Posts Tagged ‘perguntas’

Discute-se o impossível? O futuro se desfaz?

    O mundo está repleto de perguntas. Com sua complexidade monumental, buscam-se respostas para se evitar conflitos e produzir certezas. No entanto, as coisas se enchem de polêmicas. As notícias se modificam rapidamente. Até as teorias científicas sofrem abalos e o futuro se torna uma esfinge esquisita. Não há como cercar tantas variações diante […]

Read the rest of this entry »

Quem julga? Quem perde? Quem disfarça?

Há muitas perguntas sem respostas. As ambiguidade fazem parte dos espantalhos políticos. A sociedade se divide, porque as incertezas não cessam de apavorar. Não dá para esperar sossego, quando as armadilhas estão preparadas e agem cotidianamente. Até aonde vão as contendas políticas, ninguém sabe. Nota-se que a economia está agonizante. Os negócios mostram que o capitalismo não […]

Read the rest of this entry »

Sabedorias efêmeras e inúteis

Consumo as mercadorias com se o acaso me condenasse, não sei qual o forma do desejo, nem as cores que cercam o destino. Nem penso na história que contaria do juízo final sem anjos, nem demônios. As escritas fixam lembranças do passado, não consigo olhar as imagens sem as profecias, seguro atônito o sonho que […]

Read the rest of this entry »

As geometrias das verdades

  A forma acompanha as concepções de mundo. Quem pensaria a estética sem compreender a necessidade que temos de representar a vida e suas histórias? O que nos desafia é a quantidade incomensurável de situações enfrentadas e os tempos flutuantes de cada época. Não podemos viver sem escolher verdades mesmo que haja desconfianças ou que […]

Read the rest of this entry »

Há uma teoria da história ?

Contamos os dias. Temos calendários diferentes. As culturas mudam nossos prazeres ou mudam os desejos? E os enigmas que aparecem e nos surpreendem? Perguntas não faltam. Viver é fazer perguntas e nunca deixaremos de arquitetá-las. Mas tudo está envolvido por um tempo ou uma concepção de tempo. As culturas conversam com o tempo. Não seria […]

Read the rest of this entry »

A fluidez da memória: perdas e encontros

A memória nos acompanha. Nada mais saudável para agitar a vida.  A memória tem seus balanços. Nunca foi estática. Atiça esquecimentos e lembranças. Ela traz sensações diferentes, nos tira de sufocos, anuncia as repetições constantes. Não há como deixar de consultá-la. É  preciso, contudo, não guardá-la com uma pedra preciosa intocável. Ela ganha significados, perde […]

Read the rest of this entry »

Os fantasmas, as incertezas, as perguntas

As suspeitas não ficam soltas, possuem centros de gravidade surpreendentes. O mundo não se cansa de perguntar as razões de tantas incertezas, a história responde, não se acomoda nas tonturas dos abismos. Seguem os amores, desfazem-se os poderes, estendem-se os sentimentos. Há sinais confusos de que a eternidade é discurso solitário e enganador. As teorias […]

Read the rest of this entry »

O Brasil, o capitalismo, as inquietudes, os movimentos

    A tensão produz violência, a violência produz tensão. É difícil desenhar um fio que resolva as arquiteturas dos impasses. Mas existe uma atmosfera nada quieta que se espalha. Ela não é uniforme. Há quem não se envolva com os desacertos e nem queira mostrar insatisfações. As divergências consolidam-se, pois a sociedade é complexa […]

Read the rest of this entry »

As perguntas e os ídolos não saem da história

Nunca cultivei ídolos. Tenho admiração, contudo, por muitas pessoas. Não precisam ser intelectuais ou artistas famosos. Observo muito o cotidiano, quem está próximo. A distância cria fantasias excessivas, transforma sonhos e mitifica. É importante sabermos que as perguntas sempre existirão. Toda sociedade humana conviveu com dúvidas. Daí, a tendência a eleger certos privilegiados que nos […]

Read the rest of this entry »

Amores serenos, paixões delirantes, histórias soltas

A afetividade não deixa de ser um registro que me toca. Fico perplexo quando ouço pessoas desprezando-a,  afirmando que se trata de um assunto sem ressonância entre as coisas chamadas sérias. O que seria a vida sem a aproximação dos outros, sem o olhar apaixonado, sem a cabeça no colo? Há tantos exemplos que esgotariam […]

Read the rest of this entry »