Posts Tagged ‘perdas’

Anjo azul: existências

Há uma anjo azul no telhado da esquina. Sente-se abandonado, busca afeto de um paraíso esquecido. Há pessoas perdidas na avenida central, correm desesperadas com medo dos mendigos. Há criança esfomeado na rua sem saídas, desencontrada com a vida, pede brinquedos. Há amores vazio, celebrados inutilmente, com festas brilhantes no motel decadente. Há mentira montada […]






Share Read the rest of this entry »

Repartir a vida( para Luís)

Repartir a vida na travessia do inesperado, desfaz as amarguras e as suspeitas das dúvidas. Não há encantos em sentimentos disfarçados, as perdas nos deixam alucinados em busca da certeza. As luzes não estão  acesas e a escuridão nos mete medo. Há um desejo que a saudade invente outro tempo e cada passo recomponha futuros […]






Share Read the rest of this entry »

A política de todos os oceanos

Não se podia esperar travessias menos amargas. Tudo está muito confuso, complexidades inesperadas.Há surpresas que atormentam. Não temos condições de votar pelos outros. Seria um caos. A política é uma escolha com objetividades precárias. Nem sempre a lucidez ganha espaço, os ressentimentos viajam pelos corações. A sociedade é território da diversidade. É lamentável que Dória […]






Share Read the rest of this entry »

A crise ampliada: o medo das perdas

O debate político continua estimulando denúncias, sem apresentar alternativas para movimentar a economia e sair do abismo. O poder atrai e concentra energias que conservam desigualdades. As tensões são grandes, depois do mito do cartão de crédito e dos gastos excessivos que incentivaram visões do paraíso. O capitalismo se reinventa, mudando práticas, expandindo ilusões, mas […]






Share Read the rest of this entry »

Contando as histórias: perdas e desfazeres

Contar a história é sempre um forma de evitar esquecimentos. Não significa que tudo pode ser lembrado, que podemos fazer um catálogo definitivo dos acontecimentos. Sabemos das ambiguidades da memória, sabemos das velocidades que invadem nossos afetos. Mas não custa semear cuidados. Não é apenas o passado que compõe a história. É preciso destacar o […]






Share Read the rest of this entry »

Sonhos perdidos

As invenções da vida se perdem quando frustram as solidariedades Há desamparos, invejas, violências que atormentam e instabilizam, desejos que passam sem configurar sentidos ou encontros. Cada vida sustenta mistérios, busca eternidades imaginárias. O mundo não descansa, mas não conhece a gramática que forma suas palavras. O manto da dúvida envolve o sonho que poderia […]






Share Read the rest of this entry »

Os deslocamentos da partida

No deslocamento da partida a insensatez desconhece a proximidade das perdas. As sombras das lembranças confundem-se com os esquecimentos tardios. Há aventuras em cada ilusão que a faz desenhar paraísos e apagar incompletudes. Nas histórias da vida não há tempo adormecido, nem memórias extravagantes. Cada invenção que transforma os sentimentos não garante a permanência da […]






Share Read the rest of this entry »

A fluidez da memória: perdas e encontros

A memória nos acompanha. Nada mais saudável para agitar a vida.  A memória tem seus balanços. Nunca foi estática. Atiça esquecimentos e lembranças. Ela traz sensações diferentes, nos tira de sufocos, anuncia as repetições constantes. Não há como deixar de consultá-la. É  preciso, contudo, não guardá-la com uma pedra preciosa intocável. Ela ganha significados, perde […]






Share Read the rest of this entry »

Gastos soltos assustam e distorcem expectativas

A festa traz alegria. Muda expectativas. Coloca a vida noutro ritmo, desmanchando melancolias. Não foi à toa que muitos se empolgaram com a vinda dos jogos mundiais para o Brasil. Parecia  a chegada de um renascimento. Os governos sacudiram bandeiras e os políticos enalteceram o progresso. Muita euforia na imprensa, conversas nos negócios e organização […]






Share Read the rest of this entry »

As referências e os rituais, as perdas e as velocidades

Os transportes do tempo não se fazem sem rituais. A sociedade deseja novidades, não dispensa referências. É um problema da complexa pós-modernidade. Há inquietações amplas, porque se busca limites num universo de formas estranhas e efêmeras. Teima-se em contar os dias, refazendo datas e calendários seculares, num oceano de memória saudosa das astúcias de Ulisses. […]






Share Read the rest of this entry »