Posts Tagged ‘poesia’

O maio do sonho: 1968

    Reclamamos das disputas infernais. O mundo não tem sossego. Não aprendeu com tantos séculos de cultura. A burocracia toma conta da vida privada. Uma prisão, cheia de labirintos construídos, com muito sadismo, alimenta solicitações opressoras. Os prédios verticalizam a moradia, ora são abandonados, ora são demolidos. Tudo se passa numa velocidade estúpida. Não […]

Read the rest of this entry »

A vontade do mundo

Não feche a porta, o mundo existe independente da tua vontade. Não adiantam prisões internas e secretas, nem sonhos sonhos que não toquem no real. Não testemunhe o concreto, nem imagine fantasmas obscenos. As teorias filosóficas perdem-se nas fabricações das lógicas. Mergulhe no que não tem forma, nos oeanos que precederam a invenção da argila. […]

Read the rest of this entry »

Dos objetos, sem testemunhas

Há um buraco na lona do circo e um palhaço atropelado pelo riso exilado. A vida permanece costurando o sublime com a nudez do desencanto esfarrapado. Não testemunho nada, nem apago as palavras que não escrevi no abismo. Firo o caminho das origens e dos estranhos atravessados nas sombras. A poesia é o fôlego do […]

Read the rest of this entry »

Chico, Carolina, Beatriz, Piazzolla, Ulisses

O sufoco foi grande. Dessa vez, não só os morros ficaram em alerta. Ruas, antes inabaláveis, entraram na dança das águas. A tensão deixou a população irritada. O sol saiu, colaborou para relaxar, mas os canais cheios e o comércio perturbado pelos prejuízos firmaram tensões. Até o Shopping Plaza se recolheu. O inesperado acontece e não […]

Read the rest of this entry »