiões estiverem com as verdades? Se […]

Read the rest of this entry »

As tensões não se apagam e firmam medos

Boas lembranças trazem as utopias. Melhor ainda as certezas de que o progresso avançaria e desfaria as desigualdades sociais. As garantias se enfraqueceram, diante dos desacertos contínuos, e a dúvida inibe até os sonhos mais tímidos. Descartes consultaria um psicanalista, delirando com a extensão das ambiguidades. Quem sabe se não se tornaria um viajante articulado, no desenho do […]

Read the rest of this entry »